Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Imunoterapia em fase experimental para tratamentos de câncer em Itajaí
Divulgação
Giuliano Santos Borges, oncologista responsável pelo Centro

Terça, 16/8/2016 10:06.

Pacientes com câncer de pulmão de pequenas células (que representa 15% dos tumores) até agora tratados com quimioterapia e radioterapia, poderão usar também medicamento imunoterápico, em fase experimental no Brasil. Ele conta com dois anticorpos que estimulam a imunidade.

Segundo o oncologista responsável pelo Centro de Novos Tratamentos Itajaí, Giuliano Borges, há estudos preliminares que mostraram que a combinação de dois anticorpos atingiu o dobro de resposta quando comparado com apenas um imunoterápico.

Em Santa Catarina, o Centro de Novos Tratamentos Itajaí será o único a receber o protocolo de pesquisa clínica.

Para pacientes com câncer de mama triplo-negativo, o mais agressivo, a quimioterapia continua sendo a única forma de tratamento disponível. Agora, existe um estudo em andamento com uma nova classe de medicamento, chamada imunoterapia. O medicamento é um anticorpo que tem a finalidade de se juntar a uma proteína chamada PD-L1, bloquear algumas interações de outras células e assim buscar combater as cancerígenas.

No Brasil, o estudo vai estar aberto em apenas quatro estados: SC, RS, SP e BA. Em SC somente em Itajaí e Florianópolis.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Imunoterapia em fase experimental para tratamentos de câncer em Itajaí

Divulgação
Giuliano Santos Borges, oncologista responsável pelo Centro
Giuliano Santos Borges, oncologista responsável pelo Centro

Pacientes com câncer de pulmão de pequenas células (que representa 15% dos tumores) até agora tratados com quimioterapia e radioterapia, poderão usar também medicamento imunoterápico, em fase experimental no Brasil. Ele conta com dois anticorpos que estimulam a imunidade.

Segundo o oncologista responsável pelo Centro de Novos Tratamentos Itajaí, Giuliano Borges, há estudos preliminares que mostraram que a combinação de dois anticorpos atingiu o dobro de resposta quando comparado com apenas um imunoterápico.

Em Santa Catarina, o Centro de Novos Tratamentos Itajaí será o único a receber o protocolo de pesquisa clínica.

Para pacientes com câncer de mama triplo-negativo, o mais agressivo, a quimioterapia continua sendo a única forma de tratamento disponível. Agora, existe um estudo em andamento com uma nova classe de medicamento, chamada imunoterapia. O medicamento é um anticorpo que tem a finalidade de se juntar a uma proteína chamada PD-L1, bloquear algumas interações de outras células e assim buscar combater as cancerígenas.

No Brasil, o estudo vai estar aberto em apenas quatro estados: SC, RS, SP e BA. Em SC somente em Itajaí e Florianópolis.

Publicidade

Publicidade