Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Controle de pragas precisa da colaboração de todos
Renata Rutes/Página 3

Quarta, 13/1/2016 8:23.

Esta época do ano já traz naturalmente condições para a proliferação de pragas com tanta chuva e calor. Mas não é só isso. A irresponsabilidade de algumas pessoas pode piorar esse quadro, por isso a vigilância é essencial. Na Praia Central, os pombos se tornaram um grande problema e estão tão à vontade que chegam muito perto dos banhistas e invadem o espaço das pessoas à procura de comida.

As aves são protegidas por lei federal. Isso quer dizer que seu abate é proibido, mesmo eles sendo transmissores de doenças através de piolhos, fungos, e bactérias presentes em suas fezes. De acordo com o Ministério Público, até 50 doenças (como salmonelose, a criptococose, a histoplasmose e a meningite) podem se transmitidas pela ave que, ironicamente, é símbolo de paz.

De acordo com a coordenadora do Centro de Controle de Pragas Urbanas (CCPU), Geosí de Lima Matos, reduzir a oferta de alimento contribui para seu controle.“Estamos orientando o pessoal que vende milho e dos quiosques para não deixar lixo e não alimentar os animais. Mas tem gente que antes das 7h da manhã passa pela praia e deixa quirera para eles comerem, precisamos da colaboração de todos”, disse.

Ratazanas, mosquitos e escorpiões

E não são apenas pombos. Ratazanas, caramujos, mosquitos e até escorpiões encontram nesta época do ano as melhores condições para se reproduzir. A limpeza é a melhor alternativa para combatê-los, por isso o CCPU faz em parceria com a Secretaria de Obras e com o Programa de Combate à Dengue um trabalho intenso de notificação de terrenos baldios sujos.

Na orla foi aplicado raticida em 500 pontos e a manutenção deve seguir por toda a temporada. Em outras regiões a limpeza dos terrenos é o principal foco. “Se tiver sujo, tem rato, caramujo africano, aranha”, alerta.

Quem souber de locais abandonados deve denunciar na ouvidora, no site da prefeitura, para que seja feita triagem das reclamações e os setores certos sejam acionados.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Cidade

Balneário Camboriú passa a ser a cidade brasileira com mais bandeiras azuis


Política

Estratégia é oferecer cargos nos Estados aos deputados avulsos


Justiça

Empreendedor se defende em nota à imprensa


Cidade

O acordo põe fim a anos de insegurança e desgaste jurídico


Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Controle de pragas precisa da colaboração de todos

Renata Rutes/Página 3
Quarta, 13/1/2016 8:23.

Esta época do ano já traz naturalmente condições para a proliferação de pragas com tanta chuva e calor. Mas não é só isso. A irresponsabilidade de algumas pessoas pode piorar esse quadro, por isso a vigilância é essencial. Na Praia Central, os pombos se tornaram um grande problema e estão tão à vontade que chegam muito perto dos banhistas e invadem o espaço das pessoas à procura de comida.

As aves são protegidas por lei federal. Isso quer dizer que seu abate é proibido, mesmo eles sendo transmissores de doenças através de piolhos, fungos, e bactérias presentes em suas fezes. De acordo com o Ministério Público, até 50 doenças (como salmonelose, a criptococose, a histoplasmose e a meningite) podem se transmitidas pela ave que, ironicamente, é símbolo de paz.

De acordo com a coordenadora do Centro de Controle de Pragas Urbanas (CCPU), Geosí de Lima Matos, reduzir a oferta de alimento contribui para seu controle.“Estamos orientando o pessoal que vende milho e dos quiosques para não deixar lixo e não alimentar os animais. Mas tem gente que antes das 7h da manhã passa pela praia e deixa quirera para eles comerem, precisamos da colaboração de todos”, disse.

Ratazanas, mosquitos e escorpiões

E não são apenas pombos. Ratazanas, caramujos, mosquitos e até escorpiões encontram nesta época do ano as melhores condições para se reproduzir. A limpeza é a melhor alternativa para combatê-los, por isso o CCPU faz em parceria com a Secretaria de Obras e com o Programa de Combate à Dengue um trabalho intenso de notificação de terrenos baldios sujos.

Na orla foi aplicado raticida em 500 pontos e a manutenção deve seguir por toda a temporada. Em outras regiões a limpeza dos terrenos é o principal foco. “Se tiver sujo, tem rato, caramujo africano, aranha”, alerta.

Quem souber de locais abandonados deve denunciar na ouvidora, no site da prefeitura, para que seja feita triagem das reclamações e os setores certos sejam acionados.

Publicidade

Publicidade