Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Água que abastece 22 cidades de Santa Catarina tem agrotóxicos

Sábado, 23/3/2019 10:37.

MARA GAMA
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Levantamento inédito conduzido de março a outubro de 2018 em 100 cidades de várias regiões de Santa Catarina detectou a presença de agrotóxicos na água de abastecimento público em 22 dos municípios. Entre as cidades, estão Joinville e Balneário Camboriu. Em algumas cidades, estavam presentes tipos diferentes de agrotóxicos.

Das 17 substâncias encontradas, sete estão proibidas na União Europeia, por causarem danos à saúde: atrazina (banida em 2004 da UE), bromopropilato (banido em 2002), metolacloro (2002), permetrina (2000), propargite (2008) , propiconazol (2008) e simazina (2004).

A análise foi encomendada pelo MPSC (Ministério Público de Santa Catarina) e a coleta faz parte de um programa do Centro de Apoio ao Consumidor da Promotoria, da Aris (Agência Reguladora Intermunicipal de Saneamento) e da Aresc (Agência de Regulação de Serviços Públicos de Santa Catarina).

É a primeira vez que é feito este levantamento sobre a água pelo MPSC. O órgão faz, desde 2010, análise de frutas, passou a controlar legumes e verduras em 2013 e, em 2018, começou a analisar produtos de origem animal, como carnes, leite e mel.Segundo as amostras mais recentes, 70% das amostras de frutas, legumes e verduras apresentam traços de agrotóxicos e 20% têm produtos inadequados ou acima da dosagem permitida.

Para a promotora Greicia Malheiros de Rosa Souza, responsável pela investigação, os resultados da análise das águas são bastante preocupantes. Diferentemente da contaminação em alimentos, em que se pode circunscrever o problema e atuar pontualmente para saná-lo, a água tem fornecimento contínuo, o que torna mais difícil frear a contaminação e eliminar suas causas .O caso mais grave, segundo Greicia, foi o da cidade de Coronel Freitas, em que substâncias nocivas foram encontradas em manancial subterrâneo.

Isso indica que houve percolação dos agrotóxicos na região.De posse dos resultados, em dezembro, a Promotoria procurou o Ministério da Saúde, para pedir orientação, pois algumas substâncias detectadas não são listadas na portaria federal (Portaria de Consolidação número 5, de 28 de Setembro de 2017) que estabelece parâmetros de potabilidade da água. Nela só há parâmetros para 27 substâncias.

O ministério respondeu, em março, que só poderá se manifestar em maio, quando houver nova reunião de análise de atualização da portaria. Segundo Greicia, a normativa está sendo reformulada desde 2014. "A portaria da água é diferente da dos alimentos. E tem essa lacuna: muitos agrotóxicos não têm valores máximos definidos para a água de abastecimento no país", diz.

Segundo Greicia, o próximo passo da Promotoria será procurar os órgãos responsáveis pela gestão das águas e do ambiente nas cidades em que foi detectada contaminação para investigar as causas, as origens das substâncias e como proceder para controlá-las. Além disso, ampliar o monitoramento para todo o estado, e fazer coleta de dados de forma sistemática.

De acordo com o parecer técnico da professora Sonia Corina Hess, da UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina), nos 22 municípios a contaminação repercute em riscos à saúde dos consumidores e possivelmente há outros agrotóxicos e poluentes presentes "interagindo com os poluentes aferidos", com efeitos imprevisíveis sobre a saúde da população exposta.

A professora sugere novas campanhas de amostragem sejam realizadas e em pelo menos uma amostragem de água a cada estação do ano, para ter-se um conjunto de dados mais completo.As cidades com água contaminada são: Rio do Sul, com sete substâncias; Itapema, com seis; Itaiópolis e Mafra, com cinco; Rio Negrinho, com quatro; Coronel de Freitas, com 3; Gravatal, Ibirama, Ituporanga, Joinville, Orleans, Porto União, Scroeder, com 2; e os Balneários Gaivota, Rincão, Camboriú, Piçarras, Ilhota, Jaguaruna, Massaranduba, Taió e Tubarão, com um.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Água que abastece 22 cidades de Santa Catarina tem agrotóxicos

Publicidade

Sábado, 23/3/2019 10:37.

MARA GAMA
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Levantamento inédito conduzido de março a outubro de 2018 em 100 cidades de várias regiões de Santa Catarina detectou a presença de agrotóxicos na água de abastecimento público em 22 dos municípios. Entre as cidades, estão Joinville e Balneário Camboriu. Em algumas cidades, estavam presentes tipos diferentes de agrotóxicos.

Das 17 substâncias encontradas, sete estão proibidas na União Europeia, por causarem danos à saúde: atrazina (banida em 2004 da UE), bromopropilato (banido em 2002), metolacloro (2002), permetrina (2000), propargite (2008) , propiconazol (2008) e simazina (2004).

A análise foi encomendada pelo MPSC (Ministério Público de Santa Catarina) e a coleta faz parte de um programa do Centro de Apoio ao Consumidor da Promotoria, da Aris (Agência Reguladora Intermunicipal de Saneamento) e da Aresc (Agência de Regulação de Serviços Públicos de Santa Catarina).

É a primeira vez que é feito este levantamento sobre a água pelo MPSC. O órgão faz, desde 2010, análise de frutas, passou a controlar legumes e verduras em 2013 e, em 2018, começou a analisar produtos de origem animal, como carnes, leite e mel.Segundo as amostras mais recentes, 70% das amostras de frutas, legumes e verduras apresentam traços de agrotóxicos e 20% têm produtos inadequados ou acima da dosagem permitida.

Para a promotora Greicia Malheiros de Rosa Souza, responsável pela investigação, os resultados da análise das águas são bastante preocupantes. Diferentemente da contaminação em alimentos, em que se pode circunscrever o problema e atuar pontualmente para saná-lo, a água tem fornecimento contínuo, o que torna mais difícil frear a contaminação e eliminar suas causas .O caso mais grave, segundo Greicia, foi o da cidade de Coronel Freitas, em que substâncias nocivas foram encontradas em manancial subterrâneo.

Isso indica que houve percolação dos agrotóxicos na região.De posse dos resultados, em dezembro, a Promotoria procurou o Ministério da Saúde, para pedir orientação, pois algumas substâncias detectadas não são listadas na portaria federal (Portaria de Consolidação número 5, de 28 de Setembro de 2017) que estabelece parâmetros de potabilidade da água. Nela só há parâmetros para 27 substâncias.

O ministério respondeu, em março, que só poderá se manifestar em maio, quando houver nova reunião de análise de atualização da portaria. Segundo Greicia, a normativa está sendo reformulada desde 2014. "A portaria da água é diferente da dos alimentos. E tem essa lacuna: muitos agrotóxicos não têm valores máximos definidos para a água de abastecimento no país", diz.

Segundo Greicia, o próximo passo da Promotoria será procurar os órgãos responsáveis pela gestão das águas e do ambiente nas cidades em que foi detectada contaminação para investigar as causas, as origens das substâncias e como proceder para controlá-las. Além disso, ampliar o monitoramento para todo o estado, e fazer coleta de dados de forma sistemática.

De acordo com o parecer técnico da professora Sonia Corina Hess, da UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina), nos 22 municípios a contaminação repercute em riscos à saúde dos consumidores e possivelmente há outros agrotóxicos e poluentes presentes "interagindo com os poluentes aferidos", com efeitos imprevisíveis sobre a saúde da população exposta.

A professora sugere novas campanhas de amostragem sejam realizadas e em pelo menos uma amostragem de água a cada estação do ano, para ter-se um conjunto de dados mais completo.As cidades com água contaminada são: Rio do Sul, com sete substâncias; Itapema, com seis; Itaiópolis e Mafra, com cinco; Rio Negrinho, com quatro; Coronel de Freitas, com 3; Gravatal, Ibirama, Ituporanga, Joinville, Orleans, Porto União, Scroeder, com 2; e os Balneários Gaivota, Rincão, Camboriú, Piçarras, Ilhota, Jaguaruna, Massaranduba, Taió e Tubarão, com um.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade