Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Balneário pede ajuda do Exército para combater o Aedes aegypti
Divulgação PM

Segunda, 1/2/2016 11:23.

Membros da Sala de Situação montada para o combate ao Aedes aegypti em Balneário Camboriú oficializaram na sexta-feira (29) o pedido por 40 militares do Exército para atuarem aqui na prevenção contra o mosquito, depois do Carnaval. Atualmente Balneário figura na lista de municípios considerados infestados pelo Aedes.

Segundo o coordenador do Programa Municipal de Combate à Dengue, Márcio Passing, o pedido foi feito para aumentar o número de funcionários para identificar os focos de mosquito na cidade. Hoje a equipe do Programa tem 41 funcionários.

“O Ministério da Defesa disponibilizou 220 mil soldados para os municípios que quiserem esse auxílio, e Balneário aceitou”, diz. O pedido foi encaminhado à Sala Estadual, mas a aprovação é oficializada pela Nacional. O coordenador da Sala de Balneário, Diogo Catafesta, explica que toda ajuda é bem vinda. “Quanto mais profissionais envolvidos, simultaneamente, a ação preventiva será ainda mais eficiente”, diz.

Focos e casos

Só nesse ano foram identificados 121 focos de Aedes aegypti em Balneário: 24 no Bairro das Nações, 58 no Centro, seis na Praia dos Amores, sete no Ariribá, quatro no Municípios, quatro no Pioneiros, quatro na Vila Real e um na Várzea do Ranchinho.

O número de focos deixa a cidade em alerta, porque além da Dengue, o Aedes também transmite a febre Chikungunya e o temido Zika Vírus.

De acordo com a Vigilância Epidemiológica de Balneário, o município não possui no momento nenhum caso positivo de nenhuma das três doenas, há apenas suspeitas. A demora na liberação dos resultados dos exames complica a situação.

“Santa Catarina está com falta de kits de reagentes (é através deles que é possível confirmar se a pessoa foi ou não picada pelo mosquito) e a nossa cidade tem casos para identificar”, comentou o secretário de Saúde, Eroni Foresti.

Ele destaca que o Governo do Estado já pediu que os kits venham com urgência para Santa Catarina, mas que o Governo Federal atrasou.

"Estamos com muitas ideias, que podem acontecer em breve para melhorarmos a situação em Balneário. A população precisa se conscientizar e tomar cuidado com a água parada, pois essas doenças podem até matar. Para evitar isso, é só se prevenir”, afirma.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Balneário pede ajuda do Exército para combater o Aedes aegypti

Divulgação PM
Segunda, 1/2/2016 11:23.

Membros da Sala de Situação montada para o combate ao Aedes aegypti em Balneário Camboriú oficializaram na sexta-feira (29) o pedido por 40 militares do Exército para atuarem aqui na prevenção contra o mosquito, depois do Carnaval. Atualmente Balneário figura na lista de municípios considerados infestados pelo Aedes.

Segundo o coordenador do Programa Municipal de Combate à Dengue, Márcio Passing, o pedido foi feito para aumentar o número de funcionários para identificar os focos de mosquito na cidade. Hoje a equipe do Programa tem 41 funcionários.

“O Ministério da Defesa disponibilizou 220 mil soldados para os municípios que quiserem esse auxílio, e Balneário aceitou”, diz. O pedido foi encaminhado à Sala Estadual, mas a aprovação é oficializada pela Nacional. O coordenador da Sala de Balneário, Diogo Catafesta, explica que toda ajuda é bem vinda. “Quanto mais profissionais envolvidos, simultaneamente, a ação preventiva será ainda mais eficiente”, diz.

Focos e casos

Só nesse ano foram identificados 121 focos de Aedes aegypti em Balneário: 24 no Bairro das Nações, 58 no Centro, seis na Praia dos Amores, sete no Ariribá, quatro no Municípios, quatro no Pioneiros, quatro na Vila Real e um na Várzea do Ranchinho.

O número de focos deixa a cidade em alerta, porque além da Dengue, o Aedes também transmite a febre Chikungunya e o temido Zika Vírus.

De acordo com a Vigilância Epidemiológica de Balneário, o município não possui no momento nenhum caso positivo de nenhuma das três doenas, há apenas suspeitas. A demora na liberação dos resultados dos exames complica a situação.

“Santa Catarina está com falta de kits de reagentes (é através deles que é possível confirmar se a pessoa foi ou não picada pelo mosquito) e a nossa cidade tem casos para identificar”, comentou o secretário de Saúde, Eroni Foresti.

Ele destaca que o Governo do Estado já pediu que os kits venham com urgência para Santa Catarina, mas que o Governo Federal atrasou.

"Estamos com muitas ideias, que podem acontecer em breve para melhorarmos a situação em Balneário. A população precisa se conscientizar e tomar cuidado com a água parada, pois essas doenças podem até matar. Para evitar isso, é só se prevenir”, afirma.

Publicidade

Publicidade