Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Polícias Civil e Militar alertam para golpe contra comerciantes e donos de restaurantes

Quarta, 29/5/2019 9:32.

Um golpe está sendo aplicado por pessoas que se identificam como funcionários da 4ª Vara Federal, de Itajaí, dizendo que o comerciante está com dívida de energia elétrica, pedindo para quitar o débito imediatamente. Em Balneário Camboriú, pelo menos três casos foram registrados. Um leitor do Página 3, que é dono de restaurante, relatou o fato.

Para ele, o golpista disse que o débito seria de R$ 2 mil. Outra vítima, dona de uma padaria, informou que pediram R$ 5 mil para quitar a dívida falsa. O contato é telefônico e eles informam um número para tirar dúvidas (0800-8782890).

O delegado Artur Nitz explica que isso tudo faz parte do enredo para enganar as vítimas.

“Tivemos três registros de casos, os comerciantes atendem o telefone, o golpista diz ser da Federal e explica que o comércio possui dívida de luz e que o depósito deve ser feito naquele dia sob pena da energia ser cortada”, diz.

Na região, nenhuma das vítimas efetuou o pagamento. Todos procuraram a polícia, pois suspeitaram da ação.

“Mas há pessoas que podem agir por impulso, preocupadas em ficar sem energia elétrica. Esses bandidos estão tentando pegar justamente comerciantes que precisam de energia para refrigerar produtos, etc. Eles estão se aproveitando também de horários de maior movimento e inclusive de fim de semana”, salienta.

Nitz aconselha que em casos do tipo, a vítima ligue, procure a Celesc e confirme se a dívida realmente existe, já que o órgão não possui o hábito de ligar para realizar cobranças.

“E também é imprescindível registrar um boletim de ocorrência”, acrescenta.

O policial militar Denício Rosa conta que a PM não registrou nenhuma ocorrência do tipo, mas que estava sabendo da situação. Ele salienta que nesses casos cabe frisar que nenhuma instituição faz cobrança via telefone ou exige pagamento.

“Caso você receba alguma ligação de alguém se passando por instituição e tentando cobrar algo, faça contato direto com a instituição. Prefira ir pessoalmente até o órgão e tire suas dúvidas. A Celesc não cobra ninguém por telefone. Normalmente eles enviam uma carta solicitando que o usuário compareça até a uma agência para resolver o que for preciso”, completa. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Polícias Civil e Militar alertam para golpe contra comerciantes e donos de restaurantes

Publicidade

Quarta, 29/5/2019 9:32.

Um golpe está sendo aplicado por pessoas que se identificam como funcionários da 4ª Vara Federal, de Itajaí, dizendo que o comerciante está com dívida de energia elétrica, pedindo para quitar o débito imediatamente. Em Balneário Camboriú, pelo menos três casos foram registrados. Um leitor do Página 3, que é dono de restaurante, relatou o fato.

Para ele, o golpista disse que o débito seria de R$ 2 mil. Outra vítima, dona de uma padaria, informou que pediram R$ 5 mil para quitar a dívida falsa. O contato é telefônico e eles informam um número para tirar dúvidas (0800-8782890).

O delegado Artur Nitz explica que isso tudo faz parte do enredo para enganar as vítimas.

“Tivemos três registros de casos, os comerciantes atendem o telefone, o golpista diz ser da Federal e explica que o comércio possui dívida de luz e que o depósito deve ser feito naquele dia sob pena da energia ser cortada”, diz.

Na região, nenhuma das vítimas efetuou o pagamento. Todos procuraram a polícia, pois suspeitaram da ação.

“Mas há pessoas que podem agir por impulso, preocupadas em ficar sem energia elétrica. Esses bandidos estão tentando pegar justamente comerciantes que precisam de energia para refrigerar produtos, etc. Eles estão se aproveitando também de horários de maior movimento e inclusive de fim de semana”, salienta.

Nitz aconselha que em casos do tipo, a vítima ligue, procure a Celesc e confirme se a dívida realmente existe, já que o órgão não possui o hábito de ligar para realizar cobranças.

“E também é imprescindível registrar um boletim de ocorrência”, acrescenta.

O policial militar Denício Rosa conta que a PM não registrou nenhuma ocorrência do tipo, mas que estava sabendo da situação. Ele salienta que nesses casos cabe frisar que nenhuma instituição faz cobrança via telefone ou exige pagamento.

“Caso você receba alguma ligação de alguém se passando por instituição e tentando cobrar algo, faça contato direto com a instituição. Prefira ir pessoalmente até o órgão e tire suas dúvidas. A Celesc não cobra ninguém por telefone. Normalmente eles enviam uma carta solicitando que o usuário compareça até a uma agência para resolver o que for preciso”, completa. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade