Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Variedades
Villa Mix no Beto Carrero comprova que sertanejo continua fazendo sucesso

Terça, 2/1/2018 8:32.

Publicidade

(RENATA RUTES) - Muita chuva e uma multidão animada. Esse foi o contexto predominante de mais uma edição do Villa Mix, que aconteceu na sexta-feira (29), no Parque Beto Carrero World.

O Página 3 esteve lá e conferiu tudo de pertinho.

Mesmo com o tempo feio, o público não desanimou e curtiu noite a dentro. Porém, uma situação complicada que acontece em grandes eventos se repetiu: o furto de celulares.

Críticas e opiniões

O público era dividido em diversos setores. No mais simples a pessoa só tinha direito a estar no local e tudo era pago (bebida e alimentação). No Villa Premium o regime era open bar e open food durante todo o evento.

A diferença era bem considerável já que na pista o pessoal estava embaixo da chuva (que em alguns momentos se fez presente com intensidade) e no setor mais caro a área era coberta, com lugares para sentar e diversos bares.

Uma das principais reclamações do público foi bebidas e alimentação, consideradas caras (por volta de R$ 8,00 uma lata de cerveja e R$ 12,00 um cachorro-quente). As filas eram intensas – na área open bar também. O público questionava porque havia pago para beber à vontade, mas demorava muito para conseguir a bebida.

Os banheiros também foram alvo de críticas. No setor onde havia banheiros químicos o público questionou a falta de papel para secar as mãos e a limpeza pouco frequente.

O estacionamento também foi citado: o normal custava R$ 50,00 e o VIP R$ 70,00. Houve quem relatou que ficou mais de duas horas na fila para deixar o Beto Carrero.

Após o evento, houve diversos relatos de furtos e perdas de celulares no Facebook oficial do Villa Mix. A organização não se pronunciou sobre os acontecimentos.

Shows agradaram

As atrações principais do festival, predominantemente voltado para a música sertaneja, mas que também contou com a participação dos DJs Alok e Sevenn, foram os shows.

Pontualmente às 18h a dupla Cesar Menotti & Fabiano subiu ao palco. Eles confessaram que por conta da chuva não esperavam que muitas pessoas estivessem lá para vê-los, mas que “Santa Catarina nunca os decepciona”. Entre os hits, “Ciumenta”, “Não era eu” e “Anjo”, com o público cantando junto com os ‘gordinhos’ que fazem sucesso há mais de 10 anos, quando lançaram a famosa “Leilão”.

Em seguida, a dupla de DJs por trás do projeto Sevenn assumiu o comando da festa. “Juntar tantas pessoas assim na chuva e todo mundo pulando é uma energia inexplicável e que pudemos sentir aqui no Villa Mix”, destacaram.

“Chora não, coleguinha!” Por volta das 19h30, as irmãs Simone & Simaria, mais um fenômeno da música sertaneja (ou ‘feminejo’ como andam chamando), aterrissaram no palco principal com grande expectativa do público. “Regime Fechado”, “126 cabides” e “Loka” foram os destaques do show.

Depois delas foi a vez dos goianos Matheus & Kauan, com o seu reggae-sertanejo. A dupla, que se apresenta pelo segundo ano consecutivo no evento, considera uma oportunidade ímpar. “O Villa Mix foi na verdade um festival muito importante para a nossa carreira. E é sempre muito especial estar aqui”, afirmou Matheus.

Já passava das 22h quando a dupla mais esperada do evento subiu ao palco: Jorge & Mateus, os ‘anfitriões’ do Festival que acontece em todo o país. Os dois agitaram o público que, mesmo com a chuva que não parou nem um segundo, cantou alto e dançou junto. No repertório, “Pode chorar”, “De tanto te querer”, “Voa beija flor” e “Amo noite e dia”. Certamente foi a apresentação mais marcante dessa edição. Ao longo do show se destacou a simpatia dos músicos, que até tiravam fotos com os fãs e receberam presentes.

De volta ao eletrônico, Alok, um dos principais DJs do país, fez bonito nas pick-ups da arena multiuso do Beto Carrero. Ele tocou seu novo remix de “Pelados em Santos”, do Mamonas Assassinas. “Hear me now” e “Big Jet Plane” também foram destaques do set.

Entrando na madrugada, pouco depois da 1h, Guilherme e Santiago subiram ao palco. A dupla, que já acumula 23 anos de carreira, animou a platéia com os hits “E daí?” e “Pindaíba”. Por fim, depois das 2h, quem encerrou as apresentações no palco principal foi a dupla Cleber e Cauan. Entre os sucessos, “Sonho”, “Whisky e Prazer” e “Caminhão de Mudança”.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3

Villa Mix no Beto Carrero comprova que sertanejo continua fazendo sucesso

Publicidade

Terça, 2/1/2018 8:32.

(RENATA RUTES) - Muita chuva e uma multidão animada. Esse foi o contexto predominante de mais uma edição do Villa Mix, que aconteceu na sexta-feira (29), no Parque Beto Carrero World.

O Página 3 esteve lá e conferiu tudo de pertinho.

Mesmo com o tempo feio, o público não desanimou e curtiu noite a dentro. Porém, uma situação complicada que acontece em grandes eventos se repetiu: o furto de celulares.

Críticas e opiniões

O público era dividido em diversos setores. No mais simples a pessoa só tinha direito a estar no local e tudo era pago (bebida e alimentação). No Villa Premium o regime era open bar e open food durante todo o evento.

A diferença era bem considerável já que na pista o pessoal estava embaixo da chuva (que em alguns momentos se fez presente com intensidade) e no setor mais caro a área era coberta, com lugares para sentar e diversos bares.

Uma das principais reclamações do público foi bebidas e alimentação, consideradas caras (por volta de R$ 8,00 uma lata de cerveja e R$ 12,00 um cachorro-quente). As filas eram intensas – na área open bar também. O público questionava porque havia pago para beber à vontade, mas demorava muito para conseguir a bebida.

Os banheiros também foram alvo de críticas. No setor onde havia banheiros químicos o público questionou a falta de papel para secar as mãos e a limpeza pouco frequente.

O estacionamento também foi citado: o normal custava R$ 50,00 e o VIP R$ 70,00. Houve quem relatou que ficou mais de duas horas na fila para deixar o Beto Carrero.

Após o evento, houve diversos relatos de furtos e perdas de celulares no Facebook oficial do Villa Mix. A organização não se pronunciou sobre os acontecimentos.

Shows agradaram

As atrações principais do festival, predominantemente voltado para a música sertaneja, mas que também contou com a participação dos DJs Alok e Sevenn, foram os shows.

Pontualmente às 18h a dupla Cesar Menotti & Fabiano subiu ao palco. Eles confessaram que por conta da chuva não esperavam que muitas pessoas estivessem lá para vê-los, mas que “Santa Catarina nunca os decepciona”. Entre os hits, “Ciumenta”, “Não era eu” e “Anjo”, com o público cantando junto com os ‘gordinhos’ que fazem sucesso há mais de 10 anos, quando lançaram a famosa “Leilão”.

Em seguida, a dupla de DJs por trás do projeto Sevenn assumiu o comando da festa. “Juntar tantas pessoas assim na chuva e todo mundo pulando é uma energia inexplicável e que pudemos sentir aqui no Villa Mix”, destacaram.

“Chora não, coleguinha!” Por volta das 19h30, as irmãs Simone & Simaria, mais um fenômeno da música sertaneja (ou ‘feminejo’ como andam chamando), aterrissaram no palco principal com grande expectativa do público. “Regime Fechado”, “126 cabides” e “Loka” foram os destaques do show.

Depois delas foi a vez dos goianos Matheus & Kauan, com o seu reggae-sertanejo. A dupla, que se apresenta pelo segundo ano consecutivo no evento, considera uma oportunidade ímpar. “O Villa Mix foi na verdade um festival muito importante para a nossa carreira. E é sempre muito especial estar aqui”, afirmou Matheus.

Já passava das 22h quando a dupla mais esperada do evento subiu ao palco: Jorge & Mateus, os ‘anfitriões’ do Festival que acontece em todo o país. Os dois agitaram o público que, mesmo com a chuva que não parou nem um segundo, cantou alto e dançou junto. No repertório, “Pode chorar”, “De tanto te querer”, “Voa beija flor” e “Amo noite e dia”. Certamente foi a apresentação mais marcante dessa edição. Ao longo do show se destacou a simpatia dos músicos, que até tiravam fotos com os fãs e receberam presentes.

De volta ao eletrônico, Alok, um dos principais DJs do país, fez bonito nas pick-ups da arena multiuso do Beto Carrero. Ele tocou seu novo remix de “Pelados em Santos”, do Mamonas Assassinas. “Hear me now” e “Big Jet Plane” também foram destaques do set.

Entrando na madrugada, pouco depois da 1h, Guilherme e Santiago subiram ao palco. A dupla, que já acumula 23 anos de carreira, animou a platéia com os hits “E daí?” e “Pindaíba”. Por fim, depois das 2h, quem encerrou as apresentações no palco principal foi a dupla Cleber e Cauan. Entre os sucessos, “Sonho”, “Whisky e Prazer” e “Caminhão de Mudança”.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade