Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Justiça de BC obriga plano de saúde a manter paciente dito terminal em hospital

Terça, 6/2/2018 19:06.

A justiça de Balneário Camboriú concedeu tutela de urgência em caráter liminar, para manter internado um paciente de 78 anos, que está acamado no Hospital do Coração. O caso foi destaque pela agilidade da justiça, que em menos de três horas após o pedido, concedeu a liminar.

Segundo a defesa da família, o plano de saúde Agemed realizou uma auditoria e pressionava para que o paciente fosse levado para casa, pois alegava que o tratamento recebido seria “paliativo”.

O advogado Luiz Fernando Ozawa, do escritório Ozawa Advogados, que defendeu a família, conta que a auditoria pressionou por todos os lados. Primeiro tentou convencer a família, alegando que “seria a hora” de levar o paciente para casa, mesmo que a consequência disso seria a morte dele. 

O plano também informou aos profissionais que cuidavam do paciente que não receberiam mais os repasses referentes aos atendimentos. Ozawa conta que o médico responsável estava relutante em assinar a alta do paciente porque era certo que o estado dele pioraria rapidamente em casa, e que a morte do paciente ocorreria.

O paciente, que é um agente da Polícia Civil aposentado, foi internado no ano passado e tem uma série de necessidades específicas, como alimentação por sonda, precisa de auxílio para evacuar com lavagem intestinal, banho, fisioterapia e altas dosagens de medicamentos.

“Nada disso seria possível "em casa", e a cobertura para internação hospitalar é contratual, pelo qual, o paciente não só necessita como tem direito à manutenção da internação”, declarou a defesa.

“A negativa de custeio da internação hospitalar, certamente configura verdadeiro desrespeito ao princípio da dignidade da pessoa humana, expressamente alçado ao status de fundamento de nossa República e do Estado Democrático de Direito pela Constituição Federal de 1988", destacou a justiça na decisão liminar.

A defesa lamenta porque ao que parece, não é rara a prática de auditorias para análise econômica tentarem decidir o futuro dos pacientes, alegando “tratamento paliativo”. Conforme a justiça, não é o plano que tem esse poder, somente o médico.

O plano de saúde pode recorrer da decisão.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Cidade

Volume de resíduos não é um indicador seguro da quantidade de turistas


Policia

Praça central de Balneário Camboriú é o ponto preferido também de andarilhos e usuários 


Policia

A suspeita é que funcionários dos gabinetes da Alerj devolviam parte dos salários


Política


Publicidade


Publicidade


Cidade

Balneário Camboriú adotará entrega voluntária em ponto da prefeitura  


Divulgação

Excelente opção para os micro empreendedores, pequenas empresas e freelancers.


Geral

Até embarcações de pequeno porte levantam areia, depende das condições 


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Justiça de BC obriga plano de saúde a manter paciente dito terminal em hospital

Terça, 6/2/2018 19:06.

A justiça de Balneário Camboriú concedeu tutela de urgência em caráter liminar, para manter internado um paciente de 78 anos, que está acamado no Hospital do Coração. O caso foi destaque pela agilidade da justiça, que em menos de três horas após o pedido, concedeu a liminar.

Segundo a defesa da família, o plano de saúde Agemed realizou uma auditoria e pressionava para que o paciente fosse levado para casa, pois alegava que o tratamento recebido seria “paliativo”.

O advogado Luiz Fernando Ozawa, do escritório Ozawa Advogados, que defendeu a família, conta que a auditoria pressionou por todos os lados. Primeiro tentou convencer a família, alegando que “seria a hora” de levar o paciente para casa, mesmo que a consequência disso seria a morte dele. 

O plano também informou aos profissionais que cuidavam do paciente que não receberiam mais os repasses referentes aos atendimentos. Ozawa conta que o médico responsável estava relutante em assinar a alta do paciente porque era certo que o estado dele pioraria rapidamente em casa, e que a morte do paciente ocorreria.

O paciente, que é um agente da Polícia Civil aposentado, foi internado no ano passado e tem uma série de necessidades específicas, como alimentação por sonda, precisa de auxílio para evacuar com lavagem intestinal, banho, fisioterapia e altas dosagens de medicamentos.

“Nada disso seria possível "em casa", e a cobertura para internação hospitalar é contratual, pelo qual, o paciente não só necessita como tem direito à manutenção da internação”, declarou a defesa.

“A negativa de custeio da internação hospitalar, certamente configura verdadeiro desrespeito ao princípio da dignidade da pessoa humana, expressamente alçado ao status de fundamento de nossa República e do Estado Democrático de Direito pela Constituição Federal de 1988", destacou a justiça na decisão liminar.

A defesa lamenta porque ao que parece, não é rara a prática de auditorias para análise econômica tentarem decidir o futuro dos pacientes, alegando “tratamento paliativo”. Conforme a justiça, não é o plano que tem esse poder, somente o médico.

O plano de saúde pode recorrer da decisão.

Publicidade

Publicidade