Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Polícia
Adolescente denuncia motorista de aplicativo por estupro

Terça, 13/8/2019 10:12.
Reprodução

Publicidade

Uma adolescente de 16 anos denunciou para a polícia que teria sido estuprada por um motorista de aplicativo na madrugada de sábado (11), em Balneário Camboriú. O caso está sendo investigado pela Polícia Civil.

Segundo a Polícia Militar, os policiais só ficaram sabendo do caso às 14h de sábado, quando funcionários do Hospital Municipal Ruth Cardoso os chamaram. A garota estava no local recebendo atendimento médico e até então não havia denunciado o caso.

De acordo com a PM, a vítima relatou estar na Avenida Atlântica, nas proximidades da rua 1.701, com amigos, por volta das 2h30 de sábado. Ela teria solicitado uma corrida por um aplicativo para ir até a sua casa.

A adolescente teria entrado no carro e estava indo sentido a Itajaí quando o motorista teria alterado a rota da viagem. Ao questioná-lo, ele teria mostrado uma arma e mandou que ela ficasse em silêncio enquanto cobria o rosto. Ainda segundo a vítima, quando teve seu rosto descoberto, percebeu que estava em um local aparentemente abandonado. O homem teria abusado sexualmente dela, e após o ato cobriu seu rosto novamente e se retiraram do local. Ele a deixou próximo da Estrada da Rainha, em uma rua sem saída.

Após o crime, o motorista teria tentado conversar com a garota, momento em que ela deu uma cotovelada nele e conseguiu fugir para a casa de sua ex-madrasta para pedir ajuda.

A moça não soube informar a placa do veículo e nem fez contato com a Polícia Militar logo após para informar do crime sofrido.


O que diz a Associação dos Motoristas de Aplicativos

O presidente da Associação dos Motoristas de Aplicativos da Foz do Rio Itajaí (AMAFRI), Felipe Mafra, conversou com o Página 3 e disse que estava sabendo sobre o caso, mas que não sabem quem é o motorista envolvido, já que a garota não sabia a placa do carro.

“Se ela pegou pelo aplicativo tem tudo registrado lá: nome do motorista, placa do carro dele, tudo certinho. É estranho, porque hoje em dia qualquer um pode dizer que é motorista de aplicativo”, comenta.

Mafra salienta ainda que para ser motorista de aplicativo a pessoa passa por uma ‘investigação’, para saber se há alguma pendência com a Justiça, por exemplo.

“Se foi pelo aplicativo ela vai ter no e-mail dela as informações sobre ele. Também salva no próprio aplicativo o trajeto, onde ele deixou ela. Tudo deve estar lá. Por isso acreditamos que há chance de ele ter feito a corrida ‘por fora’, sem o aplicativo ter sido ligado, e acabou acontecendo essa situação tão complicada”, explica.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
Reprodução

Adolescente denuncia motorista de aplicativo por estupro

Publicidade

Terça, 13/8/2019 10:12.

Uma adolescente de 16 anos denunciou para a polícia que teria sido estuprada por um motorista de aplicativo na madrugada de sábado (11), em Balneário Camboriú. O caso está sendo investigado pela Polícia Civil.

Segundo a Polícia Militar, os policiais só ficaram sabendo do caso às 14h de sábado, quando funcionários do Hospital Municipal Ruth Cardoso os chamaram. A garota estava no local recebendo atendimento médico e até então não havia denunciado o caso.

De acordo com a PM, a vítima relatou estar na Avenida Atlântica, nas proximidades da rua 1.701, com amigos, por volta das 2h30 de sábado. Ela teria solicitado uma corrida por um aplicativo para ir até a sua casa.

A adolescente teria entrado no carro e estava indo sentido a Itajaí quando o motorista teria alterado a rota da viagem. Ao questioná-lo, ele teria mostrado uma arma e mandou que ela ficasse em silêncio enquanto cobria o rosto. Ainda segundo a vítima, quando teve seu rosto descoberto, percebeu que estava em um local aparentemente abandonado. O homem teria abusado sexualmente dela, e após o ato cobriu seu rosto novamente e se retiraram do local. Ele a deixou próximo da Estrada da Rainha, em uma rua sem saída.

Após o crime, o motorista teria tentado conversar com a garota, momento em que ela deu uma cotovelada nele e conseguiu fugir para a casa de sua ex-madrasta para pedir ajuda.

A moça não soube informar a placa do veículo e nem fez contato com a Polícia Militar logo após para informar do crime sofrido.


O que diz a Associação dos Motoristas de Aplicativos

O presidente da Associação dos Motoristas de Aplicativos da Foz do Rio Itajaí (AMAFRI), Felipe Mafra, conversou com o Página 3 e disse que estava sabendo sobre o caso, mas que não sabem quem é o motorista envolvido, já que a garota não sabia a placa do carro.

“Se ela pegou pelo aplicativo tem tudo registrado lá: nome do motorista, placa do carro dele, tudo certinho. É estranho, porque hoje em dia qualquer um pode dizer que é motorista de aplicativo”, comenta.

Mafra salienta ainda que para ser motorista de aplicativo a pessoa passa por uma ‘investigação’, para saber se há alguma pendência com a Justiça, por exemplo.

“Se foi pelo aplicativo ela vai ter no e-mail dela as informações sobre ele. Também salva no próprio aplicativo o trajeto, onde ele deixou ela. Tudo deve estar lá. Por isso acreditamos que há chance de ele ter feito a corrida ‘por fora’, sem o aplicativo ter sido ligado, e acabou acontecendo essa situação tão complicada”, explica.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade