Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Rapidinhas
Operação Segurança

Quinta, 26/7/2018 11:13.

Publicidade

Polícia Civil, com o apoio da Guarda Municipal de Balneário Camboriú e Polícia Militar, realizou operação no Bairro São Judas Tadeu, na manhã desta quinta-feira (26) para cumprir oito mandados de busca e apreensão e um mandado de busca e apreensão em Blumenau. Objetivo foi colher provas sobre uma possível prática de loteamento irregular de terrenos de invasão no Jardim Fortaleza e suspeitas sobre formação de quadrilha.
O delegado da Polícia Civil responsável pela operação, Kleverson Parmezan, disse que a operação foi um sucesso e que poucos documentos ilegais foram apreendidos. “Possuímos diversos documentos adicionados ao inquérito, principalmente aqueles trazidos pelas vítimas. A ideia era apreender celulares para serem entregues à perícia, a qual irá avaliar conversas que possam ajudar a comprovar os crimes. Também há suspeitas sobre formação de uma milícia de cobrança de taxas e ligações irregulares de energia’’, explicou.
O delegado regional da Polícia Civil, David Queiroz de Souza disse que ali vivem muitas pessoas que não são criminosas e que o objetivo foi apenas cumprir os mandados com as ordens judiciais.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3

Operação Segurança

Publicidade

Quinta, 26/7/2018 11:13.

Polícia Civil, com o apoio da Guarda Municipal de Balneário Camboriú e Polícia Militar, realizou operação no Bairro São Judas Tadeu, na manhã desta quinta-feira (26) para cumprir oito mandados de busca e apreensão e um mandado de busca e apreensão em Blumenau. Objetivo foi colher provas sobre uma possível prática de loteamento irregular de terrenos de invasão no Jardim Fortaleza e suspeitas sobre formação de quadrilha.
O delegado da Polícia Civil responsável pela operação, Kleverson Parmezan, disse que a operação foi um sucesso e que poucos documentos ilegais foram apreendidos. “Possuímos diversos documentos adicionados ao inquérito, principalmente aqueles trazidos pelas vítimas. A ideia era apreender celulares para serem entregues à perícia, a qual irá avaliar conversas que possam ajudar a comprovar os crimes. Também há suspeitas sobre formação de uma milícia de cobrança de taxas e ligações irregulares de energia’’, explicou.
O delegado regional da Polícia Civil, David Queiroz de Souza disse que ali vivem muitas pessoas que não são criminosas e que o objetivo foi apenas cumprir os mandados com as ordens judiciais.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade