Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Policia
Presidente da CNI é preso por suposto desvio no Turismo e Sistema S

Terça, 19/2/2019 11:36.
EBC.

Publicidade

JOÃO VALADARES E ARTHUR CAGLIARI
SÃO PAULO, SP, E RECIFE, PE (FOLHAPRESS) - O presidente da CNI, Robson Andrade, foi preso nesta terça-feira (19) em uma operação da Polícia Federal em parceria com o TCU (Tribunal de Contas da União) que investiga uma suposta organização criminosa suspeita de desviar R$ 400 milhões do Sistema S e do Ministério do Turismo.

A entidade afirma estar à disposição das autoridades.

A operação, batizada de Fantoche, mira o festival Sesi Bonecos do Mundo, organizado pela empresa Aliança Comunicação e Cultura, de Recife, foco da operação.

Também foram presos os donos da empresa -Lina Rosagomes Vieira da Silva e Luiz Antônio Gomes Vieira da Silva- e o presidente da Fiepe (Federação das Indústrias do Estado de Pernambuco), Ricardo Essinger.

Ao todo, foram emitidos dez mandados de prisão temporária e 40 de busca e apreensão nos estados de Pernambuco, Minas Gerais, São Paulo, Paraíba, Distrito Federal, Mato Grosso do Sul e Alagoas.

A PF afirma que a organização era voltada para a prática de crimes contra a administração pública, fraudes licitatórias, associação criminosa e lavagem de ativos.

Ainda de acordo com os investigadores, um grupo de empresas de fachada, sob o controle de uma mesma família, que teria desviado recursos provenientes de contratos e convênios fechados diretamente com o Ministério do Turismo e entidades do Sistema S.

Os contratos eram, na maioria das vezes, voltados à execução de eventos culturais e de publicidade superfaturados e/ou com inexecução parcial, diz a investigação.

As medidas foram determinadas pela 4ª Vara Federal da Seção Judiciária de Pernambuco, que ainda autorizou o sequestro e bloqueio de bens e valores dos investigados.

OUTRO LADO

Em nota, a CNI (Confederação Nacional da Indústria) informou que o presidente da entidade, Robson Braga de Andrade, prestava esclarecimentos na manhã desta terça na Polícia Federal em Brasília sobre a operação.

"A CNI não teve acesso à investigação e acredita que tudo será devidamente esclarecido. Como sempre fez, a entidade está à disposição para oferecer todas as informações que forem solicitadas pelas autoridades", informou.

Também em nota, a Fiepe (Federação das Indústrias do Estado de Pernambuco) afirmou que todos os contratos de patrocínio do Sesi "respeitam as leis de licitação e têm processo transparente publicado em jornais".

"Informamos ainda que a entidade vai colaborar no que for possível com as investigações realizadas pela Polícia Federal."

A reportagem ainda não conseguiu contato com a Aliança Comunicação e Cultura ou com advogados dos proprietários da empresa. 


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Presidente da CNI é preso por suposto desvio no Turismo e Sistema S

EBC.

Publicidade

Terça, 19/2/2019 11:36.

JOÃO VALADARES E ARTHUR CAGLIARI
SÃO PAULO, SP, E RECIFE, PE (FOLHAPRESS) - O presidente da CNI, Robson Andrade, foi preso nesta terça-feira (19) em uma operação da Polícia Federal em parceria com o TCU (Tribunal de Contas da União) que investiga uma suposta organização criminosa suspeita de desviar R$ 400 milhões do Sistema S e do Ministério do Turismo.

A entidade afirma estar à disposição das autoridades.

A operação, batizada de Fantoche, mira o festival Sesi Bonecos do Mundo, organizado pela empresa Aliança Comunicação e Cultura, de Recife, foco da operação.

Também foram presos os donos da empresa -Lina Rosagomes Vieira da Silva e Luiz Antônio Gomes Vieira da Silva- e o presidente da Fiepe (Federação das Indústrias do Estado de Pernambuco), Ricardo Essinger.

Ao todo, foram emitidos dez mandados de prisão temporária e 40 de busca e apreensão nos estados de Pernambuco, Minas Gerais, São Paulo, Paraíba, Distrito Federal, Mato Grosso do Sul e Alagoas.

A PF afirma que a organização era voltada para a prática de crimes contra a administração pública, fraudes licitatórias, associação criminosa e lavagem de ativos.

Ainda de acordo com os investigadores, um grupo de empresas de fachada, sob o controle de uma mesma família, que teria desviado recursos provenientes de contratos e convênios fechados diretamente com o Ministério do Turismo e entidades do Sistema S.

Os contratos eram, na maioria das vezes, voltados à execução de eventos culturais e de publicidade superfaturados e/ou com inexecução parcial, diz a investigação.

As medidas foram determinadas pela 4ª Vara Federal da Seção Judiciária de Pernambuco, que ainda autorizou o sequestro e bloqueio de bens e valores dos investigados.

OUTRO LADO

Em nota, a CNI (Confederação Nacional da Indústria) informou que o presidente da entidade, Robson Braga de Andrade, prestava esclarecimentos na manhã desta terça na Polícia Federal em Brasília sobre a operação.

"A CNI não teve acesso à investigação e acredita que tudo será devidamente esclarecido. Como sempre fez, a entidade está à disposição para oferecer todas as informações que forem solicitadas pelas autoridades", informou.

Também em nota, a Fiepe (Federação das Indústrias do Estado de Pernambuco) afirmou que todos os contratos de patrocínio do Sesi "respeitam as leis de licitação e têm processo transparente publicado em jornais".

"Informamos ainda que a entidade vai colaborar no que for possível com as investigações realizadas pela Polícia Federal."

A reportagem ainda não conseguiu contato com a Aliança Comunicação e Cultura ou com advogados dos proprietários da empresa. 


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade