Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Comissão decide hoje se impeachment prossegue ou é arquivado
Antonio Cruz/AB.
Painéis instalados pelo Vem pra Rua em frente ao Congresso mostram número de parlamentares contrários e favoráveis ao impeachment, assim como de indecisos.

Segunda, 11/4/2016 8:12.

A comissão especial da Câmara dos Deputados que analisa o pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff vota ainda hoje (11) o relatório do deputado Jovair Arantes (PTB-GO), favorável ao impedimento. A previsão é de que às 10h tenha início a reunião, na qual 25 líderes terão a palavra antes de ser encaminhada a votação. Sendo ou não aprovado o parecer, ele será analisado pelo Plenário da Casa.

A expectativa é que no plenário da Câmara o relatório seja lido na primeira sessão após a votação na comissão. Depois de lido, ele será publicado, o que deve ocorrer quarta-feira (13), dando início ao prazo de 48 horas para que seja votado pela plenária. Com isso, as discussões serão iniciadas sexta-feira (15) e a previsão é de que a votação seja concluída no domingo (17).

Na última sexta-feira (8), o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, disse que a discussão tenderá a ser lenta. “O impeachment do Collor foi feito em dois dias. São 513 parlamentares, o que pode resultar em oito horas de votação. Prevejo, no mínimo, três dias de sessão. Não quer dizer que vá acabar no domingo. Pode acabar na segunda. Isso já aconteceu várias vezes na Casa”. 

Placar do impeachment em frente ao Congresso 

Manifestantes do movimento Vem pra Rua fixaram ontem (10) três painéis no gramado em frente ao Congresso Nacional com o presumido placar da votação do impeachment da presidente Dilma Rousseff. O grupo também fixou placas menores no gramado com as fotos dos deputados e a indicação do posicionamento deles em relação ao afastamento.

Pela estimativa do movimento, 286 deputados votarão a favor do impeachment, enquanto 112 estão indecisos e 115 são contrários. São necessários 342 votos para a presidente ser afastada pela Câmara dos Deputados.

O movimento pró-impeachment já fez ações semelhantes em São Paulo e no Rio de Janeiro, quando divulgou nomes de deputados contrários ao afastamento ou indecisos. O estudante e empresário Vinícius Carvalho, 24 anos, participante do Vem pra Rua e do Movimento Brasil (MBR), afirma que, além de pressionar parlamentares, o objetivo é informar a população.

“A ideia é mostrar para a população a quantas estamos de estimativa e também [dar] transparência, conscientizar para as próximas eleições”, afirmou. Carvalho negou que os manifestantes pró-impeachment sejam contrários só ao PT, partido da presidenta, sem protestar contra a corrupção em outros partidos. “Ninguém defende que saia só o PT. A gente é contra a corrupção”, afirmou.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Comissão decide hoje se impeachment prossegue ou é arquivado

Antonio Cruz/AB.
Painéis instalados pelo Vem pra Rua em frente ao Congresso mostram número de parlamentares contrários e favoráveis ao impeachment, assim como de indecisos.
Painéis instalados pelo Vem pra Rua em frente ao Congresso mostram número de parlamentares contrários e favoráveis ao impeachment, assim como de indecisos.
Segunda, 11/4/2016 8:12.

A comissão especial da Câmara dos Deputados que analisa o pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff vota ainda hoje (11) o relatório do deputado Jovair Arantes (PTB-GO), favorável ao impedimento. A previsão é de que às 10h tenha início a reunião, na qual 25 líderes terão a palavra antes de ser encaminhada a votação. Sendo ou não aprovado o parecer, ele será analisado pelo Plenário da Casa.

A expectativa é que no plenário da Câmara o relatório seja lido na primeira sessão após a votação na comissão. Depois de lido, ele será publicado, o que deve ocorrer quarta-feira (13), dando início ao prazo de 48 horas para que seja votado pela plenária. Com isso, as discussões serão iniciadas sexta-feira (15) e a previsão é de que a votação seja concluída no domingo (17).

Na última sexta-feira (8), o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, disse que a discussão tenderá a ser lenta. “O impeachment do Collor foi feito em dois dias. São 513 parlamentares, o que pode resultar em oito horas de votação. Prevejo, no mínimo, três dias de sessão. Não quer dizer que vá acabar no domingo. Pode acabar na segunda. Isso já aconteceu várias vezes na Casa”. 

Placar do impeachment em frente ao Congresso 

Manifestantes do movimento Vem pra Rua fixaram ontem (10) três painéis no gramado em frente ao Congresso Nacional com o presumido placar da votação do impeachment da presidente Dilma Rousseff. O grupo também fixou placas menores no gramado com as fotos dos deputados e a indicação do posicionamento deles em relação ao afastamento.

Pela estimativa do movimento, 286 deputados votarão a favor do impeachment, enquanto 112 estão indecisos e 115 são contrários. São necessários 342 votos para a presidente ser afastada pela Câmara dos Deputados.

O movimento pró-impeachment já fez ações semelhantes em São Paulo e no Rio de Janeiro, quando divulgou nomes de deputados contrários ao afastamento ou indecisos. O estudante e empresário Vinícius Carvalho, 24 anos, participante do Vem pra Rua e do Movimento Brasil (MBR), afirma que, além de pressionar parlamentares, o objetivo é informar a população.

“A ideia é mostrar para a população a quantas estamos de estimativa e também [dar] transparência, conscientizar para as próximas eleições”, afirmou. Carvalho negou que os manifestantes pró-impeachment sejam contrários só ao PT, partido da presidenta, sem protestar contra a corrupção em outros partidos. “Ninguém defende que saia só o PT. A gente é contra a corrupção”, afirmou.

Publicidade

Publicidade