Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Polícia
Coronavírus: Polícia Civil segue fiscalizando estabelecimentos que não fecharam após decreto

Sexta, 20/3/2020 9:29.

Publicidade

A Polícia Civil continua fiscalizando as medidas de restrição do decreto do governo do Estado para frear a Covid-19 em todas as regiões de Santa Catarina, inclusive em Balneário Camboriú, onde a prefeitura precisou também fazer um decreto fechando as praias, já que muitas pessoas insistiam em sair de suas casas.

Uma instrução normativa da Gerência de Fiscalização de Jogos, Diversões e Produtos Controlados prevê ações operacionais e até a possibilidade de fechamento e interdição dos estabelecimentos não essenciais que não respeitarem as determinações do governo para permanecerem fechados.

Os policiais civis vêm fiscalizando principalmente comércios menores, como bares de bairros e similares, que continuam a abrir nestes dias, já que restaurantes e demais comércios não essenciais do centro da cidade, por exemplo, são alvos mais ‘visíveis’ e obedeceram as ordens.

O presidente do Colegiado Superior de Segurança Pública e Perícia Oficial e Delegado Geral da Polícia Civil, Paulo Koerich, explica que estão atuando no monitoramento desses estabelecimentos que estão proibidos de funcionar e buscando evitar aglomerações.

“A vocês homens e mulheres que integram o sistema de segurança pública: Vamos juntos vencer essa guerra contra o coronavírus”, acrescentou, incentivando e agradecendo o apoio das demais forças da segurança.

As ações de fiscalização devem seguir diariamente. Inicialmente está previsto que o fechamento dos comércios será até a próxima semana, mas há grandes chances desse período aumentar, tendo em vista os números de outros países atingidos pelo Coronavírus. Em caso de flagrante de estabelecimentos não essenciais abertos, os policiais irão fechá-los. Se o comerciante relutar, o estabelecimento (ou evento) deve ser imediatamente interditado e os responsáveis identificados – podendo até responder criminalmente.

Se você viu algum estabelecimento não essencial aberto (fora mercados, funerárias, farmácias e distribuidoras de gás, água e energia) denuncie ao 181.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3

Coronavírus: Polícia Civil segue fiscalizando estabelecimentos que não fecharam após decreto

Publicidade

Sexta, 20/3/2020 9:29.

A Polícia Civil continua fiscalizando as medidas de restrição do decreto do governo do Estado para frear a Covid-19 em todas as regiões de Santa Catarina, inclusive em Balneário Camboriú, onde a prefeitura precisou também fazer um decreto fechando as praias, já que muitas pessoas insistiam em sair de suas casas.

Uma instrução normativa da Gerência de Fiscalização de Jogos, Diversões e Produtos Controlados prevê ações operacionais e até a possibilidade de fechamento e interdição dos estabelecimentos não essenciais que não respeitarem as determinações do governo para permanecerem fechados.

Os policiais civis vêm fiscalizando principalmente comércios menores, como bares de bairros e similares, que continuam a abrir nestes dias, já que restaurantes e demais comércios não essenciais do centro da cidade, por exemplo, são alvos mais ‘visíveis’ e obedeceram as ordens.

O presidente do Colegiado Superior de Segurança Pública e Perícia Oficial e Delegado Geral da Polícia Civil, Paulo Koerich, explica que estão atuando no monitoramento desses estabelecimentos que estão proibidos de funcionar e buscando evitar aglomerações.

“A vocês homens e mulheres que integram o sistema de segurança pública: Vamos juntos vencer essa guerra contra o coronavírus”, acrescentou, incentivando e agradecendo o apoio das demais forças da segurança.

As ações de fiscalização devem seguir diariamente. Inicialmente está previsto que o fechamento dos comércios será até a próxima semana, mas há grandes chances desse período aumentar, tendo em vista os números de outros países atingidos pelo Coronavírus. Em caso de flagrante de estabelecimentos não essenciais abertos, os policiais irão fechá-los. Se o comerciante relutar, o estabelecimento (ou evento) deve ser imediatamente interditado e os responsáveis identificados – podendo até responder criminalmente.

Se você viu algum estabelecimento não essencial aberto (fora mercados, funerárias, farmácias e distribuidoras de gás, água e energia) denuncie ao 181.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade