Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Saúde
Andarilhos e Coronavírus: cerca de 40 estão nas ruas de Balneário Camboriú

Sexta, 20/3/2020 11:16.

Publicidade

A prefeitura de Balneário Camboriú intensificou suas ações focadas nas pessoas em situação de rua no início da semana. Somente na terça-feira (17) 40 andarilhos foram embora para suas cidades natais, um grupo está na Casa de Passagem e outros 40 continuam nas ruas, já que não aceitaram nenhum tipo de ajuda.

A secretária de Inclusão Social, Christina Barichello, explica que o Resgate Social (departamento responsável pela abordagem às pessoas em situação de rua em Balneário Camboriú) percorreu as ruas da cidade na segunda-feira (16), em locais que já são de conhecimento da equipe por reunirem andarilhos.

“Convidamos eles para irem para a Casa de Passagem, que entraria em quarentena, grande parte aceitou, e outros (cerca de 40) aceitaram passagens para voltarem para suas casas/cidades natais. Explicamos que eles eram mais sensíveis ao vírus, já que possuem doenças como tuberculose e sexualmente transmissíveis, mas entre 40 e 50 não aceitaram nenhum tipo de ajuda e optaram por permanecerem nas ruas”, diz.

Christina lembra que a rodoviária foi fechada, então não podem mais distribuir passagens para aqueles que não aceitaram ajuda no início da semana, e também não podem recolher mais ninguém na Casa de Passagem, já que se alguém de fora entrar pode contaminar os outros.

“Viraria um caos. Mas pensando naqueles que não aceitaram ajuda, montamos um plantão no CREAS (esquina com a Rua Iraque, na Avenida Martin Luther, no Bairro das Nações), onde estamos servido marmitas, já que os restaurantes estão fechados, assim eles pegam a comida e não ficam com fome. Também estamos circulando pela cidade junto com a Secretaria de Saúde para ver se eles estão doentes, e se sim os encaminhamos para o hospital”, salienta.

A secretária acrescenta que também precisam pensar nos funcionários do Resgate, que já vivem uma rotina arriscada mesmo sem a pandemia do vírus, passando por possíveis agressões por parte dos andarilhos.

“Infelizmente isso é recorrente. A população cobra de nós, ‘coitados dos moradores de rua’, mas eles tiveram chance. Oferecemos passagens rodoviárias, abrigo na Casa de Passagem, o município investiu muito, orientamos bastante. Eles tiveram opções, mas esses quase 50 não aceitaram. E desse número cerca de 20 possuem família em Balneário ou região, mas são dependentes químicos e querem ficar na rua. Continuamos pedindo para a população não dar esmola”, completa.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Publicidade














Página 3

Andarilhos e Coronavírus: cerca de 40 estão nas ruas de Balneário Camboriú

Publicidade

Sexta, 20/3/2020 11:16.

A prefeitura de Balneário Camboriú intensificou suas ações focadas nas pessoas em situação de rua no início da semana. Somente na terça-feira (17) 40 andarilhos foram embora para suas cidades natais, um grupo está na Casa de Passagem e outros 40 continuam nas ruas, já que não aceitaram nenhum tipo de ajuda.

A secretária de Inclusão Social, Christina Barichello, explica que o Resgate Social (departamento responsável pela abordagem às pessoas em situação de rua em Balneário Camboriú) percorreu as ruas da cidade na segunda-feira (16), em locais que já são de conhecimento da equipe por reunirem andarilhos.

“Convidamos eles para irem para a Casa de Passagem, que entraria em quarentena, grande parte aceitou, e outros (cerca de 40) aceitaram passagens para voltarem para suas casas/cidades natais. Explicamos que eles eram mais sensíveis ao vírus, já que possuem doenças como tuberculose e sexualmente transmissíveis, mas entre 40 e 50 não aceitaram nenhum tipo de ajuda e optaram por permanecerem nas ruas”, diz.

Christina lembra que a rodoviária foi fechada, então não podem mais distribuir passagens para aqueles que não aceitaram ajuda no início da semana, e também não podem recolher mais ninguém na Casa de Passagem, já que se alguém de fora entrar pode contaminar os outros.

“Viraria um caos. Mas pensando naqueles que não aceitaram ajuda, montamos um plantão no CREAS (esquina com a Rua Iraque, na Avenida Martin Luther, no Bairro das Nações), onde estamos servido marmitas, já que os restaurantes estão fechados, assim eles pegam a comida e não ficam com fome. Também estamos circulando pela cidade junto com a Secretaria de Saúde para ver se eles estão doentes, e se sim os encaminhamos para o hospital”, salienta.

A secretária acrescenta que também precisam pensar nos funcionários do Resgate, que já vivem uma rotina arriscada mesmo sem a pandemia do vírus, passando por possíveis agressões por parte dos andarilhos.

“Infelizmente isso é recorrente. A população cobra de nós, ‘coitados dos moradores de rua’, mas eles tiveram chance. Oferecemos passagens rodoviárias, abrigo na Casa de Passagem, o município investiu muito, orientamos bastante. Eles tiveram opções, mas esses quase 50 não aceitaram. E desse número cerca de 20 possuem família em Balneário ou região, mas são dependentes químicos e querem ficar na rua. Continuamos pedindo para a população não dar esmola”, completa.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade