Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Saúde
Comércio e transporte coletivo continuam proibidos em Santa Catarina

Governador Moisés parece a cada dia mais acovardado

Terça, 7/4/2020 5:40.

Publicidade

Em transmissão ao vivo nesta segunda-feira (6) o governador Carlos Moisés deu a entender que poderá prorrogar o fechamento do comércio em geral, mas não foi claro sobre isso. Mais tarde, numa publicação no portal do governo que falava sobre confecção de máscaras, veio a confirmação que comércio e transporte coletivo estão proibidos.

Com o prolongamento da crise de Covid-19 o comportamento de Carlos Moisés se tornou errático.

Menos de três semanas após determinar rígidas providências para conter a contaminação por coronavírus em Santa Catarina, ele cedeu às pressões e liberou praticamente todas as atividades econômicas, exceto o comércio.

Moisés fez isso sem ter preparado o Estado para uma epidemia, não há leitos, equipes médicas e material de consumo para atender um possível aumento de casos de Covid-19.

O governo do Estado não sabe sequer a quantidade de casos da doença e de mortes decorrentes dela, pois os exames do Laboratório Central estão atrasados.

Ao ceder às pressões de políticos e empresários o governador deu um salto no escuro, nada garante que dentro de alguns dias não seja necessário determinar novas medidas ainda mais rigorosas do que as anteriores.

A exigência que as pessoas mantenham distância nos estabelecimentos que foram abertos não é respeitada, dando condições para proliferação do coronavírus.

Nesta segunda-feira, segundo o governador, o Estado registrava 417 casos positivos de Covid-19 e 11 mortes.

Por falta de exames em quantidade suficiente esses números não são confiáveis.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3

Comércio e transporte coletivo continuam proibidos em Santa Catarina

Governador Moisés parece a cada dia mais acovardado

Publicidade

Terça, 7/4/2020 5:40.

Em transmissão ao vivo nesta segunda-feira (6) o governador Carlos Moisés deu a entender que poderá prorrogar o fechamento do comércio em geral, mas não foi claro sobre isso. Mais tarde, numa publicação no portal do governo que falava sobre confecção de máscaras, veio a confirmação que comércio e transporte coletivo estão proibidos.

Com o prolongamento da crise de Covid-19 o comportamento de Carlos Moisés se tornou errático.

Menos de três semanas após determinar rígidas providências para conter a contaminação por coronavírus em Santa Catarina, ele cedeu às pressões e liberou praticamente todas as atividades econômicas, exceto o comércio.

Moisés fez isso sem ter preparado o Estado para uma epidemia, não há leitos, equipes médicas e material de consumo para atender um possível aumento de casos de Covid-19.

O governo do Estado não sabe sequer a quantidade de casos da doença e de mortes decorrentes dela, pois os exames do Laboratório Central estão atrasados.

Ao ceder às pressões de políticos e empresários o governador deu um salto no escuro, nada garante que dentro de alguns dias não seja necessário determinar novas medidas ainda mais rigorosas do que as anteriores.

A exigência que as pessoas mantenham distância nos estabelecimentos que foram abertos não é respeitada, dando condições para proliferação do coronavírus.

Nesta segunda-feira, segundo o governador, o Estado registrava 417 casos positivos de Covid-19 e 11 mortes.

Por falta de exames em quantidade suficiente esses números não são confiáveis.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade