Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Região se consolida na rota catarinense dos transplantes
Divulgação
Captação no Marieta teve apoio de avião da FAB para salvar vidas

Segunda, 4/7/2016 10:29.

Por Daniele dos Reis

O Hospital Marieta, de Itajaí, vem se consolidando na captação de órgãos. Em 20 dias, foram três casos. No último caso divulgado, os familiares de um jovem de 23 anos autorizaram a doação de seis órgãos.

Além de ter o maior índice de doações do Brasil, se Santa Catarina fosse um país, seria um dos que mais doam no mundo, ficando atrás apenas para Espanha e Malta. De acordo com o médico intensivista e coordenador da SC Transplantes, Rafael Lisboa o povo catarinense é generoso, mas a diferença é que o Estado busca capacitar seus profissionais e o resultado é uma confiança maior no sistema de saúde na hora da família dizer sim.

Só não se doa mais por aqui porque a questão é realmente complexa. Há a não identificação de potenciais doadores por profissionais que deixam de fazer o diagnóstico de morte encefálica, contraindicação médica por doença transmissível ou ainda problemas no atendimento, que afastam a possibilidade da doação.

“Às vezes a pessoa tem o desejo genuíno de ajudar, mas fica com muitas dúvidas em relação ao processo e não doa. Precisa haver uma confiança absoluta que aquele familiar está morto para confiar nos profissionais, essa é a nossa diferença”, esclarece Lisboa.

Ele lembra que é essencial que o desejo de ser um doador seja dito em vida em família, porque a negativa dos familiares é um dos principais motivos para a não doação. No Marieta, por exemplo, uma equipe especializada realiza esse acompanhamento para que os enlutados possam ajudar a salvar vidas.

Como funciona o processo

Todos os meses, a lista de espera por um órgão é atualizada e sempre traz centenas de pacientes. Segundo o coordenador da SC Transplantes, Rafael Lisboa quando um órgão é captado no Estado, a prioridade são os pacientes daqui. Só no ano passado, foram realizados 1337 transplantes em Santa Catarina.

Se não houver compatibilidade entre os catarinenses, o órgão é colocado à disposição dos estados vizinhos e assim por diante. Essa semana, o coração captado no Marieta foi encaminhado ao Paraná seguindo a lista de espera nacional. O transporte foi realizado pela Força Aérea Brasileira para a garantia da entrega em tempo.

Hoje são 48 hospitais no Estado aptos a realizarem a captação de órgãos, inclusive o Ruth Cardoso, de Balneário. No entanto, ainda são poucos que realizam os transplantes.

A Grande Florianópolis se destaca por reunir vários hospitais capacitados. O Hospital Santa Isabel, de Blumenau é o que realiza o maior número de cirurgias diferentes. Joinville se destaca pelo alto número de cirurgias de córnea, seguido por transplantes de fígado e rins. No Marieta são feitos transplantes de córneas.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Cidade

Balneário Camboriú passa a ser a cidade brasileira com mais bandeiras azuis


Política

Estratégia é oferecer cargos nos Estados aos deputados avulsos


Justiça

Empreendedor se defende em nota à imprensa


Cidade

O acordo põe fim a anos de insegurança e desgaste jurídico


Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Região se consolida na rota catarinense dos transplantes

Divulgação
Captação no Marieta teve apoio de avião da FAB para salvar vidas
Captação no Marieta teve apoio de avião da FAB para salvar vidas
Segunda, 4/7/2016 10:29.

Por Daniele dos Reis

O Hospital Marieta, de Itajaí, vem se consolidando na captação de órgãos. Em 20 dias, foram três casos. No último caso divulgado, os familiares de um jovem de 23 anos autorizaram a doação de seis órgãos.

Além de ter o maior índice de doações do Brasil, se Santa Catarina fosse um país, seria um dos que mais doam no mundo, ficando atrás apenas para Espanha e Malta. De acordo com o médico intensivista e coordenador da SC Transplantes, Rafael Lisboa o povo catarinense é generoso, mas a diferença é que o Estado busca capacitar seus profissionais e o resultado é uma confiança maior no sistema de saúde na hora da família dizer sim.

Só não se doa mais por aqui porque a questão é realmente complexa. Há a não identificação de potenciais doadores por profissionais que deixam de fazer o diagnóstico de morte encefálica, contraindicação médica por doença transmissível ou ainda problemas no atendimento, que afastam a possibilidade da doação.

“Às vezes a pessoa tem o desejo genuíno de ajudar, mas fica com muitas dúvidas em relação ao processo e não doa. Precisa haver uma confiança absoluta que aquele familiar está morto para confiar nos profissionais, essa é a nossa diferença”, esclarece Lisboa.

Ele lembra que é essencial que o desejo de ser um doador seja dito em vida em família, porque a negativa dos familiares é um dos principais motivos para a não doação. No Marieta, por exemplo, uma equipe especializada realiza esse acompanhamento para que os enlutados possam ajudar a salvar vidas.

Como funciona o processo

Todos os meses, a lista de espera por um órgão é atualizada e sempre traz centenas de pacientes. Segundo o coordenador da SC Transplantes, Rafael Lisboa quando um órgão é captado no Estado, a prioridade são os pacientes daqui. Só no ano passado, foram realizados 1337 transplantes em Santa Catarina.

Se não houver compatibilidade entre os catarinenses, o órgão é colocado à disposição dos estados vizinhos e assim por diante. Essa semana, o coração captado no Marieta foi encaminhado ao Paraná seguindo a lista de espera nacional. O transporte foi realizado pela Força Aérea Brasileira para a garantia da entrega em tempo.

Hoje são 48 hospitais no Estado aptos a realizarem a captação de órgãos, inclusive o Ruth Cardoso, de Balneário. No entanto, ainda são poucos que realizam os transplantes.

A Grande Florianópolis se destaca por reunir vários hospitais capacitados. O Hospital Santa Isabel, de Blumenau é o que realiza o maior número de cirurgias diferentes. Joinville se destaca pelo alto número de cirurgias de córnea, seguido por transplantes de fígado e rins. No Marieta são feitos transplantes de córneas.

Publicidade

Publicidade