Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Saúde
Para conter surto, China proíbe funerais de vítimas do coronavírus

Chineses constrõem hospital em 10 dias para tratar pacientes do coronavírus

Segunda, 3/2/2020 6:56.

Publicidade

Os mortos pelo surto de coronavírus na China, que já infectou mais de 14 mil pessoas, não podem ser enterrados onde seus parentes desejam nem mesmo terão direito a uma cerimônia de despedida. Neste domingo, 2, o governo da China emitiu um protocolo rigoroso para o tratamento de cadáveres, como parte de seus esforços para controlar o surto.

Os restos mortais dos infectados pelo novo coronavírus terão de ser cremados em uma funerária designada e perto do local onde se encontram - não serão transportados entre diferentes regiões e não serão preservados por sepultamento ou outros meios, diz um protocolo emitido pela Comissão Nacional de Saúde, pelo Ministério dos Assuntos Civis e pelo Ministério da Segurança Pública.

As tradições fúnebres, como cerimônia de despedida, são proibidas e os corpos devem ser desinfetados e colocados em um saco selado por trabalhadores médicos e não podem ser abertos após a vedação. As funerárias devem enviar pessoal e veículos especiais para entregar os corpos de acordo com a rota designada, e esses devem ser cremados em crematórios designados, segundo a diretriz.

A China também pediu o adiamento dos casamentos planejados para este domingo, dia 2 de fevereiro. A data é considerada, neste ano, um dia de sorte para o casamento, pois o 02022020 é um número palíndromo (a leitura pode ser feita da esquerda para a direita ou vice-versa).

As autoridades da Província de Hubei, epicentro do coronavírus, anunciaram neste sábado que também suspenderão os registros de casamento a partir de segunda-feira até um novo aviso.

Segundo os dados mais recentes, o número de mortes aumentou neste domingo para 305, enquanto o número de infectados com a doença no território chinês está em 14.380.

Até agora, todos as mortes haviam ocorrido na China. Mas, neste domingo, houve a confirmação de que um homem de nacionalidade chinesa morreu nas Filipinas. A vítima esteve em Wuhan, epicentro do novo coronavírus.

Chineses constrõem hospital em 10 dias para tratar pacientes do coronavírus

O governo da China concluiu neste domingo, 2, a construção de um dos dois hospitais provisórios de Wuhan, que vão abrigar os pacientes infectados pelo coronavírus. A obra, que demorou dez dias para ser concluída, será inaugurada na próxima segunda-feira, 3.

A construção começou no dia 23 de janeiro e está localizada no distrito de Caidian - que também abriga o Sanatório dos Trabalhadores.

Segundo informações da imprensa local, o hospital ocupa uma área de 25 mil m² e possui mil leitos. A equipe médica será composta por 1.400 agentes de saúde das forças armadas, dentro dos quais estão membros do exército, da marinha e da força áerea chinesa.

Para erguer o Hospital Huoshenshan em apenas dez dias, os operários trabalharam em turnos nas 24 horas do dia. Estima-se que cada um deles recebeu US$ 173 por dia, valor que é três vezes acima do que os trabalhadores da categoria costumam receber no país.

Além do Huoshenshan, outro hospital também está sendo construído em Wuhan. O Leishenshan - cuja obra pode ser acompanhada em tempo real no YouTube -, vai ter espaço para 1.600 leitos. A expectativa é de que os trabalhos sejam concluídos na próxima quarta-feira, 5.

Vale lembrar que esta não é a primeira vez que a China responde com prontidão a uma ameaça de saúde. Em 2003, durante a epidemia de Sars (Síndrome Aguda Respiratória Grave), o governo do país asiático surpreendeu a comunidade mundial ao construir um hospital em Pequim em apenas sete dias.

Até o momento, a doença já causou 305 mortes e deixou mais de 14 mil infectados pelo mundo, sendo que o primeiro caso de morte fora do país asiático aconteceu na madrugada deste domingo, nas Filipinas.

E em meio ao surto de casos, o governo brasileiro anunciou, também neste domingo, que vai repatriar os cidadãos que estiverem em Wuhan. A decisão foi tomada após um grupo publicar um vídeo pedindo ajuda do Brasil, para conseguir deixar a China. No entanto, o local para onde eles serão levados, até que seja cumprido o período de quarentena, ainda não foi informado.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3

Para conter surto, China proíbe funerais de vítimas do coronavírus

Chineses constrõem hospital em 10 dias para tratar pacientes do coronavírus

Publicidade

Segunda, 3/2/2020 6:56.

Os mortos pelo surto de coronavírus na China, que já infectou mais de 14 mil pessoas, não podem ser enterrados onde seus parentes desejam nem mesmo terão direito a uma cerimônia de despedida. Neste domingo, 2, o governo da China emitiu um protocolo rigoroso para o tratamento de cadáveres, como parte de seus esforços para controlar o surto.

Os restos mortais dos infectados pelo novo coronavírus terão de ser cremados em uma funerária designada e perto do local onde se encontram - não serão transportados entre diferentes regiões e não serão preservados por sepultamento ou outros meios, diz um protocolo emitido pela Comissão Nacional de Saúde, pelo Ministério dos Assuntos Civis e pelo Ministério da Segurança Pública.

As tradições fúnebres, como cerimônia de despedida, são proibidas e os corpos devem ser desinfetados e colocados em um saco selado por trabalhadores médicos e não podem ser abertos após a vedação. As funerárias devem enviar pessoal e veículos especiais para entregar os corpos de acordo com a rota designada, e esses devem ser cremados em crematórios designados, segundo a diretriz.

A China também pediu o adiamento dos casamentos planejados para este domingo, dia 2 de fevereiro. A data é considerada, neste ano, um dia de sorte para o casamento, pois o 02022020 é um número palíndromo (a leitura pode ser feita da esquerda para a direita ou vice-versa).

As autoridades da Província de Hubei, epicentro do coronavírus, anunciaram neste sábado que também suspenderão os registros de casamento a partir de segunda-feira até um novo aviso.

Segundo os dados mais recentes, o número de mortes aumentou neste domingo para 305, enquanto o número de infectados com a doença no território chinês está em 14.380.

Até agora, todos as mortes haviam ocorrido na China. Mas, neste domingo, houve a confirmação de que um homem de nacionalidade chinesa morreu nas Filipinas. A vítima esteve em Wuhan, epicentro do novo coronavírus.

Chineses constrõem hospital em 10 dias para tratar pacientes do coronavírus

O governo da China concluiu neste domingo, 2, a construção de um dos dois hospitais provisórios de Wuhan, que vão abrigar os pacientes infectados pelo coronavírus. A obra, que demorou dez dias para ser concluída, será inaugurada na próxima segunda-feira, 3.

A construção começou no dia 23 de janeiro e está localizada no distrito de Caidian - que também abriga o Sanatório dos Trabalhadores.

Segundo informações da imprensa local, o hospital ocupa uma área de 25 mil m² e possui mil leitos. A equipe médica será composta por 1.400 agentes de saúde das forças armadas, dentro dos quais estão membros do exército, da marinha e da força áerea chinesa.

Para erguer o Hospital Huoshenshan em apenas dez dias, os operários trabalharam em turnos nas 24 horas do dia. Estima-se que cada um deles recebeu US$ 173 por dia, valor que é três vezes acima do que os trabalhadores da categoria costumam receber no país.

Além do Huoshenshan, outro hospital também está sendo construído em Wuhan. O Leishenshan - cuja obra pode ser acompanhada em tempo real no YouTube -, vai ter espaço para 1.600 leitos. A expectativa é de que os trabalhos sejam concluídos na próxima quarta-feira, 5.

Vale lembrar que esta não é a primeira vez que a China responde com prontidão a uma ameaça de saúde. Em 2003, durante a epidemia de Sars (Síndrome Aguda Respiratória Grave), o governo do país asiático surpreendeu a comunidade mundial ao construir um hospital em Pequim em apenas sete dias.

Até o momento, a doença já causou 305 mortes e deixou mais de 14 mil infectados pelo mundo, sendo que o primeiro caso de morte fora do país asiático aconteceu na madrugada deste domingo, nas Filipinas.

E em meio ao surto de casos, o governo brasileiro anunciou, também neste domingo, que vai repatriar os cidadãos que estiverem em Wuhan. A decisão foi tomada após um grupo publicar um vídeo pedindo ajuda do Brasil, para conseguir deixar a China. No entanto, o local para onde eles serão levados, até que seja cumprido o período de quarentena, ainda não foi informado.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade