Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Política
Bate-bocas marcaram sessão extraordinária dos vereadores

Só dois dos quatro projetos em pauta foram aprovados

Quarta, 24/1/2018 9:10.
Daniele Sisnandes/Página 3
Vereadores estavam agitados e discutiram bastante entre si

Publicidade

O clima não era bom na sessão legislativa extraordinária convocada para esta terça-feira (23), ainda durante o recesso dos parlamentares.

Do início ao fim houve reclamações e troca de farpas entre vereadores. Até a questão da convocação da própria sessão, feita de forma atabalhoada, gerou conflitos e alegações de pouco tempo para conhecer os projetos.

A sessão era para ter ocorrido na semana passada, porém os vereadores reagiram à convocação às pressas e ao teor da pauta.

O presidente do Legislativo, Roberto Souza Jr., estabeleceu que a partir de agora vai habilitar um grupo no WhatsApp para acionar os vereadores.

A sessão começou pouco depois das 14h e contava com o plenário relativamente cheio para uma tarde de dia útil.

O público, formado na maioria por servidores do município na espera do resultado de projetos referentes a reajustes e gratificações, não venceu a sessão arrastada por discussões e seguidos pronunciamentos e foi deixando o plenário pouco a pouco.

Aprovados

Dos quatro projetos que estavam na pauta da sessão extraordinária, só dois foram aprovados: o que autoriza o Executivo a analisar o projeto da Roda Gigante no Pontal Norte e o reajuste de 6,81% do magistério em atendimento à aplicação do Piso Nacional.

Cemitério

O projeto que cria regras para a administração de cemitérios, permitindo a concessão do atual e a instalação de cemitérios privados teve pedido de adiamento aprovado.

Os vereadores justificaram que o projeto é complexo (tem 93 artigos) e que sequer tiveram tempo de analisá-lo, já que foi protocolado na semana passada.

Também houve bate-boca sobre não possuir parecer da Comissão de Justiça Redação. O vereador Marcelo Achutti alegou que não foi respeitado o regimento interno e pediu o adiamento.

Gratificações

Houve pressão para que o projeto das gratificações para serventes e vigias fosse aprovado. O Sindicato dos Servidores defende a gratificação pois alega que esses agentes já exercem essas atividades, em desvio de função, sem ganhar nada a mais por isso.

Essas gratificações, no valor de R$ 824, seriam fruto de um acordo entre o Sindicato e o Executivo.

O vereador Nilson Probst combateu a falta de especificações do projeto. Ele apontou que faltava definir em lei que o direito às gratificações seria para todos os agentes e merendeiras, caso contrário, poderia ser usado de forma política e discriminatória.

Algumas pessoas no plenário que esperavam a aprovação ficaram indignadas e reagiram, gritando com o parlamentar.

Vereadores protocolaram às pressas emendas modificando o texto, mas ao final o pedido de adiamento foi aprovado.

Leia a opinião sobre o projeto neste link.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Publicidade














Página 3
Daniele Sisnandes/Página 3
Vereadores estavam agitados e discutiram bastante entre si
Vereadores estavam agitados e discutiram bastante entre si

Bate-bocas marcaram sessão extraordinária dos vereadores

Só dois dos quatro projetos em pauta foram aprovados

Publicidade

Quarta, 24/1/2018 9:10.

O clima não era bom na sessão legislativa extraordinária convocada para esta terça-feira (23), ainda durante o recesso dos parlamentares.

Do início ao fim houve reclamações e troca de farpas entre vereadores. Até a questão da convocação da própria sessão, feita de forma atabalhoada, gerou conflitos e alegações de pouco tempo para conhecer os projetos.

A sessão era para ter ocorrido na semana passada, porém os vereadores reagiram à convocação às pressas e ao teor da pauta.

O presidente do Legislativo, Roberto Souza Jr., estabeleceu que a partir de agora vai habilitar um grupo no WhatsApp para acionar os vereadores.

A sessão começou pouco depois das 14h e contava com o plenário relativamente cheio para uma tarde de dia útil.

O público, formado na maioria por servidores do município na espera do resultado de projetos referentes a reajustes e gratificações, não venceu a sessão arrastada por discussões e seguidos pronunciamentos e foi deixando o plenário pouco a pouco.

Aprovados

Dos quatro projetos que estavam na pauta da sessão extraordinária, só dois foram aprovados: o que autoriza o Executivo a analisar o projeto da Roda Gigante no Pontal Norte e o reajuste de 6,81% do magistério em atendimento à aplicação do Piso Nacional.

Cemitério

O projeto que cria regras para a administração de cemitérios, permitindo a concessão do atual e a instalação de cemitérios privados teve pedido de adiamento aprovado.

Os vereadores justificaram que o projeto é complexo (tem 93 artigos) e que sequer tiveram tempo de analisá-lo, já que foi protocolado na semana passada.

Também houve bate-boca sobre não possuir parecer da Comissão de Justiça Redação. O vereador Marcelo Achutti alegou que não foi respeitado o regimento interno e pediu o adiamento.

Gratificações

Houve pressão para que o projeto das gratificações para serventes e vigias fosse aprovado. O Sindicato dos Servidores defende a gratificação pois alega que esses agentes já exercem essas atividades, em desvio de função, sem ganhar nada a mais por isso.

Essas gratificações, no valor de R$ 824, seriam fruto de um acordo entre o Sindicato e o Executivo.

O vereador Nilson Probst combateu a falta de especificações do projeto. Ele apontou que faltava definir em lei que o direito às gratificações seria para todos os agentes e merendeiras, caso contrário, poderia ser usado de forma política e discriminatória.

Algumas pessoas no plenário que esperavam a aprovação ficaram indignadas e reagiram, gritando com o parlamentar.

Vereadores protocolaram às pressas emendas modificando o texto, mas ao final o pedido de adiamento foi aprovado.

Leia a opinião sobre o projeto neste link.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade