Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Suspeito de ataque em Fort Lauderdale passou por tratamento psicológico
Divulgação.
80 mil e 100 mil pessoas circulam no aeroporto diariamente.

Sábado, 7/1/2017 7:33.

(FOLHAPRESS) - O ex-militar Esteban Santiago, 26, suposto atirador que matou cinco pessoas no aeroporto de Fort Lauderdale nesta sexta-feira (6), fez tratamento psicológico após uma visita ao FBI (polícia federal dos EUA) em novembro passado.

Santiago chegou à Flórida vindo de Anchorage, no Alasca, onde morava, com conexão em Minneapolis. Ao chegar na sala de restituição de bagagens, retirou a arma que levava de sua mala e abriu fogo contra os passageiros.

Agentes de segurança federais disseram à imprensa americana que ele começou um tratamento psicológico depois de visitar a sede do FBI em Anchorage há três meses para relatar uma ocorrência.

Santiago foi ao local para dizer que tinha pensamentos incoerentes. Dentre eles, o de que a CIA (Agência Central de Inteligência) estava lhe forçando a ver vídeos da milícia terrorista Estado Islâmico para dominar sua mente.

O suposto atirador acusava a CIA de forçá-lo a aderir à facção. Os agentes afirmam que a polícia local foi chamada e o ex-militar foi voluntariamente a um centro de atendimento psiquiátrico para tratamento.

O incidente ocorreu um mês depois de ele ser colocado na reserva do Exército após servir em Fort Greely, no Estado do Arkansas. Apesar disso, não foi cassada a licença de porte e translado de armas, que permitiu o embarque.

MILITAR

De origem porto-riquenha, o suspeito nasceu no Estado de Nova Jersey, mas aos dois anos de idade se mudou para a ilha. Em 2008 alistou-se na Guarda Nacional de Porto Rico, e dois anos depois foi convocado para o Iraque.

Ele ficou de abril de 2010 a fevereiro de 2011 na guerra no país árabe e recebeu um prêmio pela ação em combate antes de voltar. Na época chegou a passar por tratamento por transtorno pós-traumático, mas foi liberado.

Santiago foi colocado na reserva do Exército em 2013, com grau de especialista. No ano seguinte, mudou-se para Anchorage para servir na Guarda Nacional do Alasca como engenheiro de combate.

Nesta época ele voltou a ter problemas psicológicos e cometeu delitos. Em 2015 foi acusado de violência doméstica pela namorada após uma briga. O caso foi arquivado depois que ele foi obrigado a seguir guerras estritas.

Meses antes havia sido despejado de seu apartamento por não pagar o aluguel de US$ 435. Ele ainda foi acusado de agressão e dano ao patrimônio em Anchorage, mas o processo também foi arquivado.

Um dos irmãos do suspeito, Brayan Santiago disse, em entrevista ao canal NBC, que não imaginava que seu irmão fosse capaz de um ataque como esse, mas que ele pode ter tido uma visão de seu período na guerra.

Segundo Brayan, a família não tinha notícias de Esteban há semanas, embora isso não fosse incomum, motivo pelo qual eles estavam preocupados. "Ele era uma pessoa comum, espirituosa, do bem", disse. 

Ataque a tiros deixa 5 mortos e 8 feridos em aeroporto na Flórida

Um atirador abriu fogo na tarde desta sexta-feira (6) no aeroporto da cidade de Fort Lauderdale, no Estado americano da Flórida, deixando ao menos cinco mortos e oito feridos, segundo as autoridades locais.

O incidente ocorreu no terminal 2, próximo às esteiras de retirada de bagagem. As operações do aeroporto foram suspensas.

De acordo com a prefeita de Broward County, o incidente foi provocado por um atirador solitário. Um suspeito está sob custódia da polícia, sem ferimentos. Não há motivo aparente para o ataque.

O senador pela Flórida, Bill Nelson, disse à emissora MSNBC que o suspeito foi identificado como Esteban Santiago, 26, e portava uma cédula de identidade militar -não há informações sobre a validez do documento.

As entradas e saídas do aeroporto foram bloqueadas pela polícia. As autoridades desmentiram relatos de que novos tiros haviam sido registrados no local.

Imagens aéreas mostraram dezenas de pessoas correndo no local e outras aglomeradas do lado de fora do saguão do aeroporto, próximo à pista.
Mark Lea, uma testemunha do incidente, disse à emissora MSNBC que o atirador "não disse nada, esteve quieto o tempo todo, não gritou".

Jillian Saunders disse à agência de notícias Associated Press pelo Twitter que observou o incidente de dentro de um avião que deveria decolar para Los Angeles.

"Tudo que se vê no noticiário está acontecendo do lado de fora da minha janela", afirmou. "Por sorte, eu estou no avião e disseram que agora somos as pessoas em maior segurança no aeroporto."

Segundo as autoridades, entre 80 mil e 100 mil circulam pelo local diariamente.

A assessoria de imprensa da Azul disse à Folha de S.Paulo que os voos da companhia entre o Brasil e Fort Lauderdale não sofreram alterações. A Latam, que faz voos para outras cidades da Flórida, como Orlando e Miami, disse que nenhum voo foi alterado.

Caso planeje viajar para a região, confira o status do seu voo antes de sair de casa.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Suspeito de ataque em Fort Lauderdale passou por tratamento psicológico

Divulgação.
80 mil e 100 mil pessoas circulam no aeroporto diariamente.
80 mil e 100 mil pessoas circulam no aeroporto diariamente.
Sábado, 7/1/2017 7:33.

(FOLHAPRESS) - O ex-militar Esteban Santiago, 26, suposto atirador que matou cinco pessoas no aeroporto de Fort Lauderdale nesta sexta-feira (6), fez tratamento psicológico após uma visita ao FBI (polícia federal dos EUA) em novembro passado.

Santiago chegou à Flórida vindo de Anchorage, no Alasca, onde morava, com conexão em Minneapolis. Ao chegar na sala de restituição de bagagens, retirou a arma que levava de sua mala e abriu fogo contra os passageiros.

Agentes de segurança federais disseram à imprensa americana que ele começou um tratamento psicológico depois de visitar a sede do FBI em Anchorage há três meses para relatar uma ocorrência.

Santiago foi ao local para dizer que tinha pensamentos incoerentes. Dentre eles, o de que a CIA (Agência Central de Inteligência) estava lhe forçando a ver vídeos da milícia terrorista Estado Islâmico para dominar sua mente.

O suposto atirador acusava a CIA de forçá-lo a aderir à facção. Os agentes afirmam que a polícia local foi chamada e o ex-militar foi voluntariamente a um centro de atendimento psiquiátrico para tratamento.

O incidente ocorreu um mês depois de ele ser colocado na reserva do Exército após servir em Fort Greely, no Estado do Arkansas. Apesar disso, não foi cassada a licença de porte e translado de armas, que permitiu o embarque.

MILITAR

De origem porto-riquenha, o suspeito nasceu no Estado de Nova Jersey, mas aos dois anos de idade se mudou para a ilha. Em 2008 alistou-se na Guarda Nacional de Porto Rico, e dois anos depois foi convocado para o Iraque.

Ele ficou de abril de 2010 a fevereiro de 2011 na guerra no país árabe e recebeu um prêmio pela ação em combate antes de voltar. Na época chegou a passar por tratamento por transtorno pós-traumático, mas foi liberado.

Santiago foi colocado na reserva do Exército em 2013, com grau de especialista. No ano seguinte, mudou-se para Anchorage para servir na Guarda Nacional do Alasca como engenheiro de combate.

Nesta época ele voltou a ter problemas psicológicos e cometeu delitos. Em 2015 foi acusado de violência doméstica pela namorada após uma briga. O caso foi arquivado depois que ele foi obrigado a seguir guerras estritas.

Meses antes havia sido despejado de seu apartamento por não pagar o aluguel de US$ 435. Ele ainda foi acusado de agressão e dano ao patrimônio em Anchorage, mas o processo também foi arquivado.

Um dos irmãos do suspeito, Brayan Santiago disse, em entrevista ao canal NBC, que não imaginava que seu irmão fosse capaz de um ataque como esse, mas que ele pode ter tido uma visão de seu período na guerra.

Segundo Brayan, a família não tinha notícias de Esteban há semanas, embora isso não fosse incomum, motivo pelo qual eles estavam preocupados. "Ele era uma pessoa comum, espirituosa, do bem", disse. 

Ataque a tiros deixa 5 mortos e 8 feridos em aeroporto na Flórida

Um atirador abriu fogo na tarde desta sexta-feira (6) no aeroporto da cidade de Fort Lauderdale, no Estado americano da Flórida, deixando ao menos cinco mortos e oito feridos, segundo as autoridades locais.

O incidente ocorreu no terminal 2, próximo às esteiras de retirada de bagagem. As operações do aeroporto foram suspensas.

De acordo com a prefeita de Broward County, o incidente foi provocado por um atirador solitário. Um suspeito está sob custódia da polícia, sem ferimentos. Não há motivo aparente para o ataque.

O senador pela Flórida, Bill Nelson, disse à emissora MSNBC que o suspeito foi identificado como Esteban Santiago, 26, e portava uma cédula de identidade militar -não há informações sobre a validez do documento.

As entradas e saídas do aeroporto foram bloqueadas pela polícia. As autoridades desmentiram relatos de que novos tiros haviam sido registrados no local.

Imagens aéreas mostraram dezenas de pessoas correndo no local e outras aglomeradas do lado de fora do saguão do aeroporto, próximo à pista.
Mark Lea, uma testemunha do incidente, disse à emissora MSNBC que o atirador "não disse nada, esteve quieto o tempo todo, não gritou".

Jillian Saunders disse à agência de notícias Associated Press pelo Twitter que observou o incidente de dentro de um avião que deveria decolar para Los Angeles.

"Tudo que se vê no noticiário está acontecendo do lado de fora da minha janela", afirmou. "Por sorte, eu estou no avião e disseram que agora somos as pessoas em maior segurança no aeroporto."

Segundo as autoridades, entre 80 mil e 100 mil circulam pelo local diariamente.

A assessoria de imprensa da Azul disse à Folha de S.Paulo que os voos da companhia entre o Brasil e Fort Lauderdale não sofreram alterações. A Latam, que faz voos para outras cidades da Flórida, como Orlando e Miami, disse que nenhum voo foi alterado.

Caso planeje viajar para a região, confira o status do seu voo antes de sair de casa.

Publicidade

Publicidade