Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Este ano Balneário registrou mais casos de sífilis do que HIV

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Quarta, 20/4/2016 8:08.

O Centro de Testagem e Aconselhamento da secretaria da Saúde, responsável pela aplicação de testes rápidos de HIV, Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST ́s) e Hepatites Virais (B e C) testou nos três primeiros meses do ano 2411 pessoas de todas as faixas etárias, de crianças a idosos. Deste total de testes rápidos aplicados, quase 200 foram positivos: 61 para HIV, 107 para sífilis, sete para hepatite B e 15 para hepatite C.

O elevado número de positivados com sífilis é preocupante, segundo o novo coordenador do CISS/CTA, o enfermeiro Bruno Silvano Tonon, 29, que assumiu o cargo há poucas semanas. Ele lembra que a sífilis é uma doença muito mais antiga que a Aids e está de volta com números elevados.

“HIV não tem cura, mas sífilis tem tratamento e tem cura, mas por que as pessoas estão pegando? Só porque não estão se prevenindo, não estão usando preservativos”, afirmou Tonon. De acordo com ele, a falta de informação e ignorar o uso do preservativo são os responsáveis por esta situação que aí está.

Balneário tem hoje três mil adultos contaminados pelo HIV em tratamento e 20 crianças e adolescentes. Segundo o último boletim do Ministério da Saúde, divulgado no final de 2014, Balneário Camboriú está em 44º lugar em incidência de HIV no país. Itajaí em 19º.

O teste

Em média os três aconselhadores do CTA atendem 30 pessoas todos os dias. Depois de uma conversa, ouvindo o histórico da pessoa e conforme o que ela relatar, o aconselhador solicita os testes, em alguns casos, todos eles.

O teste rápido demora 40 minutos e a pessoa tem que esperar o resultado no Centro de Testagem. O resultado é dado pelo aconselhador. Quando resulta positivo, as reações são na maioria dos casos desesperadas, de choros e até desmaios. Mas tem casos em que a pessoa reage de forma inesperada, fica aparentemente tranquila, mas promete vingança contra quem a contaminou.

“Depois o aconselhador encaminha o paciente para assistência no CISS, abre um prontuário, marca consultas com clínico geral, ginecologista, infectologista ou pediatra, para depois iniciar o tratamento”, explicou o coordenador.

Onde fazer

O CISS e o Centro de Testagem atendem de segunda a sexta-feira, das 7h às 19h, na Rua 2350, 560, entre a Terceira e a Quarta avenidas. Informações: CTA (47) 3363-6741 e CISS (47) 3360-0309.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade