Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Policia
PF caça 21 por fraudes a licitações e desvios de R$ 100 mi no Porto de Santos
Quinta, 22/8/2019 11:02

Publicidade

Por Pepita Ortega e Fausto Macedo/AE - A Polícia Federal deflagrou na manhã desta quinta, 22, a Operação Círculo Vicioso, segunda fase da Operação Tritão, para desarticular um grupo que fraudava licitações e contratos públicos na Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp). Segundo a PF, o esquema causou prejuízo de mais de R$ 100 milhões à empresa.

Entre os alvos da ‘Círculo Vicioso’ está o ex-deputado federal Marcelo Squassoni. A 5ª Vara da Justiça Federal de Santos expediu ordens de prisão temporária e de busca e apreensão contra o ex-parlamentar.

Ao todo, agentes cumprem 21 mandados de prisão temporária e 24 mandados de busca e apreensão nas cidades de São Paulo, Santos, Guarujá, Ilha Bela, Bragança Paulista, Serra Negra (SP), Duque de Caxias (RJ) e Fortaleza (CE). As buscas são realizadas em 21 endereços ligados a pessoas físicas e em três empresas.

A ação tem apoio da Controladoria Geral da União e do Ministério Público Federal.

A Polícia Federal indicou que, com base em provas obtidas durante a Operação Tritão, colaborações premiadas e informações de membros da atual Diretoria da Codesp, foi possível comprovar as fraudes inicialmente investigadas pela primeira fase da operação, desencadeada em outubro de 2018.

Segundo a corporação, foram identificadas ainda outras fraudes foram executadas após a prisão de alguns membros da organização criminosa.

Os investigados podem responder pelos crimes de organização criminosa, associação criminosa, fraude a licitações e corrupção ativa e passiva, indicou a PF. 


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Destaques

Susana, atleta da seleção brasileira, sofreu constrangimento domingo


 Balneário Camboriú registrou seis suicídios esse ano



Sexto lugar no ranking das 50 cidades catarinenses que mais abriram empresas em 2019


 Uma restauração histórica de fotos aéreas para o primeiro plano diretor do município


Cidade

Susana, atleta da seleção brasileira, sofreu constrangimento domingo


Cidade

 Balneário Camboriú registrou seis suicídios esse ano


Geral


Economia

Sexto lugar no ranking das 50 cidades catarinenses que mais abriram empresas em 2019


Variedades

 Uma restauração histórica de fotos aéreas para o primeiro plano diretor do município


Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

PF caça 21 por fraudes a licitações e desvios de R$ 100 mi no Porto de Santos

Publicidade

Quinta, 22/8/2019 11:02.

Por Pepita Ortega e Fausto Macedo/AE - A Polícia Federal deflagrou na manhã desta quinta, 22, a Operação Círculo Vicioso, segunda fase da Operação Tritão, para desarticular um grupo que fraudava licitações e contratos públicos na Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp). Segundo a PF, o esquema causou prejuízo de mais de R$ 100 milhões à empresa.

Entre os alvos da ‘Círculo Vicioso’ está o ex-deputado federal Marcelo Squassoni. A 5ª Vara da Justiça Federal de Santos expediu ordens de prisão temporária e de busca e apreensão contra o ex-parlamentar.

Ao todo, agentes cumprem 21 mandados de prisão temporária e 24 mandados de busca e apreensão nas cidades de São Paulo, Santos, Guarujá, Ilha Bela, Bragança Paulista, Serra Negra (SP), Duque de Caxias (RJ) e Fortaleza (CE). As buscas são realizadas em 21 endereços ligados a pessoas físicas e em três empresas.

A ação tem apoio da Controladoria Geral da União e do Ministério Público Federal.

A Polícia Federal indicou que, com base em provas obtidas durante a Operação Tritão, colaborações premiadas e informações de membros da atual Diretoria da Codesp, foi possível comprovar as fraudes inicialmente investigadas pela primeira fase da operação, desencadeada em outubro de 2018.

Segundo a corporação, foram identificadas ainda outras fraudes foram executadas após a prisão de alguns membros da organização criminosa.

Os investigados podem responder pelos crimes de organização criminosa, associação criminosa, fraude a licitações e corrupção ativa e passiva, indicou a PF. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Destaques

Susana, atleta da seleção brasileira, sofreu constrangimento domingo


 Balneário Camboriú registrou seis suicídios esse ano



Sexto lugar no ranking das 50 cidades catarinenses que mais abriram empresas em 2019


 Uma restauração histórica de fotos aéreas para o primeiro plano diretor do município