Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Uma tonelada de cocaína entregou o traficante Minotauro, preso em Balneário Camboriú
Divulgação

Quarta, 6/2/2019 8:28.

Sérgio de Arruda Quintiliano Neto, conhecido como Minotauro, 32 anos, foi preso em Balneário Camboriú na segunda-feira (4). Ele era apontado como chefe do crime organizado e narcotráfico entre o Paraguai e o Brasil.

Por aqui, ele vivia como um milionário.

A Polícia Federal investigava o caso há seis meses e a ‘pequena’ pista para chegar até ele foi o envio frustrado de 940kg de cocaína paraguaia que estava a caminho do litoral catarinense e foi interceptada.

Placa Brusque

Segundo informações da Polícia Federal, a apreensão da carga aconteceu no dia 22 de janeiro deste ano, em Mato Grosso do Sul. A principal indicação foi a placa do carro: uma BMW X5 de Brusque.

A droga estava sendo trazida para o litoral de Santa Catarina por um homem de 37 anos, que morava no Mato Grosso do Sul e foi preso em flagrante por tráfico internacional de drogas, ainda no Estado em que residia. A carga foi avaliada em R$ 50 milhões.

Vida de luxo em BC

Em Balneário, o traficante, a esposa e a filha viviam uma vida de luxo. Eles estavam escondidos por aqui desde novembro, e se dividiam em dois apartamentos: um no edifício Sunshine, na Avenida Brasil, e outro no Marina Beach Towers, na Rua 3.700.

Minotauro foi preso em flagrante e não ofereceu resistência. Com ele foram encontrados mais de um quilo de ouro em jóias, 100 mil dólares, R$ 10 mil, celulares e uma BMW.

Narcotraficante chefe

A PF informou ainda que Minotauro estava sendo considerado como o principal chefe do narcotráfico na fronteira por conta da guerra que havia iniciado para eliminar adversários. Ele é acusado de ser o mandante de vários crimes, como assassinatos (inclusive de um policial civil e de uma advogada), roubos e até ataques a bomba a uma casa e uma loja paraguaias.

Inicialmente, havia sido divulgado que o traficante era membro do Primeiro Comando da Capital (PCC), mas as investigações indicam que há alguns meses ele estava agindo de forma independente, e inclusive negociava com outras conhecidas facções.

Em nota, a Polícia ainda informou que o preso é apontado como líder regional de um grupo que se dedica ao tráfico de drogas boliviano, entrando no Brasil pela fronteira entre o Mato Grosso do Sul e Paraguai.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Uma tonelada de cocaína entregou o traficante Minotauro, preso em Balneário Camboriú

Divulgação

Publicidade

Quarta, 6/2/2019 8:28.

Sérgio de Arruda Quintiliano Neto, conhecido como Minotauro, 32 anos, foi preso em Balneário Camboriú na segunda-feira (4). Ele era apontado como chefe do crime organizado e narcotráfico entre o Paraguai e o Brasil.

Por aqui, ele vivia como um milionário.

A Polícia Federal investigava o caso há seis meses e a ‘pequena’ pista para chegar até ele foi o envio frustrado de 940kg de cocaína paraguaia que estava a caminho do litoral catarinense e foi interceptada.

Placa Brusque

Segundo informações da Polícia Federal, a apreensão da carga aconteceu no dia 22 de janeiro deste ano, em Mato Grosso do Sul. A principal indicação foi a placa do carro: uma BMW X5 de Brusque.

A droga estava sendo trazida para o litoral de Santa Catarina por um homem de 37 anos, que morava no Mato Grosso do Sul e foi preso em flagrante por tráfico internacional de drogas, ainda no Estado em que residia. A carga foi avaliada em R$ 50 milhões.

Vida de luxo em BC

Em Balneário, o traficante, a esposa e a filha viviam uma vida de luxo. Eles estavam escondidos por aqui desde novembro, e se dividiam em dois apartamentos: um no edifício Sunshine, na Avenida Brasil, e outro no Marina Beach Towers, na Rua 3.700.

Minotauro foi preso em flagrante e não ofereceu resistência. Com ele foram encontrados mais de um quilo de ouro em jóias, 100 mil dólares, R$ 10 mil, celulares e uma BMW.

Narcotraficante chefe

A PF informou ainda que Minotauro estava sendo considerado como o principal chefe do narcotráfico na fronteira por conta da guerra que havia iniciado para eliminar adversários. Ele é acusado de ser o mandante de vários crimes, como assassinatos (inclusive de um policial civil e de uma advogada), roubos e até ataques a bomba a uma casa e uma loja paraguaias.

Inicialmente, havia sido divulgado que o traficante era membro do Primeiro Comando da Capital (PCC), mas as investigações indicam que há alguns meses ele estava agindo de forma independente, e inclusive negociava com outras conhecidas facções.

Em nota, a Polícia ainda informou que o preso é apontado como líder regional de um grupo que se dedica ao tráfico de drogas boliviano, entrando no Brasil pela fronteira entre o Mato Grosso do Sul e Paraguai.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade