Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Policia
MP investigará compra de helicóptero supostamente superfaturado
Quinta, 5/9/2019 8:08.

Publicidade

A assessoria de comunicação do Ministério Público em Florianópolis, confirmou ontem à reportagem do Jornal Página 3 que será investigada a denúncia de suposto superfaturamento de um helicóptero doado à Polícia Militar através de um acordo judicial envolvendo prefeitura de Balneário Camboriú e a construção civil da cidade.

Que há irregularidades envolvendo a aeronave não restam dúvidas, o jornal Diário do Litoral mostrou que o helicóptero foi comprado pela Volare Táxi Aéreo por R$ 680 mil e revendido aos construtores poucos dias depois por R$ 8,2 milhões.

Quem indicou o helicóptero a ser comprado, como única opção, foi a 3ª Companhia do Batalhão Aéreo da PM.

O e-mail enviado pela assessoria de comunicação do MP ao Página 3 tem o seguinte teor:

"O Promotor de Justiça Isaac Newton Belota Sabbá Guimarães reitera a lisura do acordo judicial, homologado pelo Judiciário, que culminou com a entrega de um helicóptero para a Polícia Militar em Balneário Camboriú. Mas em razão das notícias veiculadas na imprensa, o Promotor de Justiça instaurou na tarde desta quarta-feira (4/9) procedimento investigatório para apurar se o valor do helicóptero, com todas as suas peculiaridades, corresponde ao valor de mercado.

O Promotor de Justiça já requisitou informações ao comando-geral da Polícia Militar, à empresa Helisul e também irá ouvir os compromissários que adquiriram o aparelho.

Como a prerrogativa legal de investigar os termos do acordo judicial é do próprio Promotor de Justiça e este já está tomando as medidas cabíveis, a Corregedoria-Geral do Ministério Público não vê necessidade de atuação nesse momento."
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Destaques

Susana, atleta da seleção brasileira, sofreu constrangimento domingo


 Balneário Camboriú registrou seis suicídios esse ano



Sexto lugar no ranking das 50 cidades catarinenses que mais abriram empresas em 2019


 Uma restauração histórica de fotos aéreas para o primeiro plano diretor do município


Cidade

Susana, atleta da seleção brasileira, sofreu constrangimento domingo


Cidade

 Balneário Camboriú registrou seis suicídios esse ano


Geral


Economia

Sexto lugar no ranking das 50 cidades catarinenses que mais abriram empresas em 2019


Variedades

 Uma restauração histórica de fotos aéreas para o primeiro plano diretor do município


Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

MP investigará compra de helicóptero supostamente superfaturado

Publicidade

Quinta, 5/9/2019 8:08.

A assessoria de comunicação do Ministério Público em Florianópolis, confirmou ontem à reportagem do Jornal Página 3 que será investigada a denúncia de suposto superfaturamento de um helicóptero doado à Polícia Militar através de um acordo judicial envolvendo prefeitura de Balneário Camboriú e a construção civil da cidade.

Que há irregularidades envolvendo a aeronave não restam dúvidas, o jornal Diário do Litoral mostrou que o helicóptero foi comprado pela Volare Táxi Aéreo por R$ 680 mil e revendido aos construtores poucos dias depois por R$ 8,2 milhões.

Quem indicou o helicóptero a ser comprado, como única opção, foi a 3ª Companhia do Batalhão Aéreo da PM.

O e-mail enviado pela assessoria de comunicação do MP ao Página 3 tem o seguinte teor:

"O Promotor de Justiça Isaac Newton Belota Sabbá Guimarães reitera a lisura do acordo judicial, homologado pelo Judiciário, que culminou com a entrega de um helicóptero para a Polícia Militar em Balneário Camboriú. Mas em razão das notícias veiculadas na imprensa, o Promotor de Justiça instaurou na tarde desta quarta-feira (4/9) procedimento investigatório para apurar se o valor do helicóptero, com todas as suas peculiaridades, corresponde ao valor de mercado.

O Promotor de Justiça já requisitou informações ao comando-geral da Polícia Militar, à empresa Helisul e também irá ouvir os compromissários que adquiriram o aparelho.

Como a prerrogativa legal de investigar os termos do acordo judicial é do próprio Promotor de Justiça e este já está tomando as medidas cabíveis, a Corregedoria-Geral do Ministério Público não vê necessidade de atuação nesse momento."
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Destaques

Susana, atleta da seleção brasileira, sofreu constrangimento domingo


 Balneário Camboriú registrou seis suicídios esse ano



Sexto lugar no ranking das 50 cidades catarinenses que mais abriram empresas em 2019


 Uma restauração histórica de fotos aéreas para o primeiro plano diretor do município