Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Discussão por causa de troco em balas terminou em morte
Reprodução
Carlos Schmidt

Sexta, 22/3/2019 11:33.

Um homem de 43 anos, que estava armado em uma conveniência na Rua 3.700, foi morto por um policial militar de folga, na madrugada desta sexta-feira (22). Ele teria tentado sacar uma arma e o PM revidou. Tudo teria acontecido porque ele não gostou de receber o troco de uma cerveja em balas.

Segundo a Polícia Militar, o policial, que não foi identificado, estava de folga e frequentando a conveniência. Ele informou que o outro envolvido, Carlos Schmidt, parecia estar com uma arma na cintura, o que foi confirmado depois. O PM teria tentado ligar para o 190, mas não conseguiu contato com a central, continuando a monitorar o homem.

Carlos teria tentado comprar uma cerveja em litro, e foi informado pelo caixa que não seria possível. Ele então tentou comprar uma lata da bebida, mas errou a senha do cartão. Ao fazer o pagamento em dinheiro, o funcionário da conveniência disse não ter troco, e ofereceu balas para o cliente, que teria ficado ‘extremamente irritado, causando tumulto’.

Em determinando momento, o homem saiu do estabelecimento e foi até seu carro, e teria voltado para o comércio ameaçando o caixa. Foi então que o policial se aproximou de Carlos e o segurou pelo braço, pois ele teria ameaçado sacar a arma.

Mesmo contido, Carlos conseguiu sacar o revólver (marca Taurus, com seis balas e a numeração raspada) e então o policial atirou contra ele, com uma pistola.

No relato da Polícia Militar sobre o caso, encaminhado ao Página 3 pelo Comandante do 12º Batalhão de Polícia Militar (BPM) de Balneário Camboriú, Tenente-Coronel Alexandre Coelho, a informação diz que o policial ‘efetuou um disparo com sua pistola para cessar o perigo iminente’.

O SAMU foi até a conveniência, mas Carlos morreu no local, que foi isolado pelo Instituto Geral de Perícias. O policial foi encaminhado à delegacia, mas o caso foi considerado legítima defesa. Ele prestou depoimento e foi liberado.

Segundo informações, Carlos trabalhava com compra e venda de carros, morava em Balneário Camboriú com a filha e sua esposa faleceu há alguns meses.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Discussão por causa de troco em balas terminou em morte

Reprodução
Carlos Schmidt
Carlos Schmidt

Publicidade

Sexta, 22/3/2019 11:33.

Um homem de 43 anos, que estava armado em uma conveniência na Rua 3.700, foi morto por um policial militar de folga, na madrugada desta sexta-feira (22). Ele teria tentado sacar uma arma e o PM revidou. Tudo teria acontecido porque ele não gostou de receber o troco de uma cerveja em balas.

Segundo a Polícia Militar, o policial, que não foi identificado, estava de folga e frequentando a conveniência. Ele informou que o outro envolvido, Carlos Schmidt, parecia estar com uma arma na cintura, o que foi confirmado depois. O PM teria tentado ligar para o 190, mas não conseguiu contato com a central, continuando a monitorar o homem.

Carlos teria tentado comprar uma cerveja em litro, e foi informado pelo caixa que não seria possível. Ele então tentou comprar uma lata da bebida, mas errou a senha do cartão. Ao fazer o pagamento em dinheiro, o funcionário da conveniência disse não ter troco, e ofereceu balas para o cliente, que teria ficado ‘extremamente irritado, causando tumulto’.

Em determinando momento, o homem saiu do estabelecimento e foi até seu carro, e teria voltado para o comércio ameaçando o caixa. Foi então que o policial se aproximou de Carlos e o segurou pelo braço, pois ele teria ameaçado sacar a arma.

Mesmo contido, Carlos conseguiu sacar o revólver (marca Taurus, com seis balas e a numeração raspada) e então o policial atirou contra ele, com uma pistola.

No relato da Polícia Militar sobre o caso, encaminhado ao Página 3 pelo Comandante do 12º Batalhão de Polícia Militar (BPM) de Balneário Camboriú, Tenente-Coronel Alexandre Coelho, a informação diz que o policial ‘efetuou um disparo com sua pistola para cessar o perigo iminente’.

O SAMU foi até a conveniência, mas Carlos morreu no local, que foi isolado pelo Instituto Geral de Perícias. O policial foi encaminhado à delegacia, mas o caso foi considerado legítima defesa. Ele prestou depoimento e foi liberado.

Segundo informações, Carlos trabalhava com compra e venda de carros, morava em Balneário Camboriú com a filha e sua esposa faleceu há alguns meses.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade