Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Fabrício diz que vai repactuar despesas do Hospital Municipal Ruth Cardoso
Waldemar Cezar Neto.
O vice Carlos Humberto e o prefeito Fabrício na primeira coletiva do seu mandato.

Sexta, 3/2/2017 13:43.

Em coletiva concedida à imprensa na manhã desta sexta-feira (3) o prefeito Fabrício Oliveira comentou uma série da assuntos importantes, dentre eles que o município vai repactuar o atendimento a pacientes de outras cidades no Hospital Municipal Ruth Cardoso.

O sistema de saúde do SUS funciona através de regras bem definidas, dentre elas pactos entre municípios para compensar uns aos outros por serviços prestados. No caótico governo Edson Piriquito a administração criteriosa desses pactos deixou de ser feita, onerando Balneário Camboriú.

O prefeito anunciou também que a prefeitura pretende economizar outros R$ 21 milhões neste ano reduzindo pessoal, horas extras e contratos com fornecedores.

Comparativamente ao orçamento previsto em R$ 717 milhões a economia é modesta, cerca de 3%, mas já é um começo no sentido de ter mais recursos disponíveis para infraestrutura e serviços à população.

Outros assuntos tratados pelo prefeito e pelo vice Carlos Humberto Silva -que discretamente o assessorou na entrevista coletiva- foram os seguintes:

Invasões

Os 34 focos de invasões no município serão combatidos, sem trégua, na forma apropriada a cada realidade. Por exemplo, a invasão da Fortaleza (no bairro São Judas) é uma picaretagem imobiliária, um negócio à margem da lei, e não uma favela de famílias sem recursos.

Saúde

O município gasta entre R$ 3,5 e R$ 4 milhões por mês com o Hospital Municipal Ruth Cardoso e grande parte dessa despesa é com pacientes de outras cidades. A repactuação com outros municípios gerará uma economia “expressiva” cujo valor o prefeito preferiu não revelar no momento.

Está em estudo a forma de gestão do hospital, inclusive com a possibilidade de repassar a terceiros.

Sobre o pronto socorro anexo ao hospital, concluído e sem funcionar há três anos, estão estudando uma forma de colocá-lo em atividade.

Varrição das ruas

Hoje está aos cuidados da Emasa que gasta mais do que quando o serviço era terceirizado. Está em estudo a volta ao regime antigo, com uma empresa privada cuidando desse trabalho.

Compur

A Companhia de Urbanização, foco habitual de corrupção e escândalos, deverá se tornar uma agência de fomento.

Plano Diretor

Na reta final, já na Câmara de Vereadores para ser votado, desagrada a diversos setores e o governo estuda a melhor opção para alterações. Uma delas é essas modificações serem propostas por vereadores, na forma de emendas ao projeto original e discutidas em audiência pública.

Retorno à Amfri

Balneário Camboriú voltará a integrar a Associação dos Municípios da Região da Foz do Rio Itajaí. A cidade deixou a Associação durante um dos ataques de falta de bom senso do ex-prefeito Edson Piriquito e com isso perdeu oportunidades como, por exemplo, adquirir de forma colegiada produtos e serviços a preços mais baixos.

Licenças ambientais

O governo Edson Piriquito deixou sem andamento uma série de pedidos de licenças ambientais que serão retomados. Dentre eles o Molhe da Barra Norte; regularização do Canal do Marambaia; Estação de Tratamento de Esgoto e alargamento da praia central.

Gastos com veículos

Cerca de 300 veículos custaram ao município no ano passado, só em manutenção, R$ 4,7 milhões. A ideia é vender parte da frota e implantar uma central de veículos, que seriam compartilhados e chamados pelos servidores públicos que necessitassem como se chama um táxi.

Planta de Valores

A revisão da Planta de Valores que serve de base para o IPTU será feita. Se isso ocorrer, no ano que vem quem paga valores irrisórios passará a pagar mais, corrigindo uma injustiça fiscal histórica.

Imprensa

Provocado por alguns dos presentes, o prefeito disse que a verba de publicidade da prefeitura não será usada para "comprar" elogios de jornalistas. Ele antecipou que está em estudo a criação de uma Secretaria de Comunicação. 

O prefeito também informou que pretende promover regularmente entrevistas coletivas para prestar contas do seu mandato.  
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Fabrício diz que vai repactuar despesas do Hospital Municipal Ruth Cardoso

Waldemar Cezar Neto.
O vice Carlos Humberto e o prefeito Fabrício na primeira coletiva do seu mandato.
O vice Carlos Humberto e o prefeito Fabrício na primeira coletiva do seu mandato.
Sexta, 3/2/2017 13:43.

Em coletiva concedida à imprensa na manhã desta sexta-feira (3) o prefeito Fabrício Oliveira comentou uma série da assuntos importantes, dentre eles que o município vai repactuar o atendimento a pacientes de outras cidades no Hospital Municipal Ruth Cardoso.

O sistema de saúde do SUS funciona através de regras bem definidas, dentre elas pactos entre municípios para compensar uns aos outros por serviços prestados. No caótico governo Edson Piriquito a administração criteriosa desses pactos deixou de ser feita, onerando Balneário Camboriú.

O prefeito anunciou também que a prefeitura pretende economizar outros R$ 21 milhões neste ano reduzindo pessoal, horas extras e contratos com fornecedores.

Comparativamente ao orçamento previsto em R$ 717 milhões a economia é modesta, cerca de 3%, mas já é um começo no sentido de ter mais recursos disponíveis para infraestrutura e serviços à população.

Outros assuntos tratados pelo prefeito e pelo vice Carlos Humberto Silva -que discretamente o assessorou na entrevista coletiva- foram os seguintes:

Invasões

Os 34 focos de invasões no município serão combatidos, sem trégua, na forma apropriada a cada realidade. Por exemplo, a invasão da Fortaleza (no bairro São Judas) é uma picaretagem imobiliária, um negócio à margem da lei, e não uma favela de famílias sem recursos.

Saúde

O município gasta entre R$ 3,5 e R$ 4 milhões por mês com o Hospital Municipal Ruth Cardoso e grande parte dessa despesa é com pacientes de outras cidades. A repactuação com outros municípios gerará uma economia “expressiva” cujo valor o prefeito preferiu não revelar no momento.

Está em estudo a forma de gestão do hospital, inclusive com a possibilidade de repassar a terceiros.

Sobre o pronto socorro anexo ao hospital, concluído e sem funcionar há três anos, estão estudando uma forma de colocá-lo em atividade.

Varrição das ruas

Hoje está aos cuidados da Emasa que gasta mais do que quando o serviço era terceirizado. Está em estudo a volta ao regime antigo, com uma empresa privada cuidando desse trabalho.

Compur

A Companhia de Urbanização, foco habitual de corrupção e escândalos, deverá se tornar uma agência de fomento.

Plano Diretor

Na reta final, já na Câmara de Vereadores para ser votado, desagrada a diversos setores e o governo estuda a melhor opção para alterações. Uma delas é essas modificações serem propostas por vereadores, na forma de emendas ao projeto original e discutidas em audiência pública.

Retorno à Amfri

Balneário Camboriú voltará a integrar a Associação dos Municípios da Região da Foz do Rio Itajaí. A cidade deixou a Associação durante um dos ataques de falta de bom senso do ex-prefeito Edson Piriquito e com isso perdeu oportunidades como, por exemplo, adquirir de forma colegiada produtos e serviços a preços mais baixos.

Licenças ambientais

O governo Edson Piriquito deixou sem andamento uma série de pedidos de licenças ambientais que serão retomados. Dentre eles o Molhe da Barra Norte; regularização do Canal do Marambaia; Estação de Tratamento de Esgoto e alargamento da praia central.

Gastos com veículos

Cerca de 300 veículos custaram ao município no ano passado, só em manutenção, R$ 4,7 milhões. A ideia é vender parte da frota e implantar uma central de veículos, que seriam compartilhados e chamados pelos servidores públicos que necessitassem como se chama um táxi.

Planta de Valores

A revisão da Planta de Valores que serve de base para o IPTU será feita. Se isso ocorrer, no ano que vem quem paga valores irrisórios passará a pagar mais, corrigindo uma injustiça fiscal histórica.

Imprensa

Provocado por alguns dos presentes, o prefeito disse que a verba de publicidade da prefeitura não será usada para "comprar" elogios de jornalistas. Ele antecipou que está em estudo a criação de uma Secretaria de Comunicação. 

O prefeito também informou que pretende promover regularmente entrevistas coletivas para prestar contas do seu mandato.  
 

Publicidade

Publicidade