Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Política
Vereadores apontam deficiências no projeto do estacionamento rotativo

Opine também!

Terça, 13/3/2018 22:48.
Divulgação PMBC

Publicidade

O projeto que está sendo desenvolvido pelo Executivo sobre o estacionamento rotativo em Balneário Camboriú continua gerando opiniões diversas. A concessão pelo parzo de 15 anos; a falta de gratuidade e a ampliação da zona azul de 1.360 para 2.800 vagas foram alguns dos pontos que mais receberam críticas.

Dois vereadores já se manifestaram sobre as propostas:

Leonardo Piruka (PP): “Existe uma série de problemas na proposta da prefeitura. Ao meu ver, três são os mais graves: A ausência da proposta de nosso mandato, que dispõe que o estacionamento rotativo deva ser gratuito; O aumento absurdo de mais de 100% das vagas que serão exploradas, que antes eram em torno de 1.300 e agora serão de 2.800, com possibilidade de aumento; E o principal e mais imoral, o tempo de concessão. Alguns gestores, como é o caso do Prefeito Fabrício, não conseguem se comunicar com os interesses da cidade e isso é uma infelicidade. A sociedade não consegue mais custear a falta de preparado dos políticos. Basta de mexer no bolso do contribuinte! Uma concessão de um serviço como este, para 15 anos é uma imoralidade, além de dobrar o número de vagas, não se está buscando dar rotatividade e democratizar as vagas, mas privatizar e mercantilizá-las. Um absurdo!”

Nilson Probst (MDB): "Sou favorável ao rotativo, a cidade precisa, está provado que bem ou mal o sistema não funcionava, mas no momento em que se retirou o rotativo, ficou uma situação prejudicial e precisamos sim ter um sistema rotativo. Segundo, nós precisamos ter aqui algo moderno, não podemos ter gente vendendo cartelinha na esquina, gente mal vestida, é uma cidade modelo, uma cidade referência no Brasil. Precisamos ter um modelo moderno e temos várias cidades no Brasil que podem ser copiadas. (...) pelo que estou entendendo, estão dirigindo para uma empresa dizendo “olha nós queremos isso, isso e isso”, eles têm que dizer o que pretendem, qual o modelo...e aí as empresas podem vir e concorrer. Sou totalmente contrário a esse prazo longo de 15 anos. Entendo que deva ser cinco, prorrogável por mais cinco, o que já é bastante longo. O próprio jornal já noticiou isso, que o que estão alegando é que tem que ser pra 15 anos senão a empresa não vai investir. Ora, o mesmo modelo estava sendo proposto por seis meses. Entendo sim que tem que ser cinco anos e se estiver tudo bem, prorrogável por mais cinco, com possibilidade de dizer que queremos aqui um modelo moderno, eficiente e que as empresas possam participar, que a concorrência faça o preço cair lá embaixo e quem ganha é a população de Balneário Camboriú”.

Prefeitura criou canal

A própria prefeitura divulgou um canal para que a comunidade opine sobre o rotativo.Os interessados em participar podem encaminhar suas opiniões para o e-mail [email protected], até o dia 20 de março. Após a data, segundo o município, o estudo final será encaminhado para a apreciação do Tribunal de Contas do Estado.

Quem quiser se manifestar por aqui também pode, deixe sua opinião nos comentários.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
Divulgação PMBC

Vereadores apontam deficiências no projeto do estacionamento rotativo

Opine também!

Publicidade

Terça, 13/3/2018 22:48.

O projeto que está sendo desenvolvido pelo Executivo sobre o estacionamento rotativo em Balneário Camboriú continua gerando opiniões diversas. A concessão pelo parzo de 15 anos; a falta de gratuidade e a ampliação da zona azul de 1.360 para 2.800 vagas foram alguns dos pontos que mais receberam críticas.

Dois vereadores já se manifestaram sobre as propostas:

Leonardo Piruka (PP): “Existe uma série de problemas na proposta da prefeitura. Ao meu ver, três são os mais graves: A ausência da proposta de nosso mandato, que dispõe que o estacionamento rotativo deva ser gratuito; O aumento absurdo de mais de 100% das vagas que serão exploradas, que antes eram em torno de 1.300 e agora serão de 2.800, com possibilidade de aumento; E o principal e mais imoral, o tempo de concessão. Alguns gestores, como é o caso do Prefeito Fabrício, não conseguem se comunicar com os interesses da cidade e isso é uma infelicidade. A sociedade não consegue mais custear a falta de preparado dos políticos. Basta de mexer no bolso do contribuinte! Uma concessão de um serviço como este, para 15 anos é uma imoralidade, além de dobrar o número de vagas, não se está buscando dar rotatividade e democratizar as vagas, mas privatizar e mercantilizá-las. Um absurdo!”

Nilson Probst (MDB): "Sou favorável ao rotativo, a cidade precisa, está provado que bem ou mal o sistema não funcionava, mas no momento em que se retirou o rotativo, ficou uma situação prejudicial e precisamos sim ter um sistema rotativo. Segundo, nós precisamos ter aqui algo moderno, não podemos ter gente vendendo cartelinha na esquina, gente mal vestida, é uma cidade modelo, uma cidade referência no Brasil. Precisamos ter um modelo moderno e temos várias cidades no Brasil que podem ser copiadas. (...) pelo que estou entendendo, estão dirigindo para uma empresa dizendo “olha nós queremos isso, isso e isso”, eles têm que dizer o que pretendem, qual o modelo...e aí as empresas podem vir e concorrer. Sou totalmente contrário a esse prazo longo de 15 anos. Entendo que deva ser cinco, prorrogável por mais cinco, o que já é bastante longo. O próprio jornal já noticiou isso, que o que estão alegando é que tem que ser pra 15 anos senão a empresa não vai investir. Ora, o mesmo modelo estava sendo proposto por seis meses. Entendo sim que tem que ser cinco anos e se estiver tudo bem, prorrogável por mais cinco, com possibilidade de dizer que queremos aqui um modelo moderno, eficiente e que as empresas possam participar, que a concorrência faça o preço cair lá embaixo e quem ganha é a população de Balneário Camboriú”.

Prefeitura criou canal

A própria prefeitura divulgou um canal para que a comunidade opine sobre o rotativo.Os interessados em participar podem encaminhar suas opiniões para o e-mail [email protected], até o dia 20 de março. Após a data, segundo o município, o estudo final será encaminhado para a apreciação do Tribunal de Contas do Estado.

Quem quiser se manifestar por aqui também pode, deixe sua opinião nos comentários.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade