Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Lançada ofensiva publicitária pelo impeachment de Dilma

Terça, 29/3/2016 5:26.

Uma ofensiva publicitária pelo impeachment da presidente Dilma Rousseff foi lançada hoje, subscrita por 420 entidades empresarias e ONGs. A data é estratégica, o diretório nacional do PMDB vai se reunir hoje para decidir se sai ou não do governo (esta saída, segundo as últimas informações disponíveis, será maciça).

São sete anúncios de rodapés, sequenciais, nos principais jornais do país. A campanha também tem um espaço na internet que mostra quem são os 65 deputados federais que integram a comissão do impeachment e oferece links para pressioná-los através de Facebook, e-mail etc.

Em Santa Catarina aparece o nome de Mauro Mariani (PMDB), mas o PMDB catarinense já decidiu romper com o governo Dilma.

Para acessar o portal do movimento clique aqui

PMDB desembarcará hoje do governo Dilma

O diretório nacional do PMDB anunciará hoje se continuará aliado ou desembarcará do governo Dilma Rousseff. O presidente peemedebista Michel Temer já avisou que o partido sairá da base de apoio e isso pode ocorrer por aclamação.

O PMDB de Santa Catarina, do Espírito Santo, do Rui de Janeiro e do Rio Grande do Sul já anunciaram o rompimento com o governo Dilma, o que não indica nada além do fato de que são oportunistas mais apressados.

A desenvoltura do PMDB para se afastar de um governo sob alegação de que ele é corrupto espanta quando se constata que dois dos principais nomes do partido, Eduardo Cunha e Renan Calheiros, respectivamente presidente da Câmara dos Deputados e do Senado, também são acusados de corrupção e no mesmo pacote que envolve Dilma, Lula e outros petistas.

O próprio Michel Temer, no caso de confirmados os fortes indícios de que sua chapa com Dilma recebeu dinheiro frio para financiamento da campanha, poderá perder o mandato via justiça eleitoral.

O medo do Planalto é que outros partidos que apóiam o governo também desembarquem, sinalizando a inevitabilidade do impeachment. PDT e PP (esse um dos campeões da corrupção nos dias que correm) estariam entre os que dão sinais de que já encheram a barriga e é hora de cuspir no prato.

Esses partidos estão deixando a base de apoio não porque tenham mais ou menos ética do que o PT e sim porque apoiar Dilma está causando enormes prejuízos aos seus candidatos nas eleições municipais que se avizinham.

A reunião decisiva do PMDB está marcada para 15h.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade


Publicidade


Política


Saúde

Evento é especial para mulheres e inscrições estão abertas


Publicidade

Revestimento que já foi sucesso é tendência novamente


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Lançada ofensiva publicitária pelo impeachment de Dilma

Terça, 29/3/2016 5:26.

Uma ofensiva publicitária pelo impeachment da presidente Dilma Rousseff foi lançada hoje, subscrita por 420 entidades empresarias e ONGs. A data é estratégica, o diretório nacional do PMDB vai se reunir hoje para decidir se sai ou não do governo (esta saída, segundo as últimas informações disponíveis, será maciça).

São sete anúncios de rodapés, sequenciais, nos principais jornais do país. A campanha também tem um espaço na internet que mostra quem são os 65 deputados federais que integram a comissão do impeachment e oferece links para pressioná-los através de Facebook, e-mail etc.

Em Santa Catarina aparece o nome de Mauro Mariani (PMDB), mas o PMDB catarinense já decidiu romper com o governo Dilma.

Para acessar o portal do movimento clique aqui

PMDB desembarcará hoje do governo Dilma

O diretório nacional do PMDB anunciará hoje se continuará aliado ou desembarcará do governo Dilma Rousseff. O presidente peemedebista Michel Temer já avisou que o partido sairá da base de apoio e isso pode ocorrer por aclamação.

O PMDB de Santa Catarina, do Espírito Santo, do Rui de Janeiro e do Rio Grande do Sul já anunciaram o rompimento com o governo Dilma, o que não indica nada além do fato de que são oportunistas mais apressados.

A desenvoltura do PMDB para se afastar de um governo sob alegação de que ele é corrupto espanta quando se constata que dois dos principais nomes do partido, Eduardo Cunha e Renan Calheiros, respectivamente presidente da Câmara dos Deputados e do Senado, também são acusados de corrupção e no mesmo pacote que envolve Dilma, Lula e outros petistas.

O próprio Michel Temer, no caso de confirmados os fortes indícios de que sua chapa com Dilma recebeu dinheiro frio para financiamento da campanha, poderá perder o mandato via justiça eleitoral.

O medo do Planalto é que outros partidos que apóiam o governo também desembarquem, sinalizando a inevitabilidade do impeachment. PDT e PP (esse um dos campeões da corrupção nos dias que correm) estariam entre os que dão sinais de que já encheram a barriga e é hora de cuspir no prato.

Esses partidos estão deixando a base de apoio não porque tenham mais ou menos ética do que o PT e sim porque apoiar Dilma está causando enormes prejuízos aos seus candidatos nas eleições municipais que se avizinham.

A reunião decisiva do PMDB está marcada para 15h.

Publicidade

Publicidade