Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Saúde
Estado não tem projeto para o pós-fechamento da porta do Hospital Ruth Cardoso

Moradores de Balneário Camboriú não pagarão mais hospital para quem mora em outras cidades

Segunda, 4/11/2019 8:12.
EBC.

Publicidade

O governo do Estado não tem uma proposta concreta de atendimento aos pacientes da região após o Hospital Municipal Ruth Cardoso fechar as portas do pronto socorro dentro de dois meses.

Hoje o Ruth Cardoso é um hospital “porta aberta”, mas passará a atender apenas cirurgias programadas (eletivas) e materno infantil, devido à impossibilidade da prefeitura arcar sozinha com mais de R$ 3,5 milhões mensais para atender pacientes de cidades vizinhas.

O Ruth Cardoso foi planejado para ser “porta fechada”, mas a proposta original foi alterada antes mesmo do hospital entrar em funcionamento.

Também era para ser municipal, mas virou regional logo no início o que é ótimo para cooperativas médicas e outros fornecedores de produtos e serviços de saúde, porém péssimo para a população de Balneário Camboriú que paga a conta.

A assessoria de comunicação da Secretaria de Estado da Saúde informou que o repasse de verbas a hospitais seguirá o que foi definido recentemente na Política Hospitalar Catarinense.

Por essa Política o Ruth Cardoso receberia do Estado R$ 450 mil mensais se ficasse com porta aberta. O hospital Marieta, de Itajaí, receberá R$ 2,5 milhões mensais.

Entre agosto de 2017 e agosto de 2019 o Ruth Cardoso produziu 18.637 internações hospitalares e no mesmo período o Marieta 39.972, porém o Marieta é um hospital com habilitações mais complexas

A administração municipal pretende pleitear o repasse de R$ 450 mil alegando que continuará atendendo o materno infantil, mas é improvável que tenha sucesso.

Com a negativa do governo estadual é possível que o Ruth Cardoso suspenda também o atendimento materno infantil a pacientes que não moram em Balneário Camboriú.

Sempre que atende um paciente o Ruth Cardoso recebe menos do que gasta. Em um parto comum, por exemplo, o prejuízo é R$ 1.204.14 que são pagos com impostos dos moradores de Balneário Camboriú, não de Bombinhas ou Camboriú.

Sem o Ruth Cardoso a totalidade dos pacientes de pronto socorro de Bombinhas, Porto Belo, Itapema e Camboriú terá que ser conduzida pelas ambulâncias aos hospitais de Florianópolis, Itajaí ou Blumenau.

ENTENDA O QUE ACONTECERÁ

Todo paciente de Balneário Camboriú ou turista hospedado aqui passará por uma das três portas de entrada: UPA Nações, PA da Barra ou PA do Bairro dos Municípios.

Os moradores e turistas de Balneário Camboriú serão atendidos em baixa e média complexidade, o que for alta complexidade será encaminhado aos hospitais de referência regionais.

Moradores de outras cidades não serão atendidos no Ruth Cardoso, exceto no caso de partos se Balneário Camboriú decidir continuar oferecendo esse serviço a outros municípios.

Se um morador de outra cidade necessitar de atendimento de emergência, poderá ser estabilizado numa porta de entrada do sistema (UPA ou PA) e depois enviado ao hospital Marieta.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
EBC.

Estado não tem projeto para o pós-fechamento da porta do Hospital Ruth Cardoso

Moradores de Balneário Camboriú não pagarão mais hospital para quem mora em outras cidades

Publicidade

Segunda, 4/11/2019 8:12.

O governo do Estado não tem uma proposta concreta de atendimento aos pacientes da região após o Hospital Municipal Ruth Cardoso fechar as portas do pronto socorro dentro de dois meses.

Hoje o Ruth Cardoso é um hospital “porta aberta”, mas passará a atender apenas cirurgias programadas (eletivas) e materno infantil, devido à impossibilidade da prefeitura arcar sozinha com mais de R$ 3,5 milhões mensais para atender pacientes de cidades vizinhas.

O Ruth Cardoso foi planejado para ser “porta fechada”, mas a proposta original foi alterada antes mesmo do hospital entrar em funcionamento.

Também era para ser municipal, mas virou regional logo no início o que é ótimo para cooperativas médicas e outros fornecedores de produtos e serviços de saúde, porém péssimo para a população de Balneário Camboriú que paga a conta.

A assessoria de comunicação da Secretaria de Estado da Saúde informou que o repasse de verbas a hospitais seguirá o que foi definido recentemente na Política Hospitalar Catarinense.

Por essa Política o Ruth Cardoso receberia do Estado R$ 450 mil mensais se ficasse com porta aberta. O hospital Marieta, de Itajaí, receberá R$ 2,5 milhões mensais.

Entre agosto de 2017 e agosto de 2019 o Ruth Cardoso produziu 18.637 internações hospitalares e no mesmo período o Marieta 39.972, porém o Marieta é um hospital com habilitações mais complexas

A administração municipal pretende pleitear o repasse de R$ 450 mil alegando que continuará atendendo o materno infantil, mas é improvável que tenha sucesso.

Com a negativa do governo estadual é possível que o Ruth Cardoso suspenda também o atendimento materno infantil a pacientes que não moram em Balneário Camboriú.

Sempre que atende um paciente o Ruth Cardoso recebe menos do que gasta. Em um parto comum, por exemplo, o prejuízo é R$ 1.204.14 que são pagos com impostos dos moradores de Balneário Camboriú, não de Bombinhas ou Camboriú.

Sem o Ruth Cardoso a totalidade dos pacientes de pronto socorro de Bombinhas, Porto Belo, Itapema e Camboriú terá que ser conduzida pelas ambulâncias aos hospitais de Florianópolis, Itajaí ou Blumenau.

ENTENDA O QUE ACONTECERÁ

Todo paciente de Balneário Camboriú ou turista hospedado aqui passará por uma das três portas de entrada: UPA Nações, PA da Barra ou PA do Bairro dos Municípios.

Os moradores e turistas de Balneário Camboriú serão atendidos em baixa e média complexidade, o que for alta complexidade será encaminhado aos hospitais de referência regionais.

Moradores de outras cidades não serão atendidos no Ruth Cardoso, exceto no caso de partos se Balneário Camboriú decidir continuar oferecendo esse serviço a outros municípios.

Se um morador de outra cidade necessitar de atendimento de emergência, poderá ser estabilizado numa porta de entrada do sistema (UPA ou PA) e depois enviado ao hospital Marieta.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade