Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Mesmo com a crise Carnaval de São Paulo não abre mão do luxo
Divulgação.

Terça, 2/2/2016 15:34.

A criatividade das escolas de samba para driblar os efeitos da crise econômica prevaleceu na produção do carnaval 2016. Com o aumento de preços de materiais importados como plumas, penas e tecidos, devido à alta do dólar, carnavalescos tiveram de pensar em substituições. Com isso, a disposição dos patrocinadores e apoiadores em investir no carnaval em São Paulo teve retração

Diego Laudano Rocha, diretor de Planejamento da Dragões da Real, disse que a escola perdeu em 50% o volume financeiro conseguido com patrocínio (quantia maior paga por uma empresa quando a escola agrega seu produto ao enredo) e apoio (quantia menor voltada a apenas um segmento específico ou ala da escola), em relação ao ano passado.

A Dragões da Real falará sobre o ato de dar e receber presentes – “Surpresa! Adivinha o que eu trouxe pra você?” é o tema deste ano. Diego disse que o planejamento para o carnaval precisou ser alterado com a crise. “Este ano exigiu muito mais da gente por conta do aumento dos valores das matérias-primas”.

A estratégia adotada foi comprar todo o material de uma única vez, diferentemente de anos anteriores, quando a compra era parcelada em duas ou três vezes. “Assim ganhamos poder de barganha para negociar o preço”, explicou Diego.

A venda de fantasias, por sua vez, não foi afetada. “A nossa escola não sofreu tanto com a venda porque a nossa fantasia é barata. Uma das mais baratas do carnaval. Temos a venda direta para o folião e para os coordenadores de ala, que sai a preço de custo. Foi tranquilo para a escola quanto a isso”

Patrocinadores receosos

Nem mesmo a escola campeã de 2015 escapou da crise. Com os patrocinadores mais criteriosos este ano, a estratégia da Vai-Vai foi elevar o número de empresas investidoras. “Em vez de um [patrocinador] pagar a conta, a gente dividiu e não ficou pesado para ninguém. Dividimos a conta”, disse Thobias da Vai-Vai, vice-presidente da escola.

A Vai-Vai tem seis patrocínios este ano, com o enredo Je Suis Vai-Vai, Bem-Vindos à França!. “Vamos falar da França de uma forma geral, da cultura, dos costumes, das belezas naturais e de um pouco da história da Revolução Francesa, isso influenciou o mundo todo. Vamos falar do perfume, da bebida, da Torre Eiffel, do Moulin Rouge”, disse Thobias.

Os foliões que desfilam pela Vai-Vai também não pouparam na hora de comprar as fantasias. “Faltando pouco para o carnaval, não temos mais fantasias. O pessoal dá cheque pré-datado, compra no cartão, dá um jeito. É um lazer em que a pessoa investe”, disse ele.

Carnavalesco aposta na criatividade

Para confeccionar as fantasias e compor os carros alegóricos sem estourar o orçamento, foi preciso inovar. Amarildo de Mello, carnavalesco da Águia de Ouro, disse que nos momentos de crise é que o artista aparece. “A crise é propulsora de boas ideias. Quem mente melhor, faz o melhor carnaval. Quem faz o papel virar ouro, quem faz lata virar prata, é que vence o carnaval”, brincou.

Um problema enfrentado pela escola foi a carência de matérias-primas importadas da China, o que elevou o preço até mesmo da cola quente, que chegava a custar a metade do preço antes da crise. Com a falta de insumos, o carnavalesco Amarildo conta que substituiu materiais caros por jornais pintados de dourado, fez uma mistura de tecidos baratos para simular renda e abusou de produtos artesanais brasileiros.

“Tem um carro na Águia de Ouro que é todo trançado em palha. Optei por trabalhar com o que o Brasil tem. Tornou-se uma das coisas mais lindas. Foi feita à mão pela nossa equipe”, conta Amarildo.

Sem conseguir patrocínio, a escola escolheu um enredo autorial, Ave Maria Cheia de Faces. “É um tributo à mãe de Jesus, fazendo um estudo comparado das marias pelo mundo, um passeio pela história universal. Achamos a Ísis, que é a grande Maria do Egito, Artemis é a grande Maria da Grécia, Vênus, com o mesmo atributo de Maria em Roma, e chegamos à África, na grande Mãe Terra, que tem o útero negro e deu origem ao homem. Em Aparecida, damos o pontapé inicial nos 300 anos de Nossa Senhora no Brasil”, explicou.

Gasto público

Apesar da crise, a São Paulo Turismo (SPTuris), empresa de turismo e eventos, cuja sócia majoritária é a prefeitura de São Paulo, informou que elevou a verba de apoio às escolas de samba. Este ano, estão sendo investidos R$ 43 milhões, montante que inclui gastos com a infraestrutura no sambódromo e com o carnaval de rua. No ano passado, foram investidos R$ 37 milhões e, em 2014, gastou-se R$ 35 milhões.

As 14 escolas de samba do grupo especial de São Paulo desfilam na sexta-feira (5) e no sábado (6). Na primeira noite, entram no Anhembi, nesta ordem: Pérola Negra, Unidos de Vila Maria, Águia de Ouro, Rosas de Ouro, Nenê de Vila Matilde, Gaviões da Fiel e Acadêmicos do Tatuapé. No sábado, apresentam-se Unidos do Peruche, Império de Casa Verde, Acadêmicos do Tucuruvi, Mocidade Alegre, Vai-Vai, Dragões da Real e X-9 Paulistana. As noves escolas do grupo de acesso desfilam no domingo (13). 

(AB)

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Cidade

Volume de resíduos não é um indicador seguro da quantidade de turistas


Policia

Praça central de Balneário Camboriú é o ponto preferido também de andarilhos e usuários 


Policia

A suspeita é que funcionários dos gabinetes da Alerj devolviam parte dos salários


Política


Publicidade


Publicidade


Cidade

Balneário Camboriú adotará entrega voluntária em ponto da prefeitura  


Divulgação

Excelente opção para os micro empreendedores, pequenas empresas e freelancers.


Geral

Até embarcações de pequeno porte levantam areia, depende das condições 


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Mesmo com a crise Carnaval de São Paulo não abre mão do luxo

Divulgação.
Terça, 2/2/2016 15:34.

A criatividade das escolas de samba para driblar os efeitos da crise econômica prevaleceu na produção do carnaval 2016. Com o aumento de preços de materiais importados como plumas, penas e tecidos, devido à alta do dólar, carnavalescos tiveram de pensar em substituições. Com isso, a disposição dos patrocinadores e apoiadores em investir no carnaval em São Paulo teve retração

Diego Laudano Rocha, diretor de Planejamento da Dragões da Real, disse que a escola perdeu em 50% o volume financeiro conseguido com patrocínio (quantia maior paga por uma empresa quando a escola agrega seu produto ao enredo) e apoio (quantia menor voltada a apenas um segmento específico ou ala da escola), em relação ao ano passado.

A Dragões da Real falará sobre o ato de dar e receber presentes – “Surpresa! Adivinha o que eu trouxe pra você?” é o tema deste ano. Diego disse que o planejamento para o carnaval precisou ser alterado com a crise. “Este ano exigiu muito mais da gente por conta do aumento dos valores das matérias-primas”.

A estratégia adotada foi comprar todo o material de uma única vez, diferentemente de anos anteriores, quando a compra era parcelada em duas ou três vezes. “Assim ganhamos poder de barganha para negociar o preço”, explicou Diego.

A venda de fantasias, por sua vez, não foi afetada. “A nossa escola não sofreu tanto com a venda porque a nossa fantasia é barata. Uma das mais baratas do carnaval. Temos a venda direta para o folião e para os coordenadores de ala, que sai a preço de custo. Foi tranquilo para a escola quanto a isso”

Patrocinadores receosos

Nem mesmo a escola campeã de 2015 escapou da crise. Com os patrocinadores mais criteriosos este ano, a estratégia da Vai-Vai foi elevar o número de empresas investidoras. “Em vez de um [patrocinador] pagar a conta, a gente dividiu e não ficou pesado para ninguém. Dividimos a conta”, disse Thobias da Vai-Vai, vice-presidente da escola.

A Vai-Vai tem seis patrocínios este ano, com o enredo Je Suis Vai-Vai, Bem-Vindos à França!. “Vamos falar da França de uma forma geral, da cultura, dos costumes, das belezas naturais e de um pouco da história da Revolução Francesa, isso influenciou o mundo todo. Vamos falar do perfume, da bebida, da Torre Eiffel, do Moulin Rouge”, disse Thobias.

Os foliões que desfilam pela Vai-Vai também não pouparam na hora de comprar as fantasias. “Faltando pouco para o carnaval, não temos mais fantasias. O pessoal dá cheque pré-datado, compra no cartão, dá um jeito. É um lazer em que a pessoa investe”, disse ele.

Carnavalesco aposta na criatividade

Para confeccionar as fantasias e compor os carros alegóricos sem estourar o orçamento, foi preciso inovar. Amarildo de Mello, carnavalesco da Águia de Ouro, disse que nos momentos de crise é que o artista aparece. “A crise é propulsora de boas ideias. Quem mente melhor, faz o melhor carnaval. Quem faz o papel virar ouro, quem faz lata virar prata, é que vence o carnaval”, brincou.

Um problema enfrentado pela escola foi a carência de matérias-primas importadas da China, o que elevou o preço até mesmo da cola quente, que chegava a custar a metade do preço antes da crise. Com a falta de insumos, o carnavalesco Amarildo conta que substituiu materiais caros por jornais pintados de dourado, fez uma mistura de tecidos baratos para simular renda e abusou de produtos artesanais brasileiros.

“Tem um carro na Águia de Ouro que é todo trançado em palha. Optei por trabalhar com o que o Brasil tem. Tornou-se uma das coisas mais lindas. Foi feita à mão pela nossa equipe”, conta Amarildo.

Sem conseguir patrocínio, a escola escolheu um enredo autorial, Ave Maria Cheia de Faces. “É um tributo à mãe de Jesus, fazendo um estudo comparado das marias pelo mundo, um passeio pela história universal. Achamos a Ísis, que é a grande Maria do Egito, Artemis é a grande Maria da Grécia, Vênus, com o mesmo atributo de Maria em Roma, e chegamos à África, na grande Mãe Terra, que tem o útero negro e deu origem ao homem. Em Aparecida, damos o pontapé inicial nos 300 anos de Nossa Senhora no Brasil”, explicou.

Gasto público

Apesar da crise, a São Paulo Turismo (SPTuris), empresa de turismo e eventos, cuja sócia majoritária é a prefeitura de São Paulo, informou que elevou a verba de apoio às escolas de samba. Este ano, estão sendo investidos R$ 43 milhões, montante que inclui gastos com a infraestrutura no sambódromo e com o carnaval de rua. No ano passado, foram investidos R$ 37 milhões e, em 2014, gastou-se R$ 35 milhões.

As 14 escolas de samba do grupo especial de São Paulo desfilam na sexta-feira (5) e no sábado (6). Na primeira noite, entram no Anhembi, nesta ordem: Pérola Negra, Unidos de Vila Maria, Águia de Ouro, Rosas de Ouro, Nenê de Vila Matilde, Gaviões da Fiel e Acadêmicos do Tatuapé. No sábado, apresentam-se Unidos do Peruche, Império de Casa Verde, Acadêmicos do Tucuruvi, Mocidade Alegre, Vai-Vai, Dragões da Real e X-9 Paulistana. As noves escolas do grupo de acesso desfilam no domingo (13). 

(AB)

Publicidade

Publicidade