Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Primavera com calor e chuva, cenário bom para o Aedes
Divulgação PMBC
Hora de aumentar o controle para evitar surpresas

Terça, 25/9/2018 8:39.

Apesar de estar com menos focos do que ano passado, este inverno chamou atenção e preocupou mais, porque Balneário Camboriú registrou seis casos autóctones de dengue e outros sete indeterminados, porque ocorreram deslocamentos para cidades vizinhas, impedindo a saúde municipal de saber se a pessoa contraiu a doença em Balneário Camboriú ou em Camboriú, Itajaí ou Itapema.

A primavera começou com dias mais quentes que terminam com pancadas de chuvas e inundam os criadouros. Os ovos que estavam secos, eclodem e tornam-se um risco real.

Até dia 20 deste mês, Balneário Camboriú tinha 964 focos positivos do Aedes aegypti.

“A partir de agora os cuidados têm que redobrar, porque muda a temperatura e nós tivemos esses casos mesmo em dias mais frios”, disse o coordenador do Programa de Combate a Dengue, Rafael Neis Silva.

Ele e todos os coordenadores dos programas da região estiveram reunidos com a equipe da Dive/SC, onde o assunto predominante foi a preocupação com a temporada em Santa Catarina.

“A tendência é que dê bastante casos no centro, no norte do país e que venham veranear no sul, podendo chegar contaminados e começar um ciclo de transmissão aqui. Por isso todo cuidado é pouco. Nossas portas de entrada, postos, hospitais, inclusive os particulares, precisam ficar atentos aos sintomas, fazer a notificação de suspeita para a Vigilância Epidemiológica poder investigar e então, caso dê positivo, para nós do Programa fazer a aplicação do inseticida, para evitar que mais pessoas sejam contaminadas naquela área do foco”, explicou o coordenador.

Números do Programa

De janeiro a agosto, o Programa de Combate Aedes aegypti fez 67.650 visitas em residências, estabelecimentos, comércios, terrenos baldios e obras; foram realizadas 57.783 vistorias em áreas de tratamento e 4.164 vistorias em armadilhas.

As armadilhas são inspecionadas semanalmente e os tratamentos, a cada dois meses. Desse total de visitas, foram feitos 1.113 pontos estratégicos que são vistoriados a cada 14 dias.

Outro trabalho dos agentes é o bloqueio de transmissão, sempre quando o Programa recebe uma notificação de suspeito de Dengue, Chikungunya ou Zika Vírus, é preciso visitar a casa do paciente e alguns imóveis ao redor para eliminar o máximo de criadouros possíveis.

No mesmo período o Programa cumpriu 4.134 vistorias em denúncias, que acontecem de duas formas: quando os agentes identificam nas visitas algum local de risco e quando a população denuncia, através da Ouvidoria Municipal.

O Programa coletou nos oito meses 4386 amostras, das quais 945 resultaram positivas para o Aedes aegypti. Em 2017, eram 1.362 focos positivos nesse mesmo período.

Denúncias

As denúncias podem ser feitas para a Ouvidoria Municipal pelo WhatsApp (47) 99982-1979, basta enviar o nome completo e o bairro onde reside. Outra forma de denúncia é pelo e-OUV, no site Prefeitura de Balneário Camboriú. Basta acessar o site www.bc.sc.gov.br e clicar na aba “Ouvidoria”.

Ainda há também os telefones 0800-644-3388 (apenas ligações com DDD 47) e o (47) 3267-7024. Esses telefones têm horário de atendimento das 8h às 18h, de segunda a sexta-feira. As denúncias podem ser feitas também pelo e-mail ouvidoria@bc.sc.gov.br ou em atendimento presencial no 4° piso do Paço Municipal, das 12h às 18h.

Informações - Secretaria de Saúde (47) 3261-6264

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Primavera com calor e chuva, cenário bom para o Aedes

Divulgação PMBC
Hora de aumentar o controle para evitar surpresas
Hora de aumentar o controle para evitar surpresas

Publicidade

Terça, 25/9/2018 8:39.

Apesar de estar com menos focos do que ano passado, este inverno chamou atenção e preocupou mais, porque Balneário Camboriú registrou seis casos autóctones de dengue e outros sete indeterminados, porque ocorreram deslocamentos para cidades vizinhas, impedindo a saúde municipal de saber se a pessoa contraiu a doença em Balneário Camboriú ou em Camboriú, Itajaí ou Itapema.

A primavera começou com dias mais quentes que terminam com pancadas de chuvas e inundam os criadouros. Os ovos que estavam secos, eclodem e tornam-se um risco real.

Até dia 20 deste mês, Balneário Camboriú tinha 964 focos positivos do Aedes aegypti.

“A partir de agora os cuidados têm que redobrar, porque muda a temperatura e nós tivemos esses casos mesmo em dias mais frios”, disse o coordenador do Programa de Combate a Dengue, Rafael Neis Silva.

Ele e todos os coordenadores dos programas da região estiveram reunidos com a equipe da Dive/SC, onde o assunto predominante foi a preocupação com a temporada em Santa Catarina.

“A tendência é que dê bastante casos no centro, no norte do país e que venham veranear no sul, podendo chegar contaminados e começar um ciclo de transmissão aqui. Por isso todo cuidado é pouco. Nossas portas de entrada, postos, hospitais, inclusive os particulares, precisam ficar atentos aos sintomas, fazer a notificação de suspeita para a Vigilância Epidemiológica poder investigar e então, caso dê positivo, para nós do Programa fazer a aplicação do inseticida, para evitar que mais pessoas sejam contaminadas naquela área do foco”, explicou o coordenador.

Números do Programa

De janeiro a agosto, o Programa de Combate Aedes aegypti fez 67.650 visitas em residências, estabelecimentos, comércios, terrenos baldios e obras; foram realizadas 57.783 vistorias em áreas de tratamento e 4.164 vistorias em armadilhas.

As armadilhas são inspecionadas semanalmente e os tratamentos, a cada dois meses. Desse total de visitas, foram feitos 1.113 pontos estratégicos que são vistoriados a cada 14 dias.

Outro trabalho dos agentes é o bloqueio de transmissão, sempre quando o Programa recebe uma notificação de suspeito de Dengue, Chikungunya ou Zika Vírus, é preciso visitar a casa do paciente e alguns imóveis ao redor para eliminar o máximo de criadouros possíveis.

No mesmo período o Programa cumpriu 4.134 vistorias em denúncias, que acontecem de duas formas: quando os agentes identificam nas visitas algum local de risco e quando a população denuncia, através da Ouvidoria Municipal.

O Programa coletou nos oito meses 4386 amostras, das quais 945 resultaram positivas para o Aedes aegypti. Em 2017, eram 1.362 focos positivos nesse mesmo período.

Denúncias

As denúncias podem ser feitas para a Ouvidoria Municipal pelo WhatsApp (47) 99982-1979, basta enviar o nome completo e o bairro onde reside. Outra forma de denúncia é pelo e-OUV, no site Prefeitura de Balneário Camboriú. Basta acessar o site www.bc.sc.gov.br e clicar na aba “Ouvidoria”.

Ainda há também os telefones 0800-644-3388 (apenas ligações com DDD 47) e o (47) 3267-7024. Esses telefones têm horário de atendimento das 8h às 18h, de segunda a sexta-feira. As denúncias podem ser feitas também pelo e-mail ouvidoria@bc.sc.gov.br ou em atendimento presencial no 4° piso do Paço Municipal, das 12h às 18h.

Informações - Secretaria de Saúde (47) 3261-6264

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade