Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Polícia
Para fazer politicagem contra o hospital Edson Piriquito cometeu crime

Ele divulgou o prontuário de um paciente e isso é proibido em lei

Quinta, 29/3/2018 9:49.

Publicidade

O ex-prefeito e atual gestor da Agência de Desenvolvimento Regional de Itajaí, Edson Piriquito, voltou a fazer discurso contra o Hospital Municipal Ruth Cardoso, porém dessa vez ele cometeu crime porque revelou dados sigilosos de um paciente que não poderiam vir a público.

O fato aconteceu na terça-feira quando Piriquito divulgou um filme no Facebook a respeito de um paciente que sofreu acidente de moto e entrou em situação gravíssima no Ruth Cardoso, onde faleceu.

Piriquito tenta fazer a desconstrução do hospital afirmando que não havia médicos especializados para atender aquele paciente quando na verdade o atendimento aos demais pacientes foi retardado quando os três médicos disponíveis se dedicaram a tentar salvar a vida do rapaz.

Ele cita em particular a falta de um cirurgião torácico necessidade que segundo apurado pelo Página 3 foi cogitada inicialmente pela equipe médica e depois descartada.

O crime cometido por Edson Piriquito consiste em revelar dados que são sigilosos, a ficha médica do paciente.

Durante o filme ele mostra que está lendo um papel e afirma que são dados no Sisreg, o sistema de regulação nacional para prontuários médicos.

Todo usuário do Sisreg tem que assinar uma cláusula de confidencialidade porque a intimidade dos pacientes é garantida na Constituição Federal, no Código Civil, no Código Penal e nas regras que regem a atuação dos profissionais de saúde.

Piriquito não poderia ter acesso a esses dados e se tivesse precisaria respeitar a obrigação legal de preservar a privacidade do paciente.

É possível que alguém tenha acessado indevidamente o sistema para obter e repassar os dados o que levaria à constatação de que o crime foi cometido por mais de uma pessoa.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Publicidade














Página 3

Para fazer politicagem contra o hospital Edson Piriquito cometeu crime

Ele divulgou o prontuário de um paciente e isso é proibido em lei

Publicidade

Quinta, 29/3/2018 9:49.

O ex-prefeito e atual gestor da Agência de Desenvolvimento Regional de Itajaí, Edson Piriquito, voltou a fazer discurso contra o Hospital Municipal Ruth Cardoso, porém dessa vez ele cometeu crime porque revelou dados sigilosos de um paciente que não poderiam vir a público.

O fato aconteceu na terça-feira quando Piriquito divulgou um filme no Facebook a respeito de um paciente que sofreu acidente de moto e entrou em situação gravíssima no Ruth Cardoso, onde faleceu.

Piriquito tenta fazer a desconstrução do hospital afirmando que não havia médicos especializados para atender aquele paciente quando na verdade o atendimento aos demais pacientes foi retardado quando os três médicos disponíveis se dedicaram a tentar salvar a vida do rapaz.

Ele cita em particular a falta de um cirurgião torácico necessidade que segundo apurado pelo Página 3 foi cogitada inicialmente pela equipe médica e depois descartada.

O crime cometido por Edson Piriquito consiste em revelar dados que são sigilosos, a ficha médica do paciente.

Durante o filme ele mostra que está lendo um papel e afirma que são dados no Sisreg, o sistema de regulação nacional para prontuários médicos.

Todo usuário do Sisreg tem que assinar uma cláusula de confidencialidade porque a intimidade dos pacientes é garantida na Constituição Federal, no Código Civil, no Código Penal e nas regras que regem a atuação dos profissionais de saúde.

Piriquito não poderia ter acesso a esses dados e se tivesse precisaria respeitar a obrigação legal de preservar a privacidade do paciente.

É possível que alguém tenha acessado indevidamente o sistema para obter e repassar os dados o que levaria à constatação de que o crime foi cometido por mais de uma pessoa.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade