Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Primo diz a TV que George Michael morreu de overdose acidental

Terça, 17/1/2017 11:33.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Amigo de infância de George Michael, o músico Andros Georgiou afirmou a um programa de TV da BBC que suspeita que a causa da morte do cantor -ainda não revelada- tenha sido uma overdose acidental.

Michael morreu aos 53 anos, no último Natal. Os resultados de uma primeira perícia foram inconclusivos, e a polícia realiza novos exames para descobrir o que provocou a morte do artista, em casa. O caso, porém, não é considerado suspeito.

Georgiou cresceu com com o cantor e eles costumavam se referir um ao outro como "primos". Ele rejeita que o amigo tenha se suicidado, embora reconheça que Michael tinha "pensamentos suicidas".

O "primo" contou à BBC que crack e cocaína eram as drogas favoritas do intérprete de "Freedom". "Acho que ele exagerou na dose de alguma coisa, misturou com antidepressivos e outras drogas que ele usava, como álcool. Acho que seu coração apenas parou de bater."

Ex-produtor musical, Georgiou viajou com Michael em turnês até 1998 e disse que quer descobrir a verdade sobre o que aconteceu e "o que estava exatamente no sangue dele naquele momento, quem deu as drogas para ele, por que ele as usou de novo". Afirmou também que o astro estava melhorando, "tentando levar uma vida normal de novo, mas foi tragado para o lado escuro".

Na entrevista, o amigo também rejeitou os relatos recentes de que Michael estava usando heroína: "Era a única droga que ele nunca usou". E, ainda, que tem uma coleção de músicas jamais lançadas pelo artista.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Primo diz a TV que George Michael morreu de overdose acidental

Terça, 17/1/2017 11:33.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Amigo de infância de George Michael, o músico Andros Georgiou afirmou a um programa de TV da BBC que suspeita que a causa da morte do cantor -ainda não revelada- tenha sido uma overdose acidental.

Michael morreu aos 53 anos, no último Natal. Os resultados de uma primeira perícia foram inconclusivos, e a polícia realiza novos exames para descobrir o que provocou a morte do artista, em casa. O caso, porém, não é considerado suspeito.

Georgiou cresceu com com o cantor e eles costumavam se referir um ao outro como "primos". Ele rejeita que o amigo tenha se suicidado, embora reconheça que Michael tinha "pensamentos suicidas".

O "primo" contou à BBC que crack e cocaína eram as drogas favoritas do intérprete de "Freedom". "Acho que ele exagerou na dose de alguma coisa, misturou com antidepressivos e outras drogas que ele usava, como álcool. Acho que seu coração apenas parou de bater."

Ex-produtor musical, Georgiou viajou com Michael em turnês até 1998 e disse que quer descobrir a verdade sobre o que aconteceu e "o que estava exatamente no sangue dele naquele momento, quem deu as drogas para ele, por que ele as usou de novo". Afirmou também que o astro estava melhorando, "tentando levar uma vida normal de novo, mas foi tragado para o lado escuro".

Na entrevista, o amigo também rejeitou os relatos recentes de que Michael estava usando heroína: "Era a única droga que ele nunca usou". E, ainda, que tem uma coleção de músicas jamais lançadas pelo artista.

Publicidade

Publicidade