Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Política
Ministério Público denuncia corrupção no governo de Beto Richa

Quarta, 5/9/2018 19:46.
APP Foz/Divulgação

Publicidade

ANA LUIZA ALBUQUERQUE - CURITIBA, PR (FOLHAPRESS)

O MPF (Ministério Público Federal) do Paraná denunciou nesta quarta-feira (5) 11 pessoas pelo suposto envolvimento na prática de corrupção e lavagem de dinheiro durante a administração do ex-governador do Paraná e candidato ao Senado Beto Richa (PSDB). O tucano não foi atingido pela acusação.

Segundo o MPF, a Odebrecht pagou propina para obter favores ilegais relacionados à PPP (Parceria Público Privada) para exploração e duplicação da PR-323, em 2014. Entre os denunciados, está o ex-chefe de gabinete de Richa, Deonilson Roldo.

Perícia da Polícia Federal nos sistemas de contabilidade paralela da empreiteira identificou cinco pagamentos de propina no total de R$ 3,5 milhões, repassados entre os meses de setembro e outubro de 2014. Os endereços de entrega, segundo a perícia, ficavam em São Paulo, em um condomínio ligado à sogra de Jorge Atherino, apontado pelo MPF como operador de Richa.

Ainda que o ex-governador não tenha sido atingido pela denúncia desta quarta-feira, o MPF pediu a continuidade das investigações para apurar a participação de outros envolvidos.

De acordo com a denúncia, executivos da Odebrecht procuraram Roldo para pedir apoio no afastamento de concorrentes interessados na licitação da PR-323. O ex-chefe de gabinete de Richa, então, teria informado que ajudaria a empreiteira em troca de vantagens indevidas para a campanha à reeleição do ex-governador.

O consórcio Rota das Fronteiras, composto por quatro empresas, entre elas a Odebrecht, foi o único a fazer proposta na licitação. O contrato foi assinado em setembro de 2014.

O Ministério Público ressalta que, embora os valores tenham sido solicitados como ajuda para a campanha, o dinheiro foi utilizado como contrapartida da venda da função pública e para o enriquecimento pessoal dos agentes públicos.

JUSTIÇA ELEITORAL

A investigação dos fatos tratados na denúncia tramitava no STJ (Superior Tribunal de Justiça) desde 2016, quando Beto Richa possuía foro privilegiado. Com a renúncia do cargo de governador para concorrer ao Senado, os autos foram remetidos para o juiz Sergio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba.

A defesa do ex-governador recorreu da decisão, alegando que o caso deveria ser tratado pela Justiça Eleitoral, pedido aceito pelo STJ. Em seguida, a Justiça Eleitoral devolveu a investigação para Moro.

A defesa, então, recorreu ao TRE. O juiz federal Luiz Fernando Penteado concedeu liminar para manter a investigação na seara eleitoral. As apurações prosseguiram e foram arquivadas pela Justiça Eleitoral, que devolveu os autos à 13ª Vara Federal de Curitiba.

OUTRO LADO

Em nota, a assessoria de imprensa de Richa diz que as alegações do MPF não têm qualquer sustentação e que a obra de duplicação da PR-323 nunca aconteceu.

"Não houve também qualquer direcionamento em licitação. Tanto é assim que a Corte Especial do STJ decidiu de forma unânime que tal investigação deva ocorrer na Justiça Eleitoral", afirma o texto.

Procurada, a defesa de Jorge Atherino disse que ainda está analisando a denúncia e que, no momento, só pode registrar que seu cliente está à disposição da Justiça.

A reportagem tenta contato com os demais acusados.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
APP Foz/Divulgação

Ministério Público denuncia corrupção no governo de Beto Richa

Publicidade

Quarta, 5/9/2018 19:46.

ANA LUIZA ALBUQUERQUE - CURITIBA, PR (FOLHAPRESS)

O MPF (Ministério Público Federal) do Paraná denunciou nesta quarta-feira (5) 11 pessoas pelo suposto envolvimento na prática de corrupção e lavagem de dinheiro durante a administração do ex-governador do Paraná e candidato ao Senado Beto Richa (PSDB). O tucano não foi atingido pela acusação.

Segundo o MPF, a Odebrecht pagou propina para obter favores ilegais relacionados à PPP (Parceria Público Privada) para exploração e duplicação da PR-323, em 2014. Entre os denunciados, está o ex-chefe de gabinete de Richa, Deonilson Roldo.

Perícia da Polícia Federal nos sistemas de contabilidade paralela da empreiteira identificou cinco pagamentos de propina no total de R$ 3,5 milhões, repassados entre os meses de setembro e outubro de 2014. Os endereços de entrega, segundo a perícia, ficavam em São Paulo, em um condomínio ligado à sogra de Jorge Atherino, apontado pelo MPF como operador de Richa.

Ainda que o ex-governador não tenha sido atingido pela denúncia desta quarta-feira, o MPF pediu a continuidade das investigações para apurar a participação de outros envolvidos.

De acordo com a denúncia, executivos da Odebrecht procuraram Roldo para pedir apoio no afastamento de concorrentes interessados na licitação da PR-323. O ex-chefe de gabinete de Richa, então, teria informado que ajudaria a empreiteira em troca de vantagens indevidas para a campanha à reeleição do ex-governador.

O consórcio Rota das Fronteiras, composto por quatro empresas, entre elas a Odebrecht, foi o único a fazer proposta na licitação. O contrato foi assinado em setembro de 2014.

O Ministério Público ressalta que, embora os valores tenham sido solicitados como ajuda para a campanha, o dinheiro foi utilizado como contrapartida da venda da função pública e para o enriquecimento pessoal dos agentes públicos.

JUSTIÇA ELEITORAL

A investigação dos fatos tratados na denúncia tramitava no STJ (Superior Tribunal de Justiça) desde 2016, quando Beto Richa possuía foro privilegiado. Com a renúncia do cargo de governador para concorrer ao Senado, os autos foram remetidos para o juiz Sergio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba.

A defesa do ex-governador recorreu da decisão, alegando que o caso deveria ser tratado pela Justiça Eleitoral, pedido aceito pelo STJ. Em seguida, a Justiça Eleitoral devolveu a investigação para Moro.

A defesa, então, recorreu ao TRE. O juiz federal Luiz Fernando Penteado concedeu liminar para manter a investigação na seara eleitoral. As apurações prosseguiram e foram arquivadas pela Justiça Eleitoral, que devolveu os autos à 13ª Vara Federal de Curitiba.

OUTRO LADO

Em nota, a assessoria de imprensa de Richa diz que as alegações do MPF não têm qualquer sustentação e que a obra de duplicação da PR-323 nunca aconteceu.

"Não houve também qualquer direcionamento em licitação. Tanto é assim que a Corte Especial do STJ decidiu de forma unânime que tal investigação deva ocorrer na Justiça Eleitoral", afirma o texto.

Procurada, a defesa de Jorge Atherino disse que ainda está analisando a denúncia e que, no momento, só pode registrar que seu cliente está à disposição da Justiça.

A reportagem tenta contato com os demais acusados.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade