Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Henrique Eduardo Alves, do turismo, é o terceiro ministro de Temer a cair

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Divulgação
O ministro, ao centro, quando recebeu a comitiva que foi tratar do centro de eventos.

Sexta, 17/6/2016 8:24.

No dia seguinte à divulgação da delação premiada do ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado, Henrique Eduardo Alves (PMDB) pediu demissão do Ministério do Turismo e se tornou o terceiro ministro a deixar o governo do presidente em exercício Michel Temer por causa das investigações da Operação Lava Jato.

A queda do ministrol complica um pouco mais a já complicada construção do centro de eventos de Balneário Camboriú que conta com R$ 55 milhões do governo federal para a obra que está em andamento.

Nos 35 dias de gestão interina do peemedebista caíram também Romero Jucá, ex-titular do Planejamento, e Fabiano Silveira, que chefia a pasta da Transparência. Os dois deixaram o governo em razão da divulgação de gravações feitas por Machado que mostravam a discussão sobre medidas para barrar a Lava Jato.

A saída ocorreu a pedido do próprio ministro e ocorreu mais em razão de denúncias que estão por vir do que a delação de Machado em si. Alves era um dos mais próximos auxiliares de Temer. O presidente em exercício também foi vinculado pelo ex-presidente da Transpetro ao esquema de propinas relatado por Machado na subsidiária da Petrobras. Nesta quinta-feira, 16, Temer convocou a imprensa para rebater a citação a seu nome - ele chamou de "irresponsável, leviana, mentirosa e criminosa" as afirmações de Machado e admitiu que o caso pode "embaraçar a atividade governamental".

Em relação a Alves, o ex-presidente da Transpetro disse ter pago a ele R$ 1,55 milhão em propinas através de doações feitas pela empreiteira Queiroz Galvão e pela Galvão Engenharia. Os repasses, segundo ele, foram feitas entre os anos de 2008 e 2014, quando Alves era deputado e chegou a ocupar a cadeira de presidente da Câmara. Ele nega as acusações.

Novas delações

Mas o receio do Planalto é quanto ao conteúdo das delações que ainda não vieram à público, como a do empreiteiro Marcelo Odebrecht, de Léo Pinheiro, da OAS, e a de Fábio Cleto, ex-vice-presidente da Caixa Econômica Federal. A saída foi, nesse sentido, uma medida preventiva do governo, relataram auxiliares do presidente em exercício.

Ela foi acertada na noite de quarta-feira, após Temer e Alves se reunirem no Palácio do Planalto por cerca de 20 minutos. Ali, avaliaram o impacto da situação do ministro para o governo e conversaram sobre a possibilidade de seu pedido de demissão.

Alves já era alvo de assessores de Temer, que vinham recomendando ao presidente em exercício sua demissão como uma antecipação de problemas que a Lava Jato traria a ele a seu governo. A avaliação era a de que sua permanência contrariava a determinação de que, surgindo denúncias, a autoridade atingida deveria deixar a Esplanada. Com a expectativa de novos problemas, Alves telefonou para Temer pouco antes das 16h e anunciou que estava deixando o governo. A saída foi recebida com alívio.

Pedidos

O ex-ministro é, por ora, alvo de dois pedidos de abertura de inquérito na Operação Lava Jato. Um deles, junto com o presidente afastado da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ), com base em trocas de mensagens com o ex-presidente da OAS Léo Pinheiro.

Para o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, os dois peemedebistas atuaram na aprovação de diversos projetos de lei de interesse da OAS na Câmara e cobravam como contrapartida doações que, na verdade, eram recursos ilícitos provenientes de contratos da empreiteira com a Petrobras.

O procurador-geral da República também afirma que Cunha cobrou, por diversas vezes, doações para a campanha de Alves ao governo do Rio Grande do Norte, em 2014. Alves nega irregularidades. No mês passado, Janot pediu para o Supremo Tribunal Federal incluir o nome de Henrique Eduardo Alves no inquérito principal da Lava Jato, que apura a formação de quadrilha da maior parte dos investigados.

Até segunda ordem, quem fica no comando da pasta é o interino Alberto Alves. A Temer, o ex-ministro do Turismo agradeceu a "lealdade, amizade e compromisso de uma longa vida política e partidária" e disse que estará sempre ao lado do presidente em exercício. "Sabendo que sempre estaremos juntos nessa trincheira democrática em busca de uma nação melhor."

Carta de demissão

O agora ex-ministro do Turismo afirmou, em carta de demissão endereçada ao presidente Temer, que deixou o cargo na Esplanada para não "criar constrangimentos ou qualquer dificuldade para o governo".

Henrique Eduardo Alves classificou a gestão interina de Michel Temer como de "salvação nacional". Segundo o agora ex-ministro, o PMDB foi "chamado para tirar o Brasil da crise".

O peemedebista disse estar seguro de que "todas as ilações" envolvendo o seu nome serão esclarecidas. Alves foi citado na delação do ex-presidente da Transpetro Sergio Machado. "Confio nas nossas instituições e no nosso estado democrático de direito Por isso, vou me dedicar a enfrentar as denúncias com serenidade e transparência nas instâncias devidas", afirmou.

(AE)

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Educação

A comunidade de toda região está convidada para opinar


Eleições

Defendo congelar salários e vantagens dos deputados por 10 anos


Eleições

Ele é surdo e por isso conhece as dificuldades enfrentadas por pessoas em situação semelhante 


Eleições

Em entrevista ao Página 3 ele conta que quer ser deputado do empreendedorismo


Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade