Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

População não vacinada contra febre amarela no país é 'alto risco', diz OMS

Segunda, 22/1/2018 18:04.

ANGELA PINHO
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O grande número de pessoas não vacinadas contra a febre amarela em áreas com ecossistema favorável ao vírus representa um alto risco de mudança no patamar de transmissão, diz comunicado da OMS (Organização Mundial da Saúde) divulgado nesta segunda-feira (22).

Desde julho do ano passado, o Ministério da Saúde contabiliza 35 pacientes com a doença, com 20 mortes. A situação mais crítica é a de São Paulo. Na semana passada, o governo Geraldo Alckmin (PSDB) confirmou 41 novos casos -o total, desde o início de 2017, chega a 81.

Para bloquear o vírus, o ministério lançou uma campanha que pretende imunizar, em menos de 50 dias, 21,8 milhões de pessoas no Rio, em São Paulo e na Bahia.

Para a OMS, a medida deve limitar o avanço da doença, mas é possível prever percalços. "É importante notar que, devido à sua escala e alcance, esta campanha de vacinação em massa provavelmente será caracterizada por desafios logísticos significativos", diz o texto.

O comunicado afirma ainda que o grande número de mortes de macacos por febre amarela no país, especialmente em São Paulo, indica um alto nível de concentração do vírus em ecossistemas favoráveis à transmissão no Brasil. Esse dado, para a entidade, é especialmente preocupante quando as mortes acontecem perto de grandes cidades como a capital paulista.

A capital paulista não tem casos humanos da doença, mas registrou mortes de macacos em áreas como o Horto Florestal (zona norte) -todas as 17 famílias de bugios foram exterminadas.

O texto da OMS cita ainda o caso do vírus "exportado" para a Holanda no início de janeiro e informa que o paciente chegou ao país após passar por Mairiporã e Atibaia, duas cidades com circulação do vírus em São Paulo. Ele passa bem.

A entidade mantém a recomendação de vacina a todos os viajantes internacionais com destino a qualquer área do Estado de São Paulo. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Geral

 O encontro traz à cidade palestrantes renomados no país. 


Cidade

No Estaleiro e no Estaleirinho as bandeiras seguem hasteadas até a Páscoa


Política

Guru do bolsonarismo afirmou isso no sábado em evento nos Estados Unidos


Cidade

Ele estaria em licença de saúde, mas no filme não parece doente


Publicidade


Geral

Captura além da cota em 2018 é o argumento do governo para impedir a safra de 2019.  


Esportes

Um dos campeões é de Balneário Camboriú


Geral


Cidade

Não iniciou e diretor da segunda colocada na liciitação é acusado na Lava Jato


Publicidade


Justiça

A prisão após a condenação em segunda instância, será avaliada em abril pelo STF.


Política


Geral

Leitores lançam suspeitas sobre procedimento da Caixa


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

População não vacinada contra febre amarela no país é 'alto risco', diz OMS

Segunda, 22/1/2018 18:04.

ANGELA PINHO
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O grande número de pessoas não vacinadas contra a febre amarela em áreas com ecossistema favorável ao vírus representa um alto risco de mudança no patamar de transmissão, diz comunicado da OMS (Organização Mundial da Saúde) divulgado nesta segunda-feira (22).

Desde julho do ano passado, o Ministério da Saúde contabiliza 35 pacientes com a doença, com 20 mortes. A situação mais crítica é a de São Paulo. Na semana passada, o governo Geraldo Alckmin (PSDB) confirmou 41 novos casos -o total, desde o início de 2017, chega a 81.

Para bloquear o vírus, o ministério lançou uma campanha que pretende imunizar, em menos de 50 dias, 21,8 milhões de pessoas no Rio, em São Paulo e na Bahia.

Para a OMS, a medida deve limitar o avanço da doença, mas é possível prever percalços. "É importante notar que, devido à sua escala e alcance, esta campanha de vacinação em massa provavelmente será caracterizada por desafios logísticos significativos", diz o texto.

O comunicado afirma ainda que o grande número de mortes de macacos por febre amarela no país, especialmente em São Paulo, indica um alto nível de concentração do vírus em ecossistemas favoráveis à transmissão no Brasil. Esse dado, para a entidade, é especialmente preocupante quando as mortes acontecem perto de grandes cidades como a capital paulista.

A capital paulista não tem casos humanos da doença, mas registrou mortes de macacos em áreas como o Horto Florestal (zona norte) -todas as 17 famílias de bugios foram exterminadas.

O texto da OMS cita ainda o caso do vírus "exportado" para a Holanda no início de janeiro e informa que o paciente chegou ao país após passar por Mairiporã e Atibaia, duas cidades com circulação do vírus em São Paulo. Ele passa bem.

A entidade mantém a recomendação de vacina a todos os viajantes internacionais com destino a qualquer área do Estado de São Paulo. 

Publicidade

Publicidade