Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Polícia
Procura-se a mulher do Queiroz

Domingo, 21/6/2020 18:14.
Reprodução
Procura-se esta mulher por suspeita de peculato, organização criminosa e lavagem de dinheiro.

Publicidade

Por Pepita Ortega e Fausto Macedo

Preso na manhã de quinta, 18, em uma casa em Atibaia, de propriedade de advogado da família Bolsonaro, o ex-assessor parlamentar Fabrício Queiroz foi o principal alvo da Operação Anjo, a segunda ofensiva do Ministério Público do Rio no caso das ‘rachadinhas’ no gabinete de Flávio Bolsonaro enquanto deputado no Rio. No entanto, atendendo a pedido da Promotoria, o juiz Flávio Nicolau, da 27ª Vara Criminal da Capital, também decretou a prisão preventiva de Márcia Oliveira de Aguiar, mulher de Queiroz, por considerar que ela teve ‘participação fundamental’ nas manobras para embaraçar as investigações de peculato, organização criminosa e lavagem de dinheiro.

Segundo o magistrado, era ‘inequívoco’ que Márcia, em liberdade poderia obstaculizar a apuração dos fatos, além de agir sob as ordens de Queiroz. Em sua decisão, Nicolau escreveu que assim como o ex-assessor parlamentar do filho ’01’ do presidente Jair Bolsonaro, Márcia também estava se escondendo, recebendo auxílio de terceiro e ainda cogitava fugir caso tivesse ciência de que foi decretada sua prisão preventiva.

Márcia não foi encontrada e é considerada pelo MP-RJ como foragida. Desde a manhã de quinta-feira, 18, equipes da Polícia miram endereços ligados a ela. Os investigadores do Rio informaram na sexta-feira, 20, que vão pedir a inclusão de seu nome na lista de Difusão Vermelha da Interpol.

"Pode-se concluir que os requeridos Fabrício José Carlos de Queiroz e Márcia Oliveira de Aguiar forneceram endereços falsos nos autos e suas condutas denotam notória intenção de não se submeterem à Jurisdição Penal, restando evidenciado o risco à futura aplicação da lei penal pelo iminente risco de fuga", escreveram os investigadores na representação para deflagração da operação Anjo.

Foi a partir de Márcia que os investigadores chegaram ao esconderijo do operador financeiro da organização criminosa liderada por Flávio Bolsonaro - mais precisamente a partir do o celular da ex-servidora da Alerj. O aparelho foi apreendido em dezembro do ano passado, na primeira ofensiva do MPR-J no âmbito das investigações de rachadinha. Na ocasião, foram realizadas 24 buscas.

Segundo o MP, a ofensiva inclusive ‘surpreendeu’ Márcia, que segundo mensagens extraídas de seu celular, estava com viagem para São Paulo marcada para o dia 18 de dezembro, data da operação.

No celular de Márcia estavam fotos, enviadas tanto por Queiroz como pelo filho do casal, que retratavam o ex-assessor de Flávio Bolsonaro levando uma ‘vida confortável e ativa’ no imóvel de Fred Wassef, que se autointitula advogado e amigo da família Bolsonaro. Uma das imagens registra o ex-PM comandando churrasco com uma camisa do Vasco, comemorando ao rebaixamento do Cruzeiro, com uma ‘corona com limãozinho’ e presença de ‘amiguinhas bacaninhas’ de seu filho.

Mensagens trocadas entre Queiroz e Márcia em novembro de 2019, um mês antes da primeira ofensiva do MP-RJ, mostraram ainda que o casal estaria obedecendo às instruções de alguém referido apenas como ‘Anjo’. O apelido deu nome à operação realizada na quinta, 18. Segundo os diálogos tal pessoa também manifestou a intenção de esconder toda a família do de Queiroz em São Paulo. Os textos mostram que Márcia inicialmente considerou a ideia ‘exagerada’, mas depois ‘aceitou fugir’ caso ela e Queiroz ‘tivessem a prisão decretada’.

Outros diálogos extraídos do telefone de Márcia mostraram ainda que Queiroz, sua mulher e o advogado Luiz Gustavo Botto Maia, também ligado ao filho mais velho do presidente, teriam orientado a mãe do miliciano Adriano Magalhães da Nóbrega, o Capitão Adriano, a ficar ‘escondida’. Márcia inclusive visitou a casa onde a mãe do chefe do ‘Escritório do Crime’ estava em Minas Gerais.

As relações entre a família de Queiroz e a família de Capitão Adriano vão além. O miliciano teria repassado mais de R$400 mil para as contas do ex-assessor de Flávio Bolsonaro. Além disso, segundo o MP-RJ, participaria de um ‘plano de fuga organizado para toda a família do operador financeiro’. Os investigadores também apontaram que o milicano fazia parte do núcleo executivo do esquema de desvio de salários na Alerj, mesmo grupo do senador Fla´vio Bolsonaro.

Também a partir de mensagens trocadas entre Márcia e Queiroz foi possível que os promotores identificassem indícios de uma suposta ‘influência’ de Queiroz sobre as milícias do Estado. Nos diálogos o ex-assessor parlamentar se compromete a ‘interceder pessoalmente’ junto a milicianos em favor de um homem que pede sua ajuda após receber ameaças de paramilitares no Itanhangá.

Outro objeto apreendido durante as buscas do MP-RJ em dezembro do ano passado, na casa de Márcia, foi uma caderneta com anotações de gastos do ex-assessor de Flávio Bolsonaro com despesas hospitalares e também sobre possíveis contatos com policiais e milicianos, caso fossem presos.

Os registros mostraram que Queiroz recebeu R$ 174 mil em espécie, de origem desconhecida e pagou as despesas do hospital Albert Einstein, onde fez tratamento de um câncer. Já os contatos de ‘Leonardo policia’ e ‘Aroldinho policial federal’ na caderneta levaram aos promotores a pedir à Justiça que encaminhasse o ex-PM para Bangu, e não para o Batalhão Especial Prisional da Polícia Militar do Rio, tendo em vista que os policiais citados ‘poderiam, em tese, facilitar a vida’ de Queiroz no presídio.

Ex-funcionária da Assembleia Legislativa do Rio, Márcia foi uma das assessoras ligadas ao gabinete do filho ’01’ do presidente que mais repassou parte de seus salários à Queiroz. Segundo o MP do Rio, seu marido recebeu R$ 2.039.656,52 de 11 servidores da Alerj.

Márcia teria depositado nas contas de Queiroz R$ 445 mil dos R$ 1,1 milhão que recebeu da Casa Legislativa. O montante transferido fica atrás somente dos repasses feitos pela filha do casal, Nathalia Melo de Queiroz que colocou nas contas do pai R$ 663 mil dos R$ 774 mil que recebeu da Alerj.

Apesar de não representar Queiroz, Fred Wassef, advogado de Flávio Bolsonaro e dono do imóvel onde o ex-PM foi preso, afirmou em abril que a razão dos depósitos dos familiares do ex-assessor parlamentar em sua conta se davam ‘vez que o pai é quem administrava os recursos’.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
Reprodução
Procura-se esta mulher por suspeita de peculato, organização criminosa e lavagem de dinheiro.
Procura-se esta mulher por suspeita de peculato, organização criminosa e lavagem de dinheiro.

Procura-se a mulher do Queiroz

Publicidade

Domingo, 21/6/2020 18:14.

Por Pepita Ortega e Fausto Macedo

Preso na manhã de quinta, 18, em uma casa em Atibaia, de propriedade de advogado da família Bolsonaro, o ex-assessor parlamentar Fabrício Queiroz foi o principal alvo da Operação Anjo, a segunda ofensiva do Ministério Público do Rio no caso das ‘rachadinhas’ no gabinete de Flávio Bolsonaro enquanto deputado no Rio. No entanto, atendendo a pedido da Promotoria, o juiz Flávio Nicolau, da 27ª Vara Criminal da Capital, também decretou a prisão preventiva de Márcia Oliveira de Aguiar, mulher de Queiroz, por considerar que ela teve ‘participação fundamental’ nas manobras para embaraçar as investigações de peculato, organização criminosa e lavagem de dinheiro.

Segundo o magistrado, era ‘inequívoco’ que Márcia, em liberdade poderia obstaculizar a apuração dos fatos, além de agir sob as ordens de Queiroz. Em sua decisão, Nicolau escreveu que assim como o ex-assessor parlamentar do filho ’01’ do presidente Jair Bolsonaro, Márcia também estava se escondendo, recebendo auxílio de terceiro e ainda cogitava fugir caso tivesse ciência de que foi decretada sua prisão preventiva.

Márcia não foi encontrada e é considerada pelo MP-RJ como foragida. Desde a manhã de quinta-feira, 18, equipes da Polícia miram endereços ligados a ela. Os investigadores do Rio informaram na sexta-feira, 20, que vão pedir a inclusão de seu nome na lista de Difusão Vermelha da Interpol.

"Pode-se concluir que os requeridos Fabrício José Carlos de Queiroz e Márcia Oliveira de Aguiar forneceram endereços falsos nos autos e suas condutas denotam notória intenção de não se submeterem à Jurisdição Penal, restando evidenciado o risco à futura aplicação da lei penal pelo iminente risco de fuga", escreveram os investigadores na representação para deflagração da operação Anjo.

Foi a partir de Márcia que os investigadores chegaram ao esconderijo do operador financeiro da organização criminosa liderada por Flávio Bolsonaro - mais precisamente a partir do o celular da ex-servidora da Alerj. O aparelho foi apreendido em dezembro do ano passado, na primeira ofensiva do MPR-J no âmbito das investigações de rachadinha. Na ocasião, foram realizadas 24 buscas.

Segundo o MP, a ofensiva inclusive ‘surpreendeu’ Márcia, que segundo mensagens extraídas de seu celular, estava com viagem para São Paulo marcada para o dia 18 de dezembro, data da operação.

No celular de Márcia estavam fotos, enviadas tanto por Queiroz como pelo filho do casal, que retratavam o ex-assessor de Flávio Bolsonaro levando uma ‘vida confortável e ativa’ no imóvel de Fred Wassef, que se autointitula advogado e amigo da família Bolsonaro. Uma das imagens registra o ex-PM comandando churrasco com uma camisa do Vasco, comemorando ao rebaixamento do Cruzeiro, com uma ‘corona com limãozinho’ e presença de ‘amiguinhas bacaninhas’ de seu filho.

Mensagens trocadas entre Queiroz e Márcia em novembro de 2019, um mês antes da primeira ofensiva do MP-RJ, mostraram ainda que o casal estaria obedecendo às instruções de alguém referido apenas como ‘Anjo’. O apelido deu nome à operação realizada na quinta, 18. Segundo os diálogos tal pessoa também manifestou a intenção de esconder toda a família do de Queiroz em São Paulo. Os textos mostram que Márcia inicialmente considerou a ideia ‘exagerada’, mas depois ‘aceitou fugir’ caso ela e Queiroz ‘tivessem a prisão decretada’.

Outros diálogos extraídos do telefone de Márcia mostraram ainda que Queiroz, sua mulher e o advogado Luiz Gustavo Botto Maia, também ligado ao filho mais velho do presidente, teriam orientado a mãe do miliciano Adriano Magalhães da Nóbrega, o Capitão Adriano, a ficar ‘escondida’. Márcia inclusive visitou a casa onde a mãe do chefe do ‘Escritório do Crime’ estava em Minas Gerais.

As relações entre a família de Queiroz e a família de Capitão Adriano vão além. O miliciano teria repassado mais de R$400 mil para as contas do ex-assessor de Flávio Bolsonaro. Além disso, segundo o MP-RJ, participaria de um ‘plano de fuga organizado para toda a família do operador financeiro’. Os investigadores também apontaram que o milicano fazia parte do núcleo executivo do esquema de desvio de salários na Alerj, mesmo grupo do senador Fla´vio Bolsonaro.

Também a partir de mensagens trocadas entre Márcia e Queiroz foi possível que os promotores identificassem indícios de uma suposta ‘influência’ de Queiroz sobre as milícias do Estado. Nos diálogos o ex-assessor parlamentar se compromete a ‘interceder pessoalmente’ junto a milicianos em favor de um homem que pede sua ajuda após receber ameaças de paramilitares no Itanhangá.

Outro objeto apreendido durante as buscas do MP-RJ em dezembro do ano passado, na casa de Márcia, foi uma caderneta com anotações de gastos do ex-assessor de Flávio Bolsonaro com despesas hospitalares e também sobre possíveis contatos com policiais e milicianos, caso fossem presos.

Os registros mostraram que Queiroz recebeu R$ 174 mil em espécie, de origem desconhecida e pagou as despesas do hospital Albert Einstein, onde fez tratamento de um câncer. Já os contatos de ‘Leonardo policia’ e ‘Aroldinho policial federal’ na caderneta levaram aos promotores a pedir à Justiça que encaminhasse o ex-PM para Bangu, e não para o Batalhão Especial Prisional da Polícia Militar do Rio, tendo em vista que os policiais citados ‘poderiam, em tese, facilitar a vida’ de Queiroz no presídio.

Ex-funcionária da Assembleia Legislativa do Rio, Márcia foi uma das assessoras ligadas ao gabinete do filho ’01’ do presidente que mais repassou parte de seus salários à Queiroz. Segundo o MP do Rio, seu marido recebeu R$ 2.039.656,52 de 11 servidores da Alerj.

Márcia teria depositado nas contas de Queiroz R$ 445 mil dos R$ 1,1 milhão que recebeu da Casa Legislativa. O montante transferido fica atrás somente dos repasses feitos pela filha do casal, Nathalia Melo de Queiroz que colocou nas contas do pai R$ 663 mil dos R$ 774 mil que recebeu da Alerj.

Apesar de não representar Queiroz, Fred Wassef, advogado de Flávio Bolsonaro e dono do imóvel onde o ex-PM foi preso, afirmou em abril que a razão dos depósitos dos familiares do ex-assessor parlamentar em sua conta se davam ‘vez que o pai é quem administrava os recursos’.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade