Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Votação sobre Elton Garcia encosta vereadores na parede
Márcio Gonçalves
Elton está na berlinda: depende da conivência ou votos pela cassação de seus pares

Quarta, 3/2/2016 9:11.

Depois do Carnaval os vereadores de Balneário Camboriu terão que votar pela absolvição ou cassação do seu colega Elton Garcia (PMDB), acusado pelo Ministério Público de corrupção, peculato, associação criminosa, etc.

A forma como cada vereador votar indicará se ele apoia e encobre corrupção ou não e isso vai refletir não só na sua campanha à reeleição como também na do seu candidato a prefeito.

Em tese, a cassação já teria assegurados cinco dos nove votos necessários, portanto faltariam quatro e todos ligados ao grupo que pretende eleger Fábio Flôr a prefeito.

Cassar o mandato do acusado não soma pontos para a candidatura de Fábio Flôr, porque é obrigação se posicionar contra corruptos, mas a absolvição lançará sobre o grupo político a marca da conivência com a roubalheira do dinheiro público.

Veja quem é quem neste jogo:

Elizeu Pereira (PR) - O pré-candidato a prefeito pelo seu partido é Carlos Humberto Metzner Silva, mas os meios políticos acreditam que irá para o PMDB e apoiará Fábio Flôr. Seu voto no processo de cassação é desconhecido.

Asinil Medeiros (PR)– Situação semelhante, porém teria dito nos bastidores que votará pela cassação.

Roberto Souza Jr. (PMDB)- É do partido do vereador Elton e seu voto é uma incógnita. Seu pré-candidato a prefeito é Fábio Flôr (PP).

Leonardo Piruka (PP) – É o relator do processo contra Elton Garcia. Longe do público ele afirma que votará pela cassação. Seu candidato a prefeito é Fabio Flor.

André Meirinho (PP) – Suplente convocado porque o titular está impedido de votar. Seu histórico pessoal indica que votará pela cassação. Seu candidato a prefeito é Fábio Flôr.

Moacir Schmidt (PSDB) – Preside a comissão processante e seu voto é uma incógnita, embora tenda para a cassação. Seu pré-candidato a prefeito é Pavan, o pai ou o filho.

Ary Souza (PSD) – Suplente convocado pelo impedimento do titular Claudir Maciel. Votará pela cassação. Não tem pré-candidato a prefeito.

Pedro Francez (PSD)–Tende a votar pela cassação. Não tem pré-candidato a prefeito.

Marisa Fernandes (PT) – Votará pela cassação. Não tem pré-candidato a prefeito, talvez seja ela mesma.

Orlando Angiolettti (DEM) – Voto imprevisível. Seu candidato a prefeito é Fábio Flôr.

Zé da Praiana (PMDB) -É suplente e deverá ser chamado só para esta votação. Seu voto é imprevisível e seu candidato a prefeito é Fábio Flôr.

O que levou Elton à beira da cassação do mandato

Quando exercia o cargo de secretário de obras, Elton Garcia foi preso em setembro de 2014, na Operação Trato Feito, que desarticulou uma organização criminosa atuando na prefeitura.

Existem provas cabais de que, dentre outros crimes, ele recebia propinas. Na sua casa foram encontrados vários cheques dados por um fornecedor da prefeitura.

No mesmo dia da prisão, o advogado de Elton, Gelson José Rodrigues, telefonou para o fornecedor que pagou as propinas orientando-o a alegar que os cheques eram pagamento de um terreno e que outras provas deveriam ser eliminadas.

O diálogo foi gravado com autorização da justiça pelo Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (Gaeco).

Todos esses fatos são do conhecimento dos vereadores, o Legislativo tem cópia completa da acusação do Ministério Público, mas persiste o medo do que Elton Garcia possa contar às autoridades em caso de cassação.

Por isso, até agora os vereadores não acusaram Elton Garcia pelos crimes mais cabeludos, tentarão julgá-lo apenas por se apropriar de parte dos salários de funcionários do legislativo.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Votação sobre Elton Garcia encosta vereadores na parede

Márcio Gonçalves
Elton está na berlinda: depende da conivência ou votos pela cassação de seus pares
Elton está na berlinda: depende da conivência ou votos pela cassação de seus pares
Quarta, 3/2/2016 9:11.

Depois do Carnaval os vereadores de Balneário Camboriu terão que votar pela absolvição ou cassação do seu colega Elton Garcia (PMDB), acusado pelo Ministério Público de corrupção, peculato, associação criminosa, etc.

A forma como cada vereador votar indicará se ele apoia e encobre corrupção ou não e isso vai refletir não só na sua campanha à reeleição como também na do seu candidato a prefeito.

Em tese, a cassação já teria assegurados cinco dos nove votos necessários, portanto faltariam quatro e todos ligados ao grupo que pretende eleger Fábio Flôr a prefeito.

Cassar o mandato do acusado não soma pontos para a candidatura de Fábio Flôr, porque é obrigação se posicionar contra corruptos, mas a absolvição lançará sobre o grupo político a marca da conivência com a roubalheira do dinheiro público.

Veja quem é quem neste jogo:

Elizeu Pereira (PR) - O pré-candidato a prefeito pelo seu partido é Carlos Humberto Metzner Silva, mas os meios políticos acreditam que irá para o PMDB e apoiará Fábio Flôr. Seu voto no processo de cassação é desconhecido.

Asinil Medeiros (PR)– Situação semelhante, porém teria dito nos bastidores que votará pela cassação.

Roberto Souza Jr. (PMDB)- É do partido do vereador Elton e seu voto é uma incógnita. Seu pré-candidato a prefeito é Fábio Flôr (PP).

Leonardo Piruka (PP) – É o relator do processo contra Elton Garcia. Longe do público ele afirma que votará pela cassação. Seu candidato a prefeito é Fabio Flor.

André Meirinho (PP) – Suplente convocado porque o titular está impedido de votar. Seu histórico pessoal indica que votará pela cassação. Seu candidato a prefeito é Fábio Flôr.

Moacir Schmidt (PSDB) – Preside a comissão processante e seu voto é uma incógnita, embora tenda para a cassação. Seu pré-candidato a prefeito é Pavan, o pai ou o filho.

Ary Souza (PSD) – Suplente convocado pelo impedimento do titular Claudir Maciel. Votará pela cassação. Não tem pré-candidato a prefeito.

Pedro Francez (PSD)–Tende a votar pela cassação. Não tem pré-candidato a prefeito.

Marisa Fernandes (PT) – Votará pela cassação. Não tem pré-candidato a prefeito, talvez seja ela mesma.

Orlando Angiolettti (DEM) – Voto imprevisível. Seu candidato a prefeito é Fábio Flôr.

Zé da Praiana (PMDB) -É suplente e deverá ser chamado só para esta votação. Seu voto é imprevisível e seu candidato a prefeito é Fábio Flôr.

O que levou Elton à beira da cassação do mandato

Quando exercia o cargo de secretário de obras, Elton Garcia foi preso em setembro de 2014, na Operação Trato Feito, que desarticulou uma organização criminosa atuando na prefeitura.

Existem provas cabais de que, dentre outros crimes, ele recebia propinas. Na sua casa foram encontrados vários cheques dados por um fornecedor da prefeitura.

No mesmo dia da prisão, o advogado de Elton, Gelson José Rodrigues, telefonou para o fornecedor que pagou as propinas orientando-o a alegar que os cheques eram pagamento de um terreno e que outras provas deveriam ser eliminadas.

O diálogo foi gravado com autorização da justiça pelo Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (Gaeco).

Todos esses fatos são do conhecimento dos vereadores, o Legislativo tem cópia completa da acusação do Ministério Público, mas persiste o medo do que Elton Garcia possa contar às autoridades em caso de cassação.

Por isso, até agora os vereadores não acusaram Elton Garcia pelos crimes mais cabeludos, tentarão julgá-lo apenas por se apropriar de parte dos salários de funcionários do legislativo.

Publicidade

Publicidade