Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Comunidade denuncia ‘baderna’ em bar na Quarta Avenida
Divulgação
O bar que os moradores denunciam

Quarta, 12/6/2019 9:25.

O Página 3 recebeu na manhã de hoje (12) denúncia sobre o bar 4ª Avenida Lounge Bar, que fica na rua 2.970, esquina com a Quarta Avenida. Segundo vizinhos, o local funciona todos os dias até ‘quatro ou cinco da manhã’. Já teria acontecido confusão e brigas por lá, além de denúncias de tráfico de drogas. A PM disse estar ciente e inclusive já atendeu ocorrências no local.

Na denúncia, é relatado que o local abriu há cerca de três meses e que desde então a vida dos moradores do região virou um ‘verdadeiro inferno’, pois todas as noites e madrugadas há pessoas gritando e fazendo festa.

“Se chamamos a atenção nos xingam ou ameaçam, fica aquela batucada de portas (entra e sai), ficam acelerando as motos até cortar o giro, saem com som no último volume, cantam pneu, mijam na frente das nossas casas, deixam lixo pela rua toda (garrafas, latinhas jogadas, bituca..), já foi presenciada por moradores a venda de entorpecentes nas proximidades deste bar. Uma total falta de respeito com os moradores/trabalhadores, que precisam descansar pra acordar cedo e trabalhar (pagar as contas)”, escreveu o denunciante.

Um episódio aconteceu no último sábado (8), por volta das 3h30. Segundo consta na denúncia, uma ‘briga muito feia’ foi registrada e teria acontecido até mesmo disparo de arma de fogo.

“Briga de garrafa quebrada (o chão e as paredes ficaram cheias de sangue). Falaram também que um dos seguranças que trabalha neste bar é policial. A Polícia Militar foi chamada, mas após a chegada de apenas dois policiais, os mesmos se viram em apuros e pediram reforços. Somente com o reforço e muito gás conseguiram acalmar a situação”, relatou o morador. No domingo (9) o bar abriu, mas somente para funcionários limparem o local.

O Comandante do 12º Batalhão de Polícia Militar (BPM) de Balneário Camboriú, tenente-coronel Alexandre Coelho se posicionou sobre o fato em um grupo na rede social WhatsApp, onde o caso estava sendo discutido. Ele disse que com relação ao horário de funcionamento do bar ‘não há muito o que fazer’.

“Estamos tentando junto com o Comitê Integrado de Segurança montar uma lei para disciplinar os horários, mas já sentimos resistências e na verdade existe já uma corrente de fazer uma que torne BC 24 horas”, disse.

O Comandante citou ainda que há inúmeros bares e casas particulares que no período noturno e principalmente finais de semana infringem a lei, perturbando o sossego alheio.

“São dezenas de chamados que temos que atender, prejudicando nosso serviço direcionado a crimes maiores. Vejo que é a "comunidade atrapalhando a comunidade" tirando, com suas atitudes, a PM de sua função principal”, salientou.

Sobre a denúncia, o Comandante disse que atuam quando são chamados, e que antes de um fato como a briga ocorrida no sábado não há o que fazer, já que conversas em tons altos e bate portas não são necessariamente crimes.

“E não temos como destinar uma guarnição para ficar a noite e a madrugada inteira no local para prevenir as saídas ruidosas. Iremos fazer algumas ações de prevenção no local, dentro de nossas possibilidades operacionais”, completou.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Comunidade denuncia ‘baderna’ em bar na Quarta Avenida

Divulgação
O bar que os moradores denunciam
O bar que os moradores denunciam

Publicidade

Quarta, 12/6/2019 9:25.

O Página 3 recebeu na manhã de hoje (12) denúncia sobre o bar 4ª Avenida Lounge Bar, que fica na rua 2.970, esquina com a Quarta Avenida. Segundo vizinhos, o local funciona todos os dias até ‘quatro ou cinco da manhã’. Já teria acontecido confusão e brigas por lá, além de denúncias de tráfico de drogas. A PM disse estar ciente e inclusive já atendeu ocorrências no local.

Na denúncia, é relatado que o local abriu há cerca de três meses e que desde então a vida dos moradores do região virou um ‘verdadeiro inferno’, pois todas as noites e madrugadas há pessoas gritando e fazendo festa.

“Se chamamos a atenção nos xingam ou ameaçam, fica aquela batucada de portas (entra e sai), ficam acelerando as motos até cortar o giro, saem com som no último volume, cantam pneu, mijam na frente das nossas casas, deixam lixo pela rua toda (garrafas, latinhas jogadas, bituca..), já foi presenciada por moradores a venda de entorpecentes nas proximidades deste bar. Uma total falta de respeito com os moradores/trabalhadores, que precisam descansar pra acordar cedo e trabalhar (pagar as contas)”, escreveu o denunciante.

Um episódio aconteceu no último sábado (8), por volta das 3h30. Segundo consta na denúncia, uma ‘briga muito feia’ foi registrada e teria acontecido até mesmo disparo de arma de fogo.

“Briga de garrafa quebrada (o chão e as paredes ficaram cheias de sangue). Falaram também que um dos seguranças que trabalha neste bar é policial. A Polícia Militar foi chamada, mas após a chegada de apenas dois policiais, os mesmos se viram em apuros e pediram reforços. Somente com o reforço e muito gás conseguiram acalmar a situação”, relatou o morador. No domingo (9) o bar abriu, mas somente para funcionários limparem o local.

O Comandante do 12º Batalhão de Polícia Militar (BPM) de Balneário Camboriú, tenente-coronel Alexandre Coelho se posicionou sobre o fato em um grupo na rede social WhatsApp, onde o caso estava sendo discutido. Ele disse que com relação ao horário de funcionamento do bar ‘não há muito o que fazer’.

“Estamos tentando junto com o Comitê Integrado de Segurança montar uma lei para disciplinar os horários, mas já sentimos resistências e na verdade existe já uma corrente de fazer uma que torne BC 24 horas”, disse.

O Comandante citou ainda que há inúmeros bares e casas particulares que no período noturno e principalmente finais de semana infringem a lei, perturbando o sossego alheio.

“São dezenas de chamados que temos que atender, prejudicando nosso serviço direcionado a crimes maiores. Vejo que é a "comunidade atrapalhando a comunidade" tirando, com suas atitudes, a PM de sua função principal”, salientou.

Sobre a denúncia, o Comandante disse que atuam quando são chamados, e que antes de um fato como a briga ocorrida no sábado não há o que fazer, já que conversas em tons altos e bate portas não são necessariamente crimes.

“E não temos como destinar uma guarnição para ficar a noite e a madrugada inteira no local para prevenir as saídas ruidosas. Iremos fazer algumas ações de prevenção no local, dentro de nossas possibilidades operacionais”, completou.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade