Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Santa Catarina é destaque nacional em doação de órgãos

Terça, 4/10/2016 8:09.

No Brasil a cada milhão de habitantes, 14 são doadores de órgãos. Santa Catarina está bem acima da média nacional, em agosto atingiu 35 doadores por milhão de população (pmp) e está na liderança do ranking de doadores efetivos no país e bem perto da Espanha que tem 37 pmp, a melhor taxa do mundo. O Paraná é o segundo no país com 26 pmp seguido do Rio Grande do Sul com 25 doadores por milhão de habitantes.

O médico intensivista e coordenador adjunto da SC Transplantes Rafael Lisboa de Souza disse que essa posição que Santa Catarina alcançou se deve a um processo de educação continuada dos profissionais que a secretaria da Saúde e a SC Transplantes estão fazendo há mais de 10 anos. “Não há transplante sem doação. É preciso seguir quatro passos essenciais: a identificação; o diagnóstico de morte encefálica; a manutenção das funções orgânicas para evitar uma parada cardíaca e a entrevista familiar para doação”, detalhou o médico, lembrando que pode-se perder o doador em cada uma dessas etapas.

Há 10 anos havia 50% de recusa familiar. Hoje Santa Catarina baixou para 35% esse fator.

Só neste ano

De janeiro a agosto, Santa Catarina fez 895 transplantes. Os mais procurados foram córnea (441), rins (160), fígado (94), tecido ósseo (38), coração (6).

A captação de tecidos e órgãos pode ser feita em 47 hospitais catarinenses, entre eles o Marieta, de Itajaí (10 captações de múltiplos órgãos esse ano e 41 de córneas) e o Ruth Cardoso, de Balneário Camboriú (4 captações esse ano), mas transplantes somente em hospitais de Chapecó, Blumenau, Joinville, Florianópolis e Governador Celso Ramos. O Marieta faz transplante de córneas e a Clínica dos Olhos, de Balneário Camboriú também.

Durante esta semana de sensibilização para doação de órgãos e tecidos, o hospital Marieta registrou mais uma captação (fígado, rins e córneas) que beneficiará cinco pessoas.

Fila

No país mais de 33 mil pessoas estão na fila de transplantes. Em Santa Catarina são 500. Destes 62 esperando córneas (normalmente a espera não passa de duas semanas); 36 aguardam um fígado novo, mais de 300 precisam de rins entre outros.

“Datas como o Dia Nacional de Doação de Órgãos e Tecidos servem para chamar atenção da população sobre a importância da doação, que isso deve ser discutido entre as famílias e também para agradecer as famílias doadoras”, disse o coordenador adjunto da SC Transplantes.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Geral

 O encontro traz à cidade palestrantes renomados no país. 


Cidade

No Estaleiro e no Estaleirinho as bandeiras seguem hasteadas até a Páscoa


Política

Guru do bolsonarismo afirmou isso no sábado em evento nos Estados Unidos


Cidade

Ele estaria em licença de saúde, mas no filme não parece doente


Publicidade


Geral

Captura além da cota em 2018 é o argumento do governo para impedir a safra de 2019.  


Esportes

Um dos campeões é de Balneário Camboriú


Geral


Cidade

Não iniciou e diretor da segunda colocada na liciitação é acusado na Lava Jato


Publicidade


Justiça

A prisão após a condenação em segunda instância, será avaliada em abril pelo STF.


Política


Geral

Leitores lançam suspeitas sobre procedimento da Caixa


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Santa Catarina é destaque nacional em doação de órgãos

Terça, 4/10/2016 8:09.

No Brasil a cada milhão de habitantes, 14 são doadores de órgãos. Santa Catarina está bem acima da média nacional, em agosto atingiu 35 doadores por milhão de população (pmp) e está na liderança do ranking de doadores efetivos no país e bem perto da Espanha que tem 37 pmp, a melhor taxa do mundo. O Paraná é o segundo no país com 26 pmp seguido do Rio Grande do Sul com 25 doadores por milhão de habitantes.

O médico intensivista e coordenador adjunto da SC Transplantes Rafael Lisboa de Souza disse que essa posição que Santa Catarina alcançou se deve a um processo de educação continuada dos profissionais que a secretaria da Saúde e a SC Transplantes estão fazendo há mais de 10 anos. “Não há transplante sem doação. É preciso seguir quatro passos essenciais: a identificação; o diagnóstico de morte encefálica; a manutenção das funções orgânicas para evitar uma parada cardíaca e a entrevista familiar para doação”, detalhou o médico, lembrando que pode-se perder o doador em cada uma dessas etapas.

Há 10 anos havia 50% de recusa familiar. Hoje Santa Catarina baixou para 35% esse fator.

Só neste ano

De janeiro a agosto, Santa Catarina fez 895 transplantes. Os mais procurados foram córnea (441), rins (160), fígado (94), tecido ósseo (38), coração (6).

A captação de tecidos e órgãos pode ser feita em 47 hospitais catarinenses, entre eles o Marieta, de Itajaí (10 captações de múltiplos órgãos esse ano e 41 de córneas) e o Ruth Cardoso, de Balneário Camboriú (4 captações esse ano), mas transplantes somente em hospitais de Chapecó, Blumenau, Joinville, Florianópolis e Governador Celso Ramos. O Marieta faz transplante de córneas e a Clínica dos Olhos, de Balneário Camboriú também.

Durante esta semana de sensibilização para doação de órgãos e tecidos, o hospital Marieta registrou mais uma captação (fígado, rins e córneas) que beneficiará cinco pessoas.

Fila

No país mais de 33 mil pessoas estão na fila de transplantes. Em Santa Catarina são 500. Destes 62 esperando córneas (normalmente a espera não passa de duas semanas); 36 aguardam um fígado novo, mais de 300 precisam de rins entre outros.

“Datas como o Dia Nacional de Doação de Órgãos e Tecidos servem para chamar atenção da população sobre a importância da doação, que isso deve ser discutido entre as famílias e também para agradecer as famílias doadoras”, disse o coordenador adjunto da SC Transplantes.

 

Publicidade

Publicidade