Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Tomate, alface e melancia mais baratos

Quinta, 24/1/2019 17:47.

O primeiro boletim do Programa Brasileiro de Modernização do Mercado Hortigranjeiro (Prohort) que a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) divulga mensalmente, aponta o tomate, a alface e a melancia como os produtos que sofreram as principais baixas neste início do ano. A informação é baseada em dados fornecidos pelos grandes mercados atacadistas do país, nos estados de SP, MG, RJ, ES, PE e CE.

A queda no preço do tomate varia de 26,10% (Vitória), 8,37% (São Paulo), 7,55% (Belo Horizonte) e 3,29% (Fortaleza) e a explicação é o calor que acelerou a maturação e obrigou os produtores a colocar no mercado antecipadamente.

A alface no período de maior consumo e apesar do calor, baixou de 20,57% (São Paulo) e 4,39% (Rio) e menos de 1% (Vitória e Fortaleza).

A melancia baixou pela boa produção nas lavouras de São Paulo, Bahia e Rio Grande do Sul. A maior baixa foi verificada em São Paulo (15,22%).

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Justiça

MP diz que aluguel de totens de segurança causou prejuízo ao erário


Geral

Evento será nessa sexta (24) e sábado (25)


Cultura

 André Gevaerd quer trazer eventos de diversas áreas para a cidade


Cultura

Livro “Camboriú e Balneário e Camboriú – a história das duas cidades” em nova versão


Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Tomate, alface e melancia mais baratos

Publicidade

Quinta, 24/1/2019 17:47.

O primeiro boletim do Programa Brasileiro de Modernização do Mercado Hortigranjeiro (Prohort) que a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) divulga mensalmente, aponta o tomate, a alface e a melancia como os produtos que sofreram as principais baixas neste início do ano. A informação é baseada em dados fornecidos pelos grandes mercados atacadistas do país, nos estados de SP, MG, RJ, ES, PE e CE.

A queda no preço do tomate varia de 26,10% (Vitória), 8,37% (São Paulo), 7,55% (Belo Horizonte) e 3,29% (Fortaleza) e a explicação é o calor que acelerou a maturação e obrigou os produtores a colocar no mercado antecipadamente.

A alface no período de maior consumo e apesar do calor, baixou de 20,57% (São Paulo) e 4,39% (Rio) e menos de 1% (Vitória e Fortaleza).

A melancia baixou pela boa produção nas lavouras de São Paulo, Bahia e Rio Grande do Sul. A maior baixa foi verificada em São Paulo (15,22%).

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade