Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Aumenta o risco de casos de dengue em Balneário Camboriú
Divulgação.

Sexta, 13/7/2018 7:16.

O número de focos do mosquito Aedes aegypti nas amostragens da Vigilância Epidemiológica do Estado aumentou 50% no Estado nesse ano e Balneário Camboriú, mesmo com quantidade menor do que no ano passado, liderando com 897 focos positivos.

Foram 173 focos identificados em janeiro, 199 em fevereiro, 168 em março, 133 em abril, 138 em maio, 55 em junho e 31 até o último sábado (7).
Mesmo com números reduzidos em maio e junho, Balneário Camboriú registrou quatro casos da doença em que os pacientes a contraíram aqui (os chamados autóctones).

Esses pacientes foram tratados e estão bem.

Ter mosquito não significa ter a doença, mas a presenção do inseto aumento o risco da dengue e outras enfermidades se propagarem.

O controle dos focos é feito com armadilhas para mosquitos distribuídas nas cidades. Quando um foco é identificado a saúde pública toma providências para diminuir riscos.

A lista dos primeiros cinco municípios com maior quantidade de focos no Estado revela que três são bem próximos de Balneário Camboriú: Itajaí com 722, Itapema com 525 e Camboriú com 562.

O segundo município na lista do Estado é Chapecó com 777 focos.

O responsável pelo Programa de Combate à Dengue em Balneário Camboriú, Rafael Neis da Silva não esconde sua preocupação.

“É preciso mudar a cabeça da população. As pessoas precisam dar atenção ao problema. Um dos pacientes autóctones que foi tratado aqui tinha oito focos em sua casa e nem desconfiava”, contou.

A preocupação é com a temporada, quando o clima começa a esquentar outra vez.

“A previsão para o verão não é nada boa. A hora de reduzir esses números é agora, porque quando o tempo esquentar, fica muito mais difícil”, disse Rafael.

Mutirão

Apesar da equipe com 30 agentes e das 120 armadilhas espalhadas em pontos estratégicos, o coordenador do programa comandará um mutirão coletivo de vários setores da prefeitura no dia 28 deste mês, no Bairro das Nações. Até o verão outros mutirões serão agendados, porque Rafael entende que é preciso insistir, chamar atenção, para que as pessoas se liguem no problema.

O maior número de focos esse ano foi encontrado no centro (278). Os bairros com mais focos são Estados (100), Nações (87), Barra (72), Municipios (59) e Vila Real (50). 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Aumenta o risco de casos de dengue em Balneário Camboriú

Divulgação.
Sexta, 13/7/2018 7:16.

O número de focos do mosquito Aedes aegypti nas amostragens da Vigilância Epidemiológica do Estado aumentou 50% no Estado nesse ano e Balneário Camboriú, mesmo com quantidade menor do que no ano passado, liderando com 897 focos positivos.

Foram 173 focos identificados em janeiro, 199 em fevereiro, 168 em março, 133 em abril, 138 em maio, 55 em junho e 31 até o último sábado (7).
Mesmo com números reduzidos em maio e junho, Balneário Camboriú registrou quatro casos da doença em que os pacientes a contraíram aqui (os chamados autóctones).

Esses pacientes foram tratados e estão bem.

Ter mosquito não significa ter a doença, mas a presenção do inseto aumento o risco da dengue e outras enfermidades se propagarem.

O controle dos focos é feito com armadilhas para mosquitos distribuídas nas cidades. Quando um foco é identificado a saúde pública toma providências para diminuir riscos.

A lista dos primeiros cinco municípios com maior quantidade de focos no Estado revela que três são bem próximos de Balneário Camboriú: Itajaí com 722, Itapema com 525 e Camboriú com 562.

O segundo município na lista do Estado é Chapecó com 777 focos.

O responsável pelo Programa de Combate à Dengue em Balneário Camboriú, Rafael Neis da Silva não esconde sua preocupação.

“É preciso mudar a cabeça da população. As pessoas precisam dar atenção ao problema. Um dos pacientes autóctones que foi tratado aqui tinha oito focos em sua casa e nem desconfiava”, contou.

A preocupação é com a temporada, quando o clima começa a esquentar outra vez.

“A previsão para o verão não é nada boa. A hora de reduzir esses números é agora, porque quando o tempo esquentar, fica muito mais difícil”, disse Rafael.

Mutirão

Apesar da equipe com 30 agentes e das 120 armadilhas espalhadas em pontos estratégicos, o coordenador do programa comandará um mutirão coletivo de vários setores da prefeitura no dia 28 deste mês, no Bairro das Nações. Até o verão outros mutirões serão agendados, porque Rafael entende que é preciso insistir, chamar atenção, para que as pessoas se liguem no problema.

O maior número de focos esse ano foi encontrado no centro (278). Os bairros com mais focos são Estados (100), Nações (87), Barra (72), Municipios (59) e Vila Real (50). 

Publicidade

Publicidade