Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Policia
PF vai ouvir candidata que acusa ministro de tê-la chamado para ser laranja

Quinta, 7/3/2019 17:02.
EBC.

Publicidade

CAMILA MATTOSO E RANIER BRAGON
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A Polícia Federal vai ouvir nos próximos dias Zuleide Oliveira, candidata do PSL que acusa o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, de tê-la chamado para ser candidata-laranja nas últimas eleições com objetivo de desviar dinheiro do fundo eleitoral do partido do presidente Jair Bolsonaro.

A PF abriu inquérito no dia 27 de fevereiro em Minas para investigar as candidaturas do PSL. O caso foi revelado pela Folha de S.Paulo, levou à queda de Gustavo Bebianno da Secretaria-Geral da Presidência e deixou o ministro do Turismo em situação delicada.
Polícia Federal e Ministério Público de Minas investigam o esquema. Promotores entregaram à polícia depoimentos de pessoas ouvidas sobre o caso, além de documentos.

Em reportagem publicada nesta quinta (7), Zuleide diz à Folha de S.Paulo que esteve com Álvaro Antônio no dia 11 de setembro em Belo Horizonte, em seu escritório político para discutir sua candidatura.

"Ele [ministro] disse pra mim assim: 'Então a gente vai fazer o seguinte: você assina a documentação, que essa documentação é pra vir o fundo partidário pra você. (...) Para o repasse ser feito, você tem que assinar essa documentação. E eu repasso a você R$ 60 mil, e você tem que repassar pra gente R$ 45 mil. Você vai ficar com R$ 15 mil para sua campanha. E o material é tudo por nossa conta, é R$ 80 mil em materiais'", afirmou a integrante do PSL, que foi candidata a deputada estadual.

Ela é a primeira a implicar diretamente o hoje ministro no esquema de desvio de dinheiro público por meio de laranjas. Álvaro Antônio deve ser ouvido também pela PF.

Como a Folha de S.Paulo mostrou em reportagens publicadas desde 4 de fevereiro, um grupo de quatro candidatas do partido recebeu R$ 279 mil, tendo tido votação ínfima. Parte desse dinheiro voltou para empresas de pessoas ligadas ao gabinete do hoje ministro.

A reportagem teve acesso a emails e mensagens de áudio trocados por Zuleide com cinco dirigentes do PSL mineiro, comandado à época por Álvaro Antônio, incluindo um recado escrito por Rodrigo Brito, então assessor parlamentar do ministro, com o endereço do escritório do político em Belo Horizonte.

"Marcelo ofereceu um monte de coisa", diz Zuleide, afirmando que o hoje ministro prometeu que ela ganharia uma vaga na Funai ou na secretaria de Saúde da região. Ela mora em Santa Rita de Caldas, a cerca de 50 km de Poços de Caldas, no sul do estado.

Zuleide acabou tendo o pedido de registro de candidatura indeferido pela Justiça Eleitoral devido a uma condenação em 2016, transitada em julgado, por uma briga com outra mulher. Ela enviou a sentença ao PSL de Minas por email no final de agosto.

"Eles já sabiam que não ia dar em nada [a candidatura, por ser ficha suja]. Hoje eu sei que eles sabiam que não iam aparecer meus votos, que eu não ia conseguir concorrer às eleições porque eu estava com os direitos políticos suspensos. Eles sabiam de tudo isso. Ele quis falar para mim que não ia dar em nada [a condenação não seria problema] pra mim poder preencher a chapa".

OUTRO LADO

Em nota, Álvaro Antônio afirmou não se lembrar de encontros específicos com Zuleide e nega que tenha feito oferta de valores do fundo ou pedido de devolução de dinheiro a ela.

"Em setembro, Marcelo Álvaro Antônio recebeu diversos pré-candidatos e eleitores na sede do PSL. Ele não se lembra ter se reunido especificamente com a sra, Zuleide. O ministro jamais ofereceu ou pediu a devolução de qualquer valor, seja do fundo eleitoral ou de qualquer outra fonte, à sra. Zuleide."

O ministro também afirma que jamais indicou profissionais para qualquer candidatura.

Disse ainda que o PSL forneceu material de campanha aos seus candidatos e que "as despesas do partido foram devidamente declaradas à Justiça Eleitoral na prestação de contas", não especificando se de forma individual ou coletiva. "O partido respeitou a impugnação declarada pela Justiça Eleitoral da candidatura da sra. Zuleide." 


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

PF vai ouvir candidata que acusa ministro de tê-la chamado para ser laranja

EBC.

Publicidade

Quinta, 7/3/2019 17:02.

CAMILA MATTOSO E RANIER BRAGON
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A Polícia Federal vai ouvir nos próximos dias Zuleide Oliveira, candidata do PSL que acusa o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, de tê-la chamado para ser candidata-laranja nas últimas eleições com objetivo de desviar dinheiro do fundo eleitoral do partido do presidente Jair Bolsonaro.

A PF abriu inquérito no dia 27 de fevereiro em Minas para investigar as candidaturas do PSL. O caso foi revelado pela Folha de S.Paulo, levou à queda de Gustavo Bebianno da Secretaria-Geral da Presidência e deixou o ministro do Turismo em situação delicada.
Polícia Federal e Ministério Público de Minas investigam o esquema. Promotores entregaram à polícia depoimentos de pessoas ouvidas sobre o caso, além de documentos.

Em reportagem publicada nesta quinta (7), Zuleide diz à Folha de S.Paulo que esteve com Álvaro Antônio no dia 11 de setembro em Belo Horizonte, em seu escritório político para discutir sua candidatura.

"Ele [ministro] disse pra mim assim: 'Então a gente vai fazer o seguinte: você assina a documentação, que essa documentação é pra vir o fundo partidário pra você. (...) Para o repasse ser feito, você tem que assinar essa documentação. E eu repasso a você R$ 60 mil, e você tem que repassar pra gente R$ 45 mil. Você vai ficar com R$ 15 mil para sua campanha. E o material é tudo por nossa conta, é R$ 80 mil em materiais'", afirmou a integrante do PSL, que foi candidata a deputada estadual.

Ela é a primeira a implicar diretamente o hoje ministro no esquema de desvio de dinheiro público por meio de laranjas. Álvaro Antônio deve ser ouvido também pela PF.

Como a Folha de S.Paulo mostrou em reportagens publicadas desde 4 de fevereiro, um grupo de quatro candidatas do partido recebeu R$ 279 mil, tendo tido votação ínfima. Parte desse dinheiro voltou para empresas de pessoas ligadas ao gabinete do hoje ministro.

A reportagem teve acesso a emails e mensagens de áudio trocados por Zuleide com cinco dirigentes do PSL mineiro, comandado à época por Álvaro Antônio, incluindo um recado escrito por Rodrigo Brito, então assessor parlamentar do ministro, com o endereço do escritório do político em Belo Horizonte.

"Marcelo ofereceu um monte de coisa", diz Zuleide, afirmando que o hoje ministro prometeu que ela ganharia uma vaga na Funai ou na secretaria de Saúde da região. Ela mora em Santa Rita de Caldas, a cerca de 50 km de Poços de Caldas, no sul do estado.

Zuleide acabou tendo o pedido de registro de candidatura indeferido pela Justiça Eleitoral devido a uma condenação em 2016, transitada em julgado, por uma briga com outra mulher. Ela enviou a sentença ao PSL de Minas por email no final de agosto.

"Eles já sabiam que não ia dar em nada [a candidatura, por ser ficha suja]. Hoje eu sei que eles sabiam que não iam aparecer meus votos, que eu não ia conseguir concorrer às eleições porque eu estava com os direitos políticos suspensos. Eles sabiam de tudo isso. Ele quis falar para mim que não ia dar em nada [a condenação não seria problema] pra mim poder preencher a chapa".

OUTRO LADO

Em nota, Álvaro Antônio afirmou não se lembrar de encontros específicos com Zuleide e nega que tenha feito oferta de valores do fundo ou pedido de devolução de dinheiro a ela.

"Em setembro, Marcelo Álvaro Antônio recebeu diversos pré-candidatos e eleitores na sede do PSL. Ele não se lembra ter se reunido especificamente com a sra, Zuleide. O ministro jamais ofereceu ou pediu a devolução de qualquer valor, seja do fundo eleitoral ou de qualquer outra fonte, à sra. Zuleide."

O ministro também afirma que jamais indicou profissionais para qualquer candidatura.

Disse ainda que o PSL forneceu material de campanha aos seus candidatos e que "as despesas do partido foram devidamente declaradas à Justiça Eleitoral na prestação de contas", não especificando se de forma individual ou coletiva. "O partido respeitou a impugnação declarada pela Justiça Eleitoral da candidatura da sra. Zuleide." 


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade