Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

TCE multa a ex-secretária da SDR Itajaí Eliane Rebello
Davi Spuldaro.
A vereadora Anna Carolina cumpriu o que os eleitores esperam dela, fiscalizar.

Segunda, 11/4/2016 11:51.

O Tribunal de Contas do Estado (TCE) multou Eliane Neves Rebello por irregularidades na época em que ocupou o cargo de secretária de desenvolvimento regional de Itajaí. 

Na ocasião a vereadora Anna Carolina Martins apurou as irregularidades e distribui nota à imprensa detalhando os fatos. O Página 3 veiculou o texto da vereadora e por isso responde a processo na justiça movido por Eliane Neves Rebello.

Com a multa aplicada pelo TCE a vereadora Anna Carolina, a quem cabe fiscalizar os recursos públicos, distribuiu nova nota à imprensa que segue reproduzida abaixo.

Cumprindo seu direito de informar o Página 3 espera dessa vez não ser alvo de novo processo movido pela ex-secretária. 

 A nota da vereadora na íntegra:

Eliane Rebello e engenheiro são multados pelo TCE

Denúncia é uma das que foram feitas pela vereadora Anna Carolina Martins

A ex-secretária de desenvolvimento regional de Itajaí, Eliane Neves Rebello (PSD) e o engenheiro que trabalhava no local, Alex Pressi foram multados na última semana pelo Tribunal de Contas do Estado de Santa Catarina (TCE). A punição foi resultado do processo que investigava ilegalidades na medição final da obra e na liberação irregular do pagamento da reforma realizada na Escola de Educação Básica Prefeito Leopoldo José Guerreiro, no município de Bombinhas. A medição final da obra que autorizava o pagamento foi assinada pelo engenheiro enquanto ele estava detido no presídio da Canhanduba. A denúncia foi feita no final de 2014 pela vereadora de Itajaí Anna Carolina Martins (PSDB). “Vamos encaminhar esta decisão do TCE ao Ministério Público, para que promova a devida ação de improbidade administrativa”, afirma.

O julgamento deste processo no TCE foi realizado no último dia quatro de abril. Os conselheiros consideraram irregular a sexta e última medição da obra e, consequentemente, entenderam que houve irregularidades na liberação do último pagamento, no valor de R$ 54.756,19. Na época, o relatório final da medição, documento indispensável para a liberação dos recursos, foi assinado por Alex Pressi no período em que o engenheiro permanecia detido no presídio da Canhanduba por motivos alheios a esse.

Na decisão do TCE prevê que tanto Eliane quanto Alex terão que pagar multa equivalente a R$ 1.136,52 no prazo de 30 dias. A reforma da EEB Leopoldo José Guerreiro foi contratada pela SDR (hoje ADR) em regime de urgência, ou seja, sem licitação. Os serviços foram executados pela Construtora e Incorporadora Ruiz LTDA, pelo valor total de R$ 592.357,12.

Este julgamento refere-se a apenas um dos processos aceitos pelo TCE contra Eliane Rebello. Ainda este ano deve ocorrer o julgamento da segunda denúncia feita pela vereadora Anna Carolina, que envolve a reforma de outra escola, desta vez no município de Penha.

Segundo processo

Semelhantemente ao que ocorreu em Bombinhas, a ação que ainda deve ser julgada pelo TCE também envolve o pagamento irregular de uma reforma em escola, neste caso, da EEB Edith Prates Gonçalves. O serviço foi realizado pela empresa M.A.V. dos Prazeres. Apesar da recomendação da controladoria interna da antiga SDR Itajaí pela suspensão de qualquer repasse financeiro à empreiteira, Eliane Rebello autorizou o pagamento de R$ 78 mil à empresa.

Na época, diferente do relatório apresentado pela empreiteira, a controladoria constatou que grande parte dos serviços não havia sido concluída e outros trabalhos sequer haviam sido iniciados. Mesmo depois de ter recebido o relatório detalhado da controladoria interna, com fotos que comprovavam a farsa da empresa, a antiga gestora da SDR autorizou o repasse financeiro. Ao todo, a empreiteira recebeu a importância de R$ 309.987,22 pela obra, que também foi contratada sem licitação.

Este último processo ainda precisa ser julgado pelo TCE. Ambos também seguem em análise no Ministério Público (MP).  

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

TCE multa a ex-secretária da SDR Itajaí Eliane Rebello

Davi Spuldaro.
A vereadora Anna Carolina cumpriu o que os eleitores esperam dela, fiscalizar.
A vereadora Anna Carolina cumpriu o que os eleitores esperam dela, fiscalizar.
Segunda, 11/4/2016 11:51.

O Tribunal de Contas do Estado (TCE) multou Eliane Neves Rebello por irregularidades na época em que ocupou o cargo de secretária de desenvolvimento regional de Itajaí. 

Na ocasião a vereadora Anna Carolina Martins apurou as irregularidades e distribui nota à imprensa detalhando os fatos. O Página 3 veiculou o texto da vereadora e por isso responde a processo na justiça movido por Eliane Neves Rebello.

Com a multa aplicada pelo TCE a vereadora Anna Carolina, a quem cabe fiscalizar os recursos públicos, distribuiu nova nota à imprensa que segue reproduzida abaixo.

Cumprindo seu direito de informar o Página 3 espera dessa vez não ser alvo de novo processo movido pela ex-secretária. 

 A nota da vereadora na íntegra:

Eliane Rebello e engenheiro são multados pelo TCE

Denúncia é uma das que foram feitas pela vereadora Anna Carolina Martins

A ex-secretária de desenvolvimento regional de Itajaí, Eliane Neves Rebello (PSD) e o engenheiro que trabalhava no local, Alex Pressi foram multados na última semana pelo Tribunal de Contas do Estado de Santa Catarina (TCE). A punição foi resultado do processo que investigava ilegalidades na medição final da obra e na liberação irregular do pagamento da reforma realizada na Escola de Educação Básica Prefeito Leopoldo José Guerreiro, no município de Bombinhas. A medição final da obra que autorizava o pagamento foi assinada pelo engenheiro enquanto ele estava detido no presídio da Canhanduba. A denúncia foi feita no final de 2014 pela vereadora de Itajaí Anna Carolina Martins (PSDB). “Vamos encaminhar esta decisão do TCE ao Ministério Público, para que promova a devida ação de improbidade administrativa”, afirma.

O julgamento deste processo no TCE foi realizado no último dia quatro de abril. Os conselheiros consideraram irregular a sexta e última medição da obra e, consequentemente, entenderam que houve irregularidades na liberação do último pagamento, no valor de R$ 54.756,19. Na época, o relatório final da medição, documento indispensável para a liberação dos recursos, foi assinado por Alex Pressi no período em que o engenheiro permanecia detido no presídio da Canhanduba por motivos alheios a esse.

Na decisão do TCE prevê que tanto Eliane quanto Alex terão que pagar multa equivalente a R$ 1.136,52 no prazo de 30 dias. A reforma da EEB Leopoldo José Guerreiro foi contratada pela SDR (hoje ADR) em regime de urgência, ou seja, sem licitação. Os serviços foram executados pela Construtora e Incorporadora Ruiz LTDA, pelo valor total de R$ 592.357,12.

Este julgamento refere-se a apenas um dos processos aceitos pelo TCE contra Eliane Rebello. Ainda este ano deve ocorrer o julgamento da segunda denúncia feita pela vereadora Anna Carolina, que envolve a reforma de outra escola, desta vez no município de Penha.

Segundo processo

Semelhantemente ao que ocorreu em Bombinhas, a ação que ainda deve ser julgada pelo TCE também envolve o pagamento irregular de uma reforma em escola, neste caso, da EEB Edith Prates Gonçalves. O serviço foi realizado pela empresa M.A.V. dos Prazeres. Apesar da recomendação da controladoria interna da antiga SDR Itajaí pela suspensão de qualquer repasse financeiro à empreiteira, Eliane Rebello autorizou o pagamento de R$ 78 mil à empresa.

Na época, diferente do relatório apresentado pela empreiteira, a controladoria constatou que grande parte dos serviços não havia sido concluída e outros trabalhos sequer haviam sido iniciados. Mesmo depois de ter recebido o relatório detalhado da controladoria interna, com fotos que comprovavam a farsa da empresa, a antiga gestora da SDR autorizou o repasse financeiro. Ao todo, a empreiteira recebeu a importância de R$ 309.987,22 pela obra, que também foi contratada sem licitação.

Este último processo ainda precisa ser julgado pelo TCE. Ambos também seguem em análise no Ministério Público (MP).  

Publicidade

Publicidade