Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Após seis anos Probst desengaveta projeto que complica governo Fabrício
Facebook pessoal.
Vereador Probst é quem define o que será ou não votado.

Quarta, 7/12/2016 8:24.

O presidente de Câmara de Vereadores de Balneário Camboriú, Nilson Probst, colocou para votação nesta terça-feira um projeto que tramita desde 2010 e que se for aprovado causará sérios problemas ao futuro prefeito Fabrício Oliveira.

Pelo texto, a arrecadação da Emasa no ano que vem -orçada em R$ 63.118.000,00 que correspondem a cerca de 9% do orçamento geral da cidade que é R$ 717.419.091,22- deixaria de compor o orçamento geral do município o que colocaria a prefeitura em dificuldades porque reduziria a base de cálculo do limite de gastos com pessoal da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

Esse projeto foi proposto pelo vereador Claudir Maciel seis anos atrás. De lá para cá o quadro de pessoal inchou e na maioria dos casos o futuro prefeito não pode demitir os funcionários porque são concursados ou efetuam trabalhos essenciais como limpeza pública.

Quem define o que será ou não votado é o presidente da Câmara Nilson Probst. É espantoso e vergonhoso que ao longo de seis anos ele não tenha colocado o projeto em votação e decida fazê-lo agora, quando faltam 23 dias para o final da legislatura.   

A Câmara de Vereadores atual já deu mostras que quer dificultar o trabalho do futuro prefeito. Na semana passada reprovou um projeto que era benéfico ao município.

São movimentos calculados para pressionar o futuro prefeito a fazer o que alguns grupos desejam, manter o poder para nomear apadrinhados e indicar empresas para fornecer aos cofres públicos.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Geral

 O encontro traz à cidade palestrantes renomados no país. 


Cidade

No Estaleiro e no Estaleirinho as bandeiras seguem hasteadas até a Páscoa


Política

Guru do bolsonarismo afirmou isso no sábado em evento nos Estados Unidos


Cidade

Ele estaria em licença de saúde, mas no filme não parece doente


Publicidade


Geral

Captura além da cota em 2018 é o argumento do governo para impedir a safra de 2019.  


Esportes

Um dos campeões é de Balneário Camboriú


Geral


Cidade

Não iniciou e diretor da segunda colocada na liciitação é acusado na Lava Jato


Publicidade


Justiça

A prisão após a condenação em segunda instância, será avaliada em abril pelo STF.


Política


Geral

Leitores lançam suspeitas sobre procedimento da Caixa


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Após seis anos Probst desengaveta projeto que complica governo Fabrício

Facebook pessoal.
Vereador Probst é quem define o que será ou não votado.
Vereador Probst é quem define o que será ou não votado.
Quarta, 7/12/2016 8:24.

O presidente de Câmara de Vereadores de Balneário Camboriú, Nilson Probst, colocou para votação nesta terça-feira um projeto que tramita desde 2010 e que se for aprovado causará sérios problemas ao futuro prefeito Fabrício Oliveira.

Pelo texto, a arrecadação da Emasa no ano que vem -orçada em R$ 63.118.000,00 que correspondem a cerca de 9% do orçamento geral da cidade que é R$ 717.419.091,22- deixaria de compor o orçamento geral do município o que colocaria a prefeitura em dificuldades porque reduziria a base de cálculo do limite de gastos com pessoal da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

Esse projeto foi proposto pelo vereador Claudir Maciel seis anos atrás. De lá para cá o quadro de pessoal inchou e na maioria dos casos o futuro prefeito não pode demitir os funcionários porque são concursados ou efetuam trabalhos essenciais como limpeza pública.

Quem define o que será ou não votado é o presidente da Câmara Nilson Probst. É espantoso e vergonhoso que ao longo de seis anos ele não tenha colocado o projeto em votação e decida fazê-lo agora, quando faltam 23 dias para o final da legislatura.   

A Câmara de Vereadores atual já deu mostras que quer dificultar o trabalho do futuro prefeito. Na semana passada reprovou um projeto que era benéfico ao município.

São movimentos calculados para pressionar o futuro prefeito a fazer o que alguns grupos desejam, manter o poder para nomear apadrinhados e indicar empresas para fornecer aos cofres públicos.

Publicidade

Publicidade