Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Portal mostra que Ruth Cardoso tem ressonância, mas não tem

Quarta, 31/8/2016 9:30.

Um leitor entrou em contato com o Página 3 para alertar sobre a anunciada existência de um equipamento de ressonância magnética no Hospital Ruth Cardoso, como mostra o site do Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES). Ali consta que o equipamento existe e não está sinalizado como ‘terceirizado’ como deveria estar, já que hoje os pacientes que precisam do exame vão fazê-lo em duas outras empresas.

O hospital não possui ressonância porque, segundo a diretoria, não conta com demanda suficiente para justificar a aquisição e manutenção dele. Através da assessoria de comunicação da prefeitura, a diretoria do hospital respondeu a reportagem alegando que as informações do CNES estão erradas e que já pediram para os responsáveis alterá-las. Também foi informado que todos os dados referentes ao Ruth Cardoso que constam no portal seriam analisados para verem se é preciso fazer outra correção.

Ainda segundo a diretoria, para que o hospital tenha um equipamento de ressonância magnética é necessária uma alta demanda de pacientes que precisam dele, e como isso não acontece, a prefeitura optou por terceirizar o serviço. Quando necessário os pacientes são encaminhados para a clínica São Lucas ou para a Kosma. O equipamento é caríssimo (pode custar de U$ 1 milhão a U$ 3 milhões, dependendo de sua capacidade) e a manutenção custa cerca de R$ 1,5 milhão.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Portal mostra que Ruth Cardoso tem ressonância, mas não tem

Quarta, 31/8/2016 9:30.

Um leitor entrou em contato com o Página 3 para alertar sobre a anunciada existência de um equipamento de ressonância magnética no Hospital Ruth Cardoso, como mostra o site do Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES). Ali consta que o equipamento existe e não está sinalizado como ‘terceirizado’ como deveria estar, já que hoje os pacientes que precisam do exame vão fazê-lo em duas outras empresas.

O hospital não possui ressonância porque, segundo a diretoria, não conta com demanda suficiente para justificar a aquisição e manutenção dele. Através da assessoria de comunicação da prefeitura, a diretoria do hospital respondeu a reportagem alegando que as informações do CNES estão erradas e que já pediram para os responsáveis alterá-las. Também foi informado que todos os dados referentes ao Ruth Cardoso que constam no portal seriam analisados para verem se é preciso fazer outra correção.

Ainda segundo a diretoria, para que o hospital tenha um equipamento de ressonância magnética é necessária uma alta demanda de pacientes que precisam dele, e como isso não acontece, a prefeitura optou por terceirizar o serviço. Quando necessário os pacientes são encaminhados para a clínica São Lucas ou para a Kosma. O equipamento é caríssimo (pode custar de U$ 1 milhão a U$ 3 milhões, dependendo de sua capacidade) e a manutenção custa cerca de R$ 1,5 milhão.

Publicidade

Publicidade