Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Política
Bolsonaro se diz chateado por caso Queiroz e cita 'sabotagens'

Sexta, 31/5/2019 12:09.
Wilson Dias/Agência Brasil

Publicidade

(AE) O presidente Jair Bolsonaro comentou em entrevista à revista Veja publicada nesta sexta-feira, 31, os desdobramentos das investigações envolvendo Fabrício Queiroz, ex-assessor de seu filho Flávio, que teve movimentações atípicas em sua conta apontadas pelo Coaf em relatório revelado pelo jornal O Estado de S. Paulo.

"Estou chateado porque houve depósitos na conta dele, ninguém sabia disso, e ele tem de explicar isso daí", disse, em referência à movimentação de R$,1,2 milhão. "Pode ter coisa errada? Pode, não estou dizendo que tem", disse Bolsonaro, que mantinha uma relação de amizade com o ex-assessor do filho. "Mas tem o superdimensionamento porque sou eu, porque é meu filho. Ninguém mais do que eu quer a solução desse caso o mais rápido possível."

O presidente também saiu em defesa do filho Flávio, senador pelo PSL do Rio, sobre os 48 depósitos fracionados em sua conta. "São os tais R$ 96 mil em depósitos de R$ 2 mil. O valor de R$ 2 mil é o máximo permitido para depósitos em envelope no terminal de autoatendimento da Assembleia Legislativa do Rio. Falaram que os depósitos fracionados eram para fugir do Coaf. R$ 2 mil é o limite que você pode botar no envelope. O que tem de errado nisso?"

Sobre a quebra do sigilo bancário de Flávio, Bolsonaro respondeu: "Se alguém mexe com um filho teu, não interessa se ele está certo ou está errado, você se preocupa.

Sabotagem

Questionado se há casos de sabotagem dentro do governo, o presidente respondeu: "Claro. É uma luta pelo poder. Há sabotagem às vezes de onde você nem imagina". Para ele, culpa do "aparelhamento".

"No Ministério da Defesa, por exemplo, colocamos militares nos postos de comando. Antes, o ministério estava aparelhado por civis. Havia lá uma mulher em cargo de comando que era esposa do 02 do MST. Tinha ex-deputada do PT, gente de esquerda... Pode isso? Mas o aparelhamento mais forte é mesmo no Ministério da Educação."

Bolsonaro admite que errou ao ter nomeado Ricardo Vélez Rodriguez para o Ministério da Educação e "dividiu" a culpa com o escritor Olavo de Carvalho, que havia indicado o agora ex-ministro, que foi substituído por Abraham Weintraub.

"Errei no começo quando indiquei o Ricardo Vélez como ministro. Foi uma indicação do Olavo de Carvalho? Foi, não vou negar. Ele teve interesse, é boa pessoa. Depois liguei para ele: "Olavo, você conhecia o Vélez de onde?". "Ah, de publicações." "Pô, Olavo, você namorou pela internet?", disse a ele.

O presidente também falou de seu partido, o PSL. Bolsonaro disse que a formação da bancada da sigla foi resultado de um "trabalho hercúleo". Para ele, o partido foi "criado" em março do ano passado (quando ele se filiou), apesar da sigla existir desde 1994. "Fomos pegando qualquer um", disse.

"E tem muita gente que entrou e acabou se elegendo com a estratégia que eu adotei na internet", disse o presidente. "Eu falava: 'Clica aqui. Vote em um desses colegas nossos'. Teve muita gente que falou para mim: "Nossa, eu não esperava me eleger".

Para Bolsonaro, esta formação explica a inexperiência de seus colegas de partido. "O pessoal chegou aqui completamente inexperiente, alguns achando que vou resolver o problema no peito e na raça. Não é assim."

Questionado sobre a possibilidade de mudar de partido, Bolsonaro respondeu: "Quando a gente se casa, a gente jura amor eterno. Está respondido?" 


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Bolsonaro se diz chateado por caso Queiroz e cita 'sabotagens'

Wilson Dias/Agência Brasil

Publicidade

Sexta, 31/5/2019 12:09.

(AE) O presidente Jair Bolsonaro comentou em entrevista à revista Veja publicada nesta sexta-feira, 31, os desdobramentos das investigações envolvendo Fabrício Queiroz, ex-assessor de seu filho Flávio, que teve movimentações atípicas em sua conta apontadas pelo Coaf em relatório revelado pelo jornal O Estado de S. Paulo.

"Estou chateado porque houve depósitos na conta dele, ninguém sabia disso, e ele tem de explicar isso daí", disse, em referência à movimentação de R$,1,2 milhão. "Pode ter coisa errada? Pode, não estou dizendo que tem", disse Bolsonaro, que mantinha uma relação de amizade com o ex-assessor do filho. "Mas tem o superdimensionamento porque sou eu, porque é meu filho. Ninguém mais do que eu quer a solução desse caso o mais rápido possível."

O presidente também saiu em defesa do filho Flávio, senador pelo PSL do Rio, sobre os 48 depósitos fracionados em sua conta. "São os tais R$ 96 mil em depósitos de R$ 2 mil. O valor de R$ 2 mil é o máximo permitido para depósitos em envelope no terminal de autoatendimento da Assembleia Legislativa do Rio. Falaram que os depósitos fracionados eram para fugir do Coaf. R$ 2 mil é o limite que você pode botar no envelope. O que tem de errado nisso?"

Sobre a quebra do sigilo bancário de Flávio, Bolsonaro respondeu: "Se alguém mexe com um filho teu, não interessa se ele está certo ou está errado, você se preocupa.

Sabotagem

Questionado se há casos de sabotagem dentro do governo, o presidente respondeu: "Claro. É uma luta pelo poder. Há sabotagem às vezes de onde você nem imagina". Para ele, culpa do "aparelhamento".

"No Ministério da Defesa, por exemplo, colocamos militares nos postos de comando. Antes, o ministério estava aparelhado por civis. Havia lá uma mulher em cargo de comando que era esposa do 02 do MST. Tinha ex-deputada do PT, gente de esquerda... Pode isso? Mas o aparelhamento mais forte é mesmo no Ministério da Educação."

Bolsonaro admite que errou ao ter nomeado Ricardo Vélez Rodriguez para o Ministério da Educação e "dividiu" a culpa com o escritor Olavo de Carvalho, que havia indicado o agora ex-ministro, que foi substituído por Abraham Weintraub.

"Errei no começo quando indiquei o Ricardo Vélez como ministro. Foi uma indicação do Olavo de Carvalho? Foi, não vou negar. Ele teve interesse, é boa pessoa. Depois liguei para ele: "Olavo, você conhecia o Vélez de onde?". "Ah, de publicações." "Pô, Olavo, você namorou pela internet?", disse a ele.

O presidente também falou de seu partido, o PSL. Bolsonaro disse que a formação da bancada da sigla foi resultado de um "trabalho hercúleo". Para ele, o partido foi "criado" em março do ano passado (quando ele se filiou), apesar da sigla existir desde 1994. "Fomos pegando qualquer um", disse.

"E tem muita gente que entrou e acabou se elegendo com a estratégia que eu adotei na internet", disse o presidente. "Eu falava: 'Clica aqui. Vote em um desses colegas nossos'. Teve muita gente que falou para mim: "Nossa, eu não esperava me eleger".

Para Bolsonaro, esta formação explica a inexperiência de seus colegas de partido. "O pessoal chegou aqui completamente inexperiente, alguns achando que vou resolver o problema no peito e na raça. Não é assim."

Questionado sobre a possibilidade de mudar de partido, Bolsonaro respondeu: "Quando a gente se casa, a gente jura amor eterno. Está respondido?" 


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade