Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Paciente reclama de falta transparência nas filas do COE
Celso Peixoto/PMBC

Quinta, 26/5/2016 15:53.

Esta semana completou três meses que o professor Fernando de Tarso espera por atendimento no Centro Odontológico Especializado (COE), no Bairro dos Estados para dois procedimentos: um cirúrgico e um periodontal. Que existem filas de espera ele sabe, mas questiona a falta de transparência e de informação sobre elas para os pacientes.

“No dia 31 de março fui até o COE em busca de informações, me disseram que a previsão de atendimento é de três meses. Como entrei na fila em fevereiro, ainda estava dentro do prazo. Quando questionei como funcionam esses atendimentos, uma funcionária de forma ríspida disse que tudo estava no site da prefeitura”, contou.

O paciente foi para casa e acessou o site indicado. “Meu nome era o 218º na lista para Periodontia e o 277º na lista para a cirurgia. E vi que o primeiro da lista de espera está aguardando desde setembro de 2014 o atendimento. Ou seja, de que forma que o prazo de três meses de espera para atendimento será realmente cumprido pela prefeitura, se tem gente esperando há mais de um ano? Então está faltando atualização, informação no site. Ao observar outras listas de espera de atendimento de saúde em Balneário Camboriú percebi que a situação é alarmante”, completou o paciente.

Ficar ligado

A coordenadora ambulatorial Ana Paula Lindner explicou que a fila de espera realmente demora cerca de três meses. São três filas: cirurgia, periodontia e endodontia. Hoje trabalham no COE dois cirurgiões, quatro periodontistas e dois endodontistas. Segundo Ana Paula, as pessoas são chamadas por telefone. São três tentativas em dias alternados e se o paciente cadastrado não for localizado ele vai para o fim da fila. “Isso acontece com frequência, porque as pessoas trocam de telefone, perdem ou são roubados e não atualizam no nosso cadastro e quando chamamos não as localizamos”, informou.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Cidade

Balneário Camboriú passa a ser a cidade brasileira com mais bandeiras azuis


Política

Estratégia é oferecer cargos nos Estados aos deputados avulsos


Justiça

Empreendedor se defende em nota à imprensa


Cidade

O acordo põe fim a anos de insegurança e desgaste jurídico


Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Paciente reclama de falta transparência nas filas do COE

Celso Peixoto/PMBC
Quinta, 26/5/2016 15:53.

Esta semana completou três meses que o professor Fernando de Tarso espera por atendimento no Centro Odontológico Especializado (COE), no Bairro dos Estados para dois procedimentos: um cirúrgico e um periodontal. Que existem filas de espera ele sabe, mas questiona a falta de transparência e de informação sobre elas para os pacientes.

“No dia 31 de março fui até o COE em busca de informações, me disseram que a previsão de atendimento é de três meses. Como entrei na fila em fevereiro, ainda estava dentro do prazo. Quando questionei como funcionam esses atendimentos, uma funcionária de forma ríspida disse que tudo estava no site da prefeitura”, contou.

O paciente foi para casa e acessou o site indicado. “Meu nome era o 218º na lista para Periodontia e o 277º na lista para a cirurgia. E vi que o primeiro da lista de espera está aguardando desde setembro de 2014 o atendimento. Ou seja, de que forma que o prazo de três meses de espera para atendimento será realmente cumprido pela prefeitura, se tem gente esperando há mais de um ano? Então está faltando atualização, informação no site. Ao observar outras listas de espera de atendimento de saúde em Balneário Camboriú percebi que a situação é alarmante”, completou o paciente.

Ficar ligado

A coordenadora ambulatorial Ana Paula Lindner explicou que a fila de espera realmente demora cerca de três meses. São três filas: cirurgia, periodontia e endodontia. Hoje trabalham no COE dois cirurgiões, quatro periodontistas e dois endodontistas. Segundo Ana Paula, as pessoas são chamadas por telefone. São três tentativas em dias alternados e se o paciente cadastrado não for localizado ele vai para o fim da fila. “Isso acontece com frequência, porque as pessoas trocam de telefone, perdem ou são roubados e não atualizam no nosso cadastro e quando chamamos não as localizamos”, informou.

Publicidade

Publicidade