Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Saúde
'Pular' café da manhã traz risco de engordar, diz estudo
Quinta, 25/7/2019 7:31.

Publicidade

Júlia Marques e Priscila Mengue/AE
"Pular" o café da manhã está relacionado a um aumento em indicadores de obesidade entre adolescentes. Essa é a principal conclusão de um estudo publicado na revista Scientific Reports. A pesquisa foi realizada por cientistas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) em parceria com pesquisadores europeus.

Com base em levantamentos com meninos e meninas entre 12 e 18 anos, o estudo identificou a relação entre abolir o café da manhã e aumento no Índice de Massa Corporal (IMC), na circunferência da cintura e na razão cintura/altura - indicadores ligados à obesidade.

Para os levantamentos, 3.528 jovens europeus e 991 brasileiros relataram seus hábitos cotidianos. Os dados foram casados com medidas de peso dos participantes. Considerando o tempo de sono dos jovens, foi calculado o impacto do café da manhã, do tempo em frente às telas e da falta de atividade física vigorosa nos indicadores de obesidade.

"Mesmo dormindo bem, se o adolescente 'pula' o café da manhã, aumenta o peso e a circunferência da cintura. O comportamento de 'pular' o café da manhã se associou a um aumento nesses marcadores (de obesidade) muito expressivamente", explicou uma das autoras do estudo, a epidemiologista Elsie Costa de Oliveira Forkert, do Grupo de Pesquisa em Risco Cardiovascular e Ambiental, da Faculdade de Medicina da USP.

Segundo Elsie, o impacto do fator café da manhã nos índices de obesidade foi até maior do que o efeito dos outros comportamentos avaliados pela pesquisa - como o tempo de tela e a falta de exercícios físicos. Estudos anteriores já haviam apontado a importância da primeira refeição do dia no desenvolvimento dos jovens. O hábito de deixar de lado a primeira refeição do dia é comum entre adolescentes.

Estima-se que 20% abram mão do desjejum. Entre meninas, esse comportamento é ainda mais habitual - 44,5% das europeias e 37,8% das brasileiras. Entre meninos, o porcentual cai para 35,9% e 34,6%, respectivamente. Segundo Elsie, a diferença pode estar ligada à busca pelo emagrecimento para fins estéticos.

Acontece que restrições causam efeito contrário. "Não entrando alimento, o organismo libera hormônios contra reguladores. Ele entende que a reserva está pequena e segura um pouco mais", diz Elsie. Outra razão é que, se o jovem deixa para comer no meio do dia, escolhe alimentos de baixo valor nutricional e mais calóricos, o que contribui para o ganho de peso.

Dia a dia

"O que vejo no dia a dia é que muitos não tomam o café da manhã, mas comem na escola. E, quando compram, não é a melhor opção, é um sanduíche pronto, refrigerante, leite com chocolate e açucarado, suco de fruta adoçado, isso quando não compram coxinha, esfirra", diz o endocrinologista Mario Kehdi Carra, presidente da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (Abeso).

Mas as famílias relatam dificuldades em lidar com a falta de apetite dos jovens no início do dia. "Na maioria das vezes, só tomo leite. Até tento comer, mas não sinto fome", conta o estudante Pietro Affonso, de 14 anos. "Até posso sentir fome durante a aula, daí dou uma beliscada no lanche (pão com patê) "

Segundo Andressa Heimbecher, endocrinologista da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, é preciso que os pais investiguem a causa da falta de fome - ela pode estar ligada, por exemplo, a um jantar muito calórico ou até a problemas de refluxo. Para ela, o café em casa também é vantajoso sob outro ponto de vista. É o momento em que pais podem observar como os filhos comem e propor mudanças. "O comportamento alimentar das crianças é o espelho dos pais. Se ele não senta para tomar café não transmite o exemplo." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Destaques

Susana, atleta da seleção brasileira, sofreu constrangimento domingo


 Balneário Camboriú registrou seis suicídios esse ano



Sexto lugar no ranking das 50 cidades catarinenses que mais abriram empresas em 2019


 Uma restauração histórica de fotos aéreas para o primeiro plano diretor do município


Cidade

Susana, atleta da seleção brasileira, sofreu constrangimento domingo


Cidade

 Balneário Camboriú registrou seis suicídios esse ano


Geral


Economia

Sexto lugar no ranking das 50 cidades catarinenses que mais abriram empresas em 2019


Variedades

 Uma restauração histórica de fotos aéreas para o primeiro plano diretor do município


Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

'Pular' café da manhã traz risco de engordar, diz estudo

Publicidade

Quinta, 25/7/2019 7:31.

Júlia Marques e Priscila Mengue/AE
"Pular" o café da manhã está relacionado a um aumento em indicadores de obesidade entre adolescentes. Essa é a principal conclusão de um estudo publicado na revista Scientific Reports. A pesquisa foi realizada por cientistas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) em parceria com pesquisadores europeus.

Com base em levantamentos com meninos e meninas entre 12 e 18 anos, o estudo identificou a relação entre abolir o café da manhã e aumento no Índice de Massa Corporal (IMC), na circunferência da cintura e na razão cintura/altura - indicadores ligados à obesidade.

Para os levantamentos, 3.528 jovens europeus e 991 brasileiros relataram seus hábitos cotidianos. Os dados foram casados com medidas de peso dos participantes. Considerando o tempo de sono dos jovens, foi calculado o impacto do café da manhã, do tempo em frente às telas e da falta de atividade física vigorosa nos indicadores de obesidade.

"Mesmo dormindo bem, se o adolescente 'pula' o café da manhã, aumenta o peso e a circunferência da cintura. O comportamento de 'pular' o café da manhã se associou a um aumento nesses marcadores (de obesidade) muito expressivamente", explicou uma das autoras do estudo, a epidemiologista Elsie Costa de Oliveira Forkert, do Grupo de Pesquisa em Risco Cardiovascular e Ambiental, da Faculdade de Medicina da USP.

Segundo Elsie, o impacto do fator café da manhã nos índices de obesidade foi até maior do que o efeito dos outros comportamentos avaliados pela pesquisa - como o tempo de tela e a falta de exercícios físicos. Estudos anteriores já haviam apontado a importância da primeira refeição do dia no desenvolvimento dos jovens. O hábito de deixar de lado a primeira refeição do dia é comum entre adolescentes.

Estima-se que 20% abram mão do desjejum. Entre meninas, esse comportamento é ainda mais habitual - 44,5% das europeias e 37,8% das brasileiras. Entre meninos, o porcentual cai para 35,9% e 34,6%, respectivamente. Segundo Elsie, a diferença pode estar ligada à busca pelo emagrecimento para fins estéticos.

Acontece que restrições causam efeito contrário. "Não entrando alimento, o organismo libera hormônios contra reguladores. Ele entende que a reserva está pequena e segura um pouco mais", diz Elsie. Outra razão é que, se o jovem deixa para comer no meio do dia, escolhe alimentos de baixo valor nutricional e mais calóricos, o que contribui para o ganho de peso.

Dia a dia

"O que vejo no dia a dia é que muitos não tomam o café da manhã, mas comem na escola. E, quando compram, não é a melhor opção, é um sanduíche pronto, refrigerante, leite com chocolate e açucarado, suco de fruta adoçado, isso quando não compram coxinha, esfirra", diz o endocrinologista Mario Kehdi Carra, presidente da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (Abeso).

Mas as famílias relatam dificuldades em lidar com a falta de apetite dos jovens no início do dia. "Na maioria das vezes, só tomo leite. Até tento comer, mas não sinto fome", conta o estudante Pietro Affonso, de 14 anos. "Até posso sentir fome durante a aula, daí dou uma beliscada no lanche (pão com patê) "

Segundo Andressa Heimbecher, endocrinologista da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, é preciso que os pais investiguem a causa da falta de fome - ela pode estar ligada, por exemplo, a um jantar muito calórico ou até a problemas de refluxo. Para ela, o café em casa também é vantajoso sob outro ponto de vista. É o momento em que pais podem observar como os filhos comem e propor mudanças. "O comportamento alimentar das crianças é o espelho dos pais. Se ele não senta para tomar café não transmite o exemplo." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Destaques

Susana, atleta da seleção brasileira, sofreu constrangimento domingo


 Balneário Camboriú registrou seis suicídios esse ano



Sexto lugar no ranking das 50 cidades catarinenses que mais abriram empresas em 2019


 Uma restauração histórica de fotos aéreas para o primeiro plano diretor do município