Jornal Página 3
Geração de ouro do futebol feminino está próxima da aposentadoria e sem título mundial

A melhor geração que o Brasil já teve no futebol feminino está prestes a se aposentar por idade, sem nunca ter conquistado uma medalha de ouro em campeonatos mundiais ou olimpíadas.

Mesmo sendo frequentemente apontadas como favoritas nas casa de apostas, as meninas da Seleção Canarinho sofrem com a falta de estrutura, de apoio e de reconhecimento

“Pelo que eu fiz por nosso país, acho que merecia um reconhecimento muito maior”, lamentou Rosana em entrevista ao blog Betway Insider.

Ela se aposentou após participar em 2017, juntamente com outras 23 jogadoras, de protestos pela demissão da treinadora Emily de Souza da Seleção.

Francielly, que também se aposentou após o protesto das jogadoras, disse que demitir Emily foi um erro, porque seu substituto, o treinador, Vadão, tem ideias ultrapassadas, nunca apresentou resultados consistentes.

Rosana diz que o Pan do Rio de Janeiro, em 2007, lhe deu esperanças que depois não se confirmaram. “O Brasil ainda um país machista, a gente pensava que os estádios não estariam cheios e aí você entra no Maracanã lotado, com 70 mil pessoas apoiando o futebol feminino... Foi muito marcante. Até hoje me arrepio. Foi um momento em que achei que o futebol feminino ia evoluir a passos largos, mas não aconteceu.”

A Copa do Mundo de futebol feminino, disputada na França mostrou que o esporte passa por um momento importante, com estádios cheios e audiências expressivas nas coberturas da TV aberta.

Para a Seleção Brasileira a perspectiva não é tão positiva, três das suas melhores atletas, Formiga (41 anos), Cristiane (34) e Marta (33) se aproximam da idade da aposentadoria, e não se vislumbra no país um trabalho de renovação.

Parece irônico que o Brasil, o país do futebol”, nunca venceu um mundial feminino, enquanto que os Estados Unidos tenham sido campeões em quatro das oito edições realizadas desde 1991.

Em verdade três dos quatro os campeões femininos na história (Estados Unidos, Japão e Noruega nunca venceram no mundial de futebol masculino, apenas a Alemanha tem vitórias com homens e mulheres.
Num esporte essencialmente coletivo como o futebol, os destaques brasileiros são apenas individuais: Marta é a maior goleadora da história dos mundiais, com 17 gols e conquistou o título de melhor do mundo da FIFA em seis ocasiões, um recorde entre mulheres e homens.

Ranking da Fifa


 

Segunda, 22/7/2019 11:06.

Página 3

Geração de ouro do futebol feminino está próxima da aposentadoria e sem título mundial

A melhor geração que o Brasil já teve no futebol feminino está prestes a se aposentar por idade, sem nunca ter conquistado uma medalha de ouro em campeonatos mundiais ou olimpíadas.

Mesmo sendo frequentemente apontadas como favoritas nas casa de apostas, as meninas da Seleção Canarinho sofrem com a falta de estrutura, de apoio e de reconhecimento

“Pelo que eu fiz por nosso país, acho que merecia um reconhecimento muito maior”, lamentou Rosana em entrevista ao blog Betway Insider.

Ela se aposentou após participar em 2017, juntamente com outras 23 jogadoras, de protestos pela demissão da treinadora Emily de Souza da Seleção.

Francielly, que também se aposentou após o protesto das jogadoras, disse que demitir Emily foi um erro, porque seu substituto, o treinador, Vadão, tem ideias ultrapassadas, nunca apresentou resultados consistentes.

Rosana diz que o Pan do Rio de Janeiro, em 2007, lhe deu esperanças que depois não se confirmaram. “O Brasil ainda um país machista, a gente pensava que os estádios não estariam cheios e aí você entra no Maracanã lotado, com 70 mil pessoas apoiando o futebol feminino... Foi muito marcante. Até hoje me arrepio. Foi um momento em que achei que o futebol feminino ia evoluir a passos largos, mas não aconteceu.”

A Copa do Mundo de futebol feminino, disputada na França mostrou que o esporte passa por um momento importante, com estádios cheios e audiências expressivas nas coberturas da TV aberta.

Para a Seleção Brasileira a perspectiva não é tão positiva, três das suas melhores atletas, Formiga (41 anos), Cristiane (34) e Marta (33) se aproximam da idade da aposentadoria, e não se vislumbra no país um trabalho de renovação.

Parece irônico que o Brasil, o país do futebol”, nunca venceu um mundial feminino, enquanto que os Estados Unidos tenham sido campeões em quatro das oito edições realizadas desde 1991.

Em verdade três dos quatro os campeões femininos na história (Estados Unidos, Japão e Noruega nunca venceram no mundial de futebol masculino, apenas a Alemanha tem vitórias com homens e mulheres.
Num esporte essencialmente coletivo como o futebol, os destaques brasileiros são apenas individuais: Marta é a maior goleadora da história dos mundiais, com 17 gols e conquistou o título de melhor do mundo da FIFA em seis ocasiões, um recorde entre mulheres e homens.

Ranking da Fifa


 

Segunda, 22/7/2019 11:06.