Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Saúde
Dengue: Camboriú entre os 11 municípios com alto risco de surto

Balneário Camboriú tem médio risco, mas situação exige combate coletivo da população

Quarta, 18/12/2019 18:06.
Divulgação
Todos precisam ajudar a combater o mosquito

Publicidade

Balneário Camboriú continua em situação de alerta para o Aedes aegypti e com a chegada do verão, calor, chuva e muitos turistas na cidade, a tendência é aumentar o número de mosquitos.

Neste ano foram notificados 55 casos de dengue contra seis em 2018. Para a chikungunya, houve três registros importados da doença esse ano e nenhum no ano passado. Não há notificações de zika nos últimos dois anos.

A diretora de Vigilância Ambiental da secretaria de Saúde, Eliane Guedes, explica que a ‘situação de alerta’ é permanente, até porque Balneário Camboriú hoje considerado município de médio risco, faz divisa com Camboriú, que figura entre os 11 municípios catarinenses com alto risco.

O outro vizinho que liderava os números no Estado, Itapema, atualmente é considerado médio risco também, depois do Levantamento de Índice Rápido para o Aedes aegypti (LIRAa), divulgado no final de novembro pela Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina. Este levantamento apontou que 11 municípios estão com alto risco de transmissão de dengue, zika e chikungunya, entre eles, Camboriú.

Todos precisam ajudar

“Estamos atualmente com 1345 focos do mosquito, tivemos 55 casos de dengue esse ano. Não houve aumento desde julho. Mas com estas chuvas e calor, a tendência é aumentar os números”, acrescenta Eliane.

Por isso, ela reforça que todos precisam fazer a sua parte e ajudar a controlar esses números.

“Cuidar de nossas casas, verificando caixas d'água, calha, ralos e piscinas, além das plantas e tudo que puder vir a acumular água e ficar a céu aberto”, recomendou.

O Bairro das Nações e o Centro são os preferidos do Aedes. Por este motivo o Programa já realizou mutirões, para orientar como eliminar os focos, sem falar nas visitas domiciliares que fazem por toda a cidade o ano todo. O programa também faz palestras educativas.

Os municípios com seus riscos registrados pela DIVE/SC


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
Divulgação
Todos precisam ajudar a combater o mosquito
Todos precisam ajudar a combater o mosquito

Dengue: Camboriú entre os 11 municípios com alto risco de surto

Balneário Camboriú tem médio risco, mas situação exige combate coletivo da população

Publicidade

Quarta, 18/12/2019 18:06.

Balneário Camboriú continua em situação de alerta para o Aedes aegypti e com a chegada do verão, calor, chuva e muitos turistas na cidade, a tendência é aumentar o número de mosquitos.

Neste ano foram notificados 55 casos de dengue contra seis em 2018. Para a chikungunya, houve três registros importados da doença esse ano e nenhum no ano passado. Não há notificações de zika nos últimos dois anos.

A diretora de Vigilância Ambiental da secretaria de Saúde, Eliane Guedes, explica que a ‘situação de alerta’ é permanente, até porque Balneário Camboriú hoje considerado município de médio risco, faz divisa com Camboriú, que figura entre os 11 municípios catarinenses com alto risco.

O outro vizinho que liderava os números no Estado, Itapema, atualmente é considerado médio risco também, depois do Levantamento de Índice Rápido para o Aedes aegypti (LIRAa), divulgado no final de novembro pela Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina. Este levantamento apontou que 11 municípios estão com alto risco de transmissão de dengue, zika e chikungunya, entre eles, Camboriú.

Todos precisam ajudar

“Estamos atualmente com 1345 focos do mosquito, tivemos 55 casos de dengue esse ano. Não houve aumento desde julho. Mas com estas chuvas e calor, a tendência é aumentar os números”, acrescenta Eliane.

Por isso, ela reforça que todos precisam fazer a sua parte e ajudar a controlar esses números.

“Cuidar de nossas casas, verificando caixas d'água, calha, ralos e piscinas, além das plantas e tudo que puder vir a acumular água e ficar a céu aberto”, recomendou.

O Bairro das Nações e o Centro são os preferidos do Aedes. Por este motivo o Programa já realizou mutirões, para orientar como eliminar os focos, sem falar nas visitas domiciliares que fazem por toda a cidade o ano todo. O programa também faz palestras educativas.

Os municípios com seus riscos registrados pela DIVE/SC


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade