Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Camboriú lidera casos de dengue no Estado, Itapema vem a seguir
EBC.

Sexta, 26/4/2019 14:21.

De acordo com o boletim divulgado pela Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina, Camboriú com 62 casos autóctones (aqueles contraídos dentro do município) lidera a relação dos municípios infestados de dengue no Estado.

Itapema vem em segundo lugar com 57 casos e Balneário Camboriú aparece em oitavo lugar com 3 casos.

De 30 de dezembro até 20 de abril foram notificados 2.294 casos de dengue no Estado. Destes 255 foram confirmados, 75 estão inconclusivos, 1.106 foram descartados e 858 ainda seguem sob investigação pelos municípios.

Do total de casos confirmados até o momento, 203 são autóctones.


Combate a dengue exige medidas rápidas e práticas

Por causa do alto índice de infestação do Aedes aegypti, vetor de doenças como a dengue, febre amarela, zika vírus e chikungunya, a secretaria da Saúde em reunião com diretores da Vigilância Ambiental e outros setores da prefeitura, decidiu pela necessidade de ações rápidas e práticas, para combater o problema.

Entre elas, a criação de uma lei municipal para dengue, agilizar o controle sobre terrenos baldios, investir forte na divulgação, aumentando o número de outdoors na cidade, imprimir lembretes sobre a dengue nas faturas da Celesc, da Emasa, plotar os carros da prefeitura e fortalecer a parceria com as equipes do Estratégia da Família que circulam pelos bairros e podem ajudar a multiplicar as orientações para o combate.

“Quando o frio chegar, os números certamente baixarão, mas já estamos muito preocupados com o verão, por isso é preciso agir rapidamente, porque nossos vizinhos estão em situação ainda pior que a nossa”!, comentou o diretor da Vigilância Ambiental, Rafael Neis da Silva. Ele comentou cada ação:

Lei municipal
“Seria uma lei nos moldes da estadual e da federal, só que com alguns ítens exclusivos para o municipio, que ficam vagos na legislação maior”.

Terrenos baldios
“É sobre eles que chegam as maiores reclamações, temos dificuldades, porque quando vamos ao local, sempre encontramos material com água, são criadouros. Temos uma lei municipal 861/89 que trata da limpeza dos terrenos baldios no perímetro urbano, mas como toda lei existe uma burocracia e para questões de saúde pública como é o caso, tem que ser uma coisa mais rápida. Porque essa lei segue um trâmite legal, notificar o proprietário, dar um prazo para resolver, se não resolver tem multa, para depois a prefeitura poder entrar e limpar. Sem falar que normalmente o cadastro está desatualizado, manda um AR e volta, não encontra ninguém, então publica edital...resumindo vai aí uns 90 dias ou mais. Precisamos algo emergencial”.

Parcerias
“Fortalecer a parceria com as equipes do Estratégia da Familia, porque eles estão em cada bairro a cada 15 dias e podem ser multiplicadores, podem ajudar muito a orientar e falar sobre o problema sério”.

Divulgação
“Pedimos para aumentar o número de outdoors, colocar o lembrete da dengue no canhoto da Celesc, da Emasa, fazer plotagem nos carros da prefeitura, talvez fazer chaveirinhos sobre o assunto e distribuir”.

População
“Precisamos insistir porque a população precisa ajudar. Se cada um dispensar 10 minutinhos para examinar sua casa, seu pátio e acabar com água parada, deixar calhas limpas e niveladas, caixas de água tampadas e vedadas, ralos que acumulam água teclados com tela mosqueteiro e piscinas limpas e tratadas com cloro estará ajudando muito”.

O cenário
“Neste ano, até o dia de quinta-feira (25) o programa registrou 774. No ano passado, no mesmo período, eram 678. Balneário Camboriú tem três casos autóctones de dengue, oito casos suspeitos de zika vírus e outros 54 casos suspeitos de chikungunya”.

Febre Amarela
“A Campanha Estadual de Mobilização Contra a Febre Amarela terminou no sábado (20), mas quem ainda não tomou a vacina pode procurar qualquer unidade de saúde. Os postos do Ariribá, Nações, Vila Real e Barra estão aplicando as doses até as 21h30. Desde o ano passado Santa Catarina se tornou Área com Recomendação de Vacina (ACRV) e a mobilização pela imunização surgiu com a confirmação em março da primeira morte humana no estado desde 1966, em Joinville e dias depois, um macaco morreu, em Garuva.

Denúncias
Focos suspeitos de Aedes aegypti devem ser comunicados para a Ouvidoria Municipal pelos números 0800 644 3388, (47) 3267-7024 ou pelo Whatsapp (47) 9 9982-1979. Para solicitação de visitas dos Agentes de Combate à Dengue, ligue para (47) 3261-6264.
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Camboriú lidera casos de dengue no Estado, Itapema vem a seguir

EBC.

Publicidade

Sexta, 26/4/2019 14:21.

De acordo com o boletim divulgado pela Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina, Camboriú com 62 casos autóctones (aqueles contraídos dentro do município) lidera a relação dos municípios infestados de dengue no Estado.

Itapema vem em segundo lugar com 57 casos e Balneário Camboriú aparece em oitavo lugar com 3 casos.

De 30 de dezembro até 20 de abril foram notificados 2.294 casos de dengue no Estado. Destes 255 foram confirmados, 75 estão inconclusivos, 1.106 foram descartados e 858 ainda seguem sob investigação pelos municípios.

Do total de casos confirmados até o momento, 203 são autóctones.


Combate a dengue exige medidas rápidas e práticas

Por causa do alto índice de infestação do Aedes aegypti, vetor de doenças como a dengue, febre amarela, zika vírus e chikungunya, a secretaria da Saúde em reunião com diretores da Vigilância Ambiental e outros setores da prefeitura, decidiu pela necessidade de ações rápidas e práticas, para combater o problema.

Entre elas, a criação de uma lei municipal para dengue, agilizar o controle sobre terrenos baldios, investir forte na divulgação, aumentando o número de outdoors na cidade, imprimir lembretes sobre a dengue nas faturas da Celesc, da Emasa, plotar os carros da prefeitura e fortalecer a parceria com as equipes do Estratégia da Família que circulam pelos bairros e podem ajudar a multiplicar as orientações para o combate.

“Quando o frio chegar, os números certamente baixarão, mas já estamos muito preocupados com o verão, por isso é preciso agir rapidamente, porque nossos vizinhos estão em situação ainda pior que a nossa”!, comentou o diretor da Vigilância Ambiental, Rafael Neis da Silva. Ele comentou cada ação:

Lei municipal
“Seria uma lei nos moldes da estadual e da federal, só que com alguns ítens exclusivos para o municipio, que ficam vagos na legislação maior”.

Terrenos baldios
“É sobre eles que chegam as maiores reclamações, temos dificuldades, porque quando vamos ao local, sempre encontramos material com água, são criadouros. Temos uma lei municipal 861/89 que trata da limpeza dos terrenos baldios no perímetro urbano, mas como toda lei existe uma burocracia e para questões de saúde pública como é o caso, tem que ser uma coisa mais rápida. Porque essa lei segue um trâmite legal, notificar o proprietário, dar um prazo para resolver, se não resolver tem multa, para depois a prefeitura poder entrar e limpar. Sem falar que normalmente o cadastro está desatualizado, manda um AR e volta, não encontra ninguém, então publica edital...resumindo vai aí uns 90 dias ou mais. Precisamos algo emergencial”.

Parcerias
“Fortalecer a parceria com as equipes do Estratégia da Familia, porque eles estão em cada bairro a cada 15 dias e podem ser multiplicadores, podem ajudar muito a orientar e falar sobre o problema sério”.

Divulgação
“Pedimos para aumentar o número de outdoors, colocar o lembrete da dengue no canhoto da Celesc, da Emasa, fazer plotagem nos carros da prefeitura, talvez fazer chaveirinhos sobre o assunto e distribuir”.

População
“Precisamos insistir porque a população precisa ajudar. Se cada um dispensar 10 minutinhos para examinar sua casa, seu pátio e acabar com água parada, deixar calhas limpas e niveladas, caixas de água tampadas e vedadas, ralos que acumulam água teclados com tela mosqueteiro e piscinas limpas e tratadas com cloro estará ajudando muito”.

O cenário
“Neste ano, até o dia de quinta-feira (25) o programa registrou 774. No ano passado, no mesmo período, eram 678. Balneário Camboriú tem três casos autóctones de dengue, oito casos suspeitos de zika vírus e outros 54 casos suspeitos de chikungunya”.

Febre Amarela
“A Campanha Estadual de Mobilização Contra a Febre Amarela terminou no sábado (20), mas quem ainda não tomou a vacina pode procurar qualquer unidade de saúde. Os postos do Ariribá, Nações, Vila Real e Barra estão aplicando as doses até as 21h30. Desde o ano passado Santa Catarina se tornou Área com Recomendação de Vacina (ACRV) e a mobilização pela imunização surgiu com a confirmação em março da primeira morte humana no estado desde 1966, em Joinville e dias depois, um macaco morreu, em Garuva.

Denúncias
Focos suspeitos de Aedes aegypti devem ser comunicados para a Ouvidoria Municipal pelos números 0800 644 3388, (47) 3267-7024 ou pelo Whatsapp (47) 9 9982-1979. Para solicitação de visitas dos Agentes de Combate à Dengue, ligue para (47) 3261-6264.
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade